24 de junho de 2021

A descoberta de Jana | Lola Salgado

    Olá meu povo, como estamos? Hoje temos resenha de mais um conto (o penúltimo) da coleção Femme Fatale. O da vez é A descoberta de Jana, da autora nacional Lola Salgado, uma releitura da história de Tarzan. 
A descoberta de Jana | Lola Salgado
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

30/24
Livro: A descoberta de Jana
Autora: Lola Salgado 
Editora: Increasy

Ano: 2021
Páginas: 130

Skoob | Amazon


Jana Pontes ama trabalhar na Nattú, uma indústria de cosméticos conhecida pela preocupação com o meio ambiente e por ser livre de crueldade. Ama tanto que não se importa em fazer turnos dobrados, graças a uma coleção desafiadora que foi designada a ela.
Mas, ao testemunhar um carregamento clandestino que vai contra os seus princípios, Jana se vê obrigada a agir. E, com a ajuda de João Cleiton, um ativista famoso, ela lutará para desmascarar o que acontece nos bastidores.
A Descoberta de Jana é inspirado na história da Jane, de Tarzan, e faz parte da antologia Femme Fatale, composta por 12 novelas de 12 autoras da Increasy Consultoria Literária, com a proposta de trazer uma releitura de princesas e heroínas da literatura.

A descoberta de Jana | Lola Salgado

 

   Janaína Pontes, ou apenas Jana, é uma funcionária exemplar da empresa Nattú, uma das maiores empresas de cosméticos do país. 
   Jana se sente orgulhosa por trabalhar lá, especialmente por saber que a empresa é uma das que mais levantam a bandeira contra os maus tratos e testes em animais. 
   E sua paixão é tanta, que Jana acaba sendo a “louca das horas extras”, especialmente agora que foi escolhida para elaborar a linha de maquiagem de uma blogueira famosa, também ativista vegana. 
   Porém, numa dessas horas extras, Jana acaba descobrindo algo chocante, perigoso e constrangedor, e cabe a ela fazer ou não o que deve ser feito. 

   Eu estava bem curiosa para conferir esse conto, especialmente porque a própria história de Tarzan mexe com questões ambientais. 
   Assim como em outros contos, Tarzan aqui é deixado de lado e temos a maior atuação por conta de Jane, representada por Jana Pontes. 
   Jana chama atenção por onde passa, já que quebra vários paradigmas. Primeiro, Jana é uma mulher gorda, o que chama atenção, já que todo mundo tem que apontar o dedo para ela, dizendo o quanto ela “é linda de rosto, mas é uma pena que não faça uma dieta para emagrecer”. 
  O fato de Jana ser vegetariana então, deixa todo mundo a sua volta incomodado, já que sempre tem alguém para dar pitaco em suas escolhas alimentares, como se do nada, todo mundo soubesse o que é ser saudável e acham que ela só faz isso para tentar ser magra e se encaixar num padrão que não existe. 😒  
  Jana passa por várias situações constrangedoras, que só quem é, ou já foi acima do peso, sabe como é ser motivo de piadas, pena ou até mesmo preconceito só por ser quem é. 

“Sabe, as pessoas tão sempre falando merda… é o que fazemos de melhor. Tenha a sensação de que só idiotas são cheios de certeza. Ainda mais quando essas certezas são sobre outras pessoas.”


  Quem me vê hoje, acha que sempre fui assim. Mas quando criança, eu era uma menina acima do peso e, ler o que Jana passou nos tempos de escola me fez lembrar de várias situações que eu também passei, pelo simples fato de “ser inteligente, ser legal, mas uma pena que era tão gordinha”. Ou até ser motivo de piada entre os meninos, que não queriam ficar perto da “gordinha” (isso quando não arrumavam outros apelidos mais ofensivos). 
  Quando cresci e comecei a praticar esportes, o metabolismo foi ajudando e eu emagreci rápido até demais. Mas eu me lembro de todas as vezes em que passei vergonha por causa disso e me dói, como se o fato de eu ser uma menina gorda fosse uma doença. 
  E o mais irônico é que, agora, ainda não me encaixaria numa sociedade, já que sempre ouço que “preciso fazer uma dieta de engorda, já que sou muito magrinha e se der um vento me leva”. Mas ninguém pergunta se estou bem desse jeito, se é simplesmente natural do meu corpo ser assim. 
  Me perguntava isso quando criança, e me pergunto isso hoje adulta. E é o mesmo pelo qual Jana passa, ao ver pessoas sorrindo para ela pela frente, mas por trás, fazem dela motivo de piada por conta do seu peso, como se fosse alguma doença ou motivo de desleixo. 

“O medo da rejeição não fazia sentido para quem nunca havia sofrido na pele.”



  Ver o quanto Jana se sentia magoada me doeu também lá no fundo da alma, pois me senti como ela. E me deu uma vontade incrível de abraçá-la e falar que nada daquilo era verdade, que eles é que eram as verdadeiras pessoas doentes naquela empresa. 


A descoberta de Jana | Lola Salgado
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna



  Além disso, Jana trabalha lá na Nattú pelo simples fato de a empresa ser uma das grandes apoiadoras de produtos cruelty free, o que chama atenção de vários ativistas, que fazem trabalhos em parceria. 
  Uma dessas parcerias era com a MaquiAmanda, uma blogueira famosa que estava desenvolvendo uma linha de maquiagens. 
  Amanda fez questão de chamar Jana para desenvolver a linha, por saber que ela também defendia os direitos dos animais, então seria uma parceria ainda maior. 
  A responsabilidade de Jana era tanta, que ela se dava de corpo e alma para seu trabalho. E era tanto, que até sua amiga mais próxima, a Maristela, se preocupava com ela e mandava ela parar. 
  Mas foi numa dessas horas extras, que Jana descobriu um podre da empresa que tanto presava. E aí fica a questão: se era algo na calada da noite, o que a parte mais fraca da corda poderia fazer? 
  Ela deveria denunciar o que estava de errado? Ou apenas fazer vista grossa e deixar assim mesmo? 
  Jana sempre defendeu os seus princípios e agora sabendo que estava trabalhando em algo que fugia deles era um pesadelo. 
   Assim, ela acaba buscando apoio, e vai acabar encontrando o Tarzan, que aqui é representado por João Cleiton, um rapaz bonitão, que gosta tanto dos animais, que vive uma vida a la Richard (o cara do programa de TV, que vive abraçando qualquer animal que vê pela frente).  
 João Cleiton e Jana vão criando uma relação até rápida, que me assustou num primeiro momento. João e Jana tem bastante coisa em comum, principalmente os princípios, mas a forma como ele a aborda me deixou incomodada só de ler. 
  Tá certo que era algo que deveria acontecer rápido, mas as coisas iam acontecendo de maneira irreal. Talvez se tivesse um pouco mais de peças para entender como foram os bastidores, ajudaria. Mas só estava com o resultado final nas mãos e fiquei sentindo falta de um “porquê”.   
  A história é narrada pela própria Jana, mas fiquei incomodada também com uma narrativa detalhada demais. 
  A autora não economizou em detalhes de nada e isso me deixou um tanto incomodada, pois algumas cenas poderiam ter sido reduzidas, que não teria impacto na história. 

A descoberta de Jana | Lola Salgado
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna


  O final já era um tanto previsível, mas gostei de como foi finalizado e não alterou a nota final. Mas gostei da premissa sobre o quanto devemos pesquisar sobre as empresas das quais compramos os produtos. 
  Ainda mais agora em tempos de tecnologia, onde a gente acha as informações tão rápido. Mesmo que uma empresa levante bandeiras ativistas, devemos sempre ter o pé atrás, para não ser enganados por uma propaganda bonitinha, mas que por atrás, tem uma ideia completamente oposta. 
  A capa já chama atenção por trazer uma Jane completamente fora dos padrões, o que é maravilhoso, já que temos representatividade em vários aspectos.
  Além disso, a revisão está de parabéns, assim como a fonte bem legível e uma diagramação bem bonita. E, confesso que agora estou curiosa para conferir a história original do Rei da Selva. 

E aí, o que acharam? Já tinham lido esse conto? E a história de Tarzan, já tinham lido também?



 

  
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui