4 de agosto de 2020

Amantes das séries: Cursed – A lenda do lago

   Olá meu povo, como estamos? Hoje trago minhas impressões sobre uma das mais novas séries do catálogo Netflix: Cursed – A lenda do lago. 

Cursed - A lenda do lago | Netflix
Foto: Divulgação

Ficha técnica: 
Série: Cursed – A lenda do lago
Ano: 2020
Episódios: 10 (média de 50min)
Temporadas: 1 (em andamento)
País: Estados Unidos
Cursed - A lenda do lago | Netflix
   Quem conhece a lenda do Rei Arthur, seja por livros ou filmes, está familiarizadx com personagens com Merlim, Morgana e os próprios cavaleiros da Távola Redonda. 
   É uma estória com muita aventura e magia, principalmente com a luta entre o bem e o mal, travada sempre entre Merlim e Morgana, os feiticeiros mais poderosos do reino. 
  Várias foram as adaptações a repeito dessa aventura, mas acho que, de uns tempos para cá, a fantasia está tomando cada vez mais conta desse mundo. 
  Mas aqui, várias coisas estão mudadas, a começar pelos laços familiares. Arthur, sempre retratado como príncipe e depois como rei justo e honesto, aqui é retratado como um plebeu, e Uther Pendragon é seu inimigo mortal. 
  Merlim está mais velho, mas é mais um feiticeiro fracassado, que só tem casa por causa de uns poucos feitiços que dão certo… por pura sorte. 
  Guinevere deu lugar a Nimue, nossa verdadeira protagonista, e já vão entender o porquê. E Morgana continua sendo irmã de Arthur e é (ou era para ser) a grande surpresa dessa trama. 
  Já entendendo um pouco as mudanças feitas, vamos à estória em si. Nimue é uma feiticeira poderosa, com poderes que nem ela mesma entende. 
  Sua mãe sabe suas origens, mas como não conta para a menina, ela cresce revoltada com o mundo, principalmente sofrendo bullying da parte de seu próprio povo. 
  Alguns a tem como amaldiçoada e que deve ser banida, enquanto sua mãe defende que ela é um ser que o mundo nunca viu, mas deve tentar ser compreendida. 
  Nimue cresce sem muita perspectiva onde mora, mas também não pode sair da vila, já que sua mãe quer que ela ouça a voz dos Ocultos e siga seus passos como sacerdotisa da dos Feéricos. 
  Mas menina quer mais da vida, só ainda não sabe o quê, e isso a deixa mais irritada com o mundo. E sua vida vira de cabeça para baixo quando sua vila é invadida e destruída pelos paladinos vermelhos, guerreiros da igreja, que buscam queimar os Feéricos, chamando-os demônios, e tem a ideia de “purificar” a terra para os humanos. 
Cursed - A lenda do lago | Netflix
Foto: Divulgação/Netflix
  Sem ter para onde ir, e com uma missão para lá de esquisita que sua mãe lhe dá em seus últimos suspiros, ela deve levar uma espada poderosa de volta para Merlim, que até então Nimue só conhecia por lendas. 
  Com uma espada estranha na mão, sozinha e cercada por paladinos vermelhos por onde anda, Nimue começa sua jornada, rumo ao destino que ela sempre esperou ter, de aventuras, descobertas e aceitação. 
  Mas nada nessa vida é fácil, como a própria Nimue vai descobrir. 
  Todos querem pegar a bendita da espada, que ela nem sabia que existia até aquele momento, mas todos parecem saber de seus poderes misteriosos, perfeitos para dominar o mundo. 
  E cabe a Nimue compreender qual caminho deve seguir, escolher seus verdadeiros amigos e saber o valor do que carrega nas mãos. 
Cursed - A lenda do lago | Netflix
Foto: Divulgaçã/Netflix
  Eu amo a lenda de Rei Arthur, assim como assisto a várias versões dela. Essa é uma que chegou chegando no Netflix, já rendendo alguns comentários positivos… outros nem tanto. 
  Confesso que fui cheia de expectativas, especialmente quando vi uma abertura bonita, que me lembrou as novas capas dos clássicos da Zahar. 
  E… devo dizer que a história é boa, mas eu esperava mais. Gostei da ideia “às avessas” dos personagens, o que deu até lugar à representatividade. 
  Isso porque Arthur é um plebeu, negro e sofre preconceito da “parte branca” de sua própria família. Aqui vemos que preconceito não tem idade, nem época para acontecer. É uma coisa já enrizada entre a sociedade e negar isso é mentir para si mesmo. 
  Sua irmã Morgana também é alvo de preconceito da família, por ser negra e ter ideias avançadas demais para sua época (em outras palavras, tinha autoestima e era inteligente). 
  Assim, foi levada ainda jovem para o convento, para viver enclausurada e “aprender a ser mulher”. 
  Nimue, por sua vez, é a “menina estranha” da vila, escorraçada pelos próprios Feéricos, por ser diferente. Todos tem medo dela, que nem mesmo sabe o que é. 
  Depois que ganha a fama de “feiticeira do sangue de lobo” pelos paladinos vermelhos, esse medo parece que apenas aumentou entre os Feéricos, o que faz Nimue ter ainda mais dificuldade para entender a si mesma. 
  Arthur e Morgana parecem ter seus destinos entrelaçados com os da feiticeira, o que rende algumas cenas até cômicas, diga-se de passagem. 
  Por outro lado, Merlim, o feiticeiro fracassado que vive às custas de golpes entre os reis que disputam o trono principal, está com dias contados para ter sua cabeça em cima do pescoço. 
  Cada vez mais fraco e sem saber como recuperar seus poderes, sua única alegria é encontrar com a Viúva, que eu entendo como sendo a Morte. 
  Eles tem várias conversas profundas sobre passado, presente e futuro, que podem até dar uma ideia do que iremos encontrar nos capítulos seguintes. 
  Merlim tem uma relação de amizade com a Viúva, que chega a ser estranha. A Viúva sabe o que aconteceu com Merlim, e sabe que seu destino está ligado à espada carregada por Nimue. 
Cursed - A lenda do lago | Netflix
Foto: Divulgação/Netflix
  A tal espada, que aqui não se chama Excalibur, mas Dente do Diabo, é famosa por levantar, mas também derrubar reis. 
  Ela tem todo um mistério de como veio ao mundo, mas não é enterrada numa pedra, como nas versões anteriores. Aqui, qualquer pessoa pode pegar e sair usando por aí. 
  O lance dessa espada é que ela pode te dominar, já que gosta de sangue no café da manhã. Quem a possui, fica mais agressivo, perigoso e se torna temido, exatamente o que os reis que disputam o trono querem. 
  Mas Nimue, ao empunhar o Dente do Diabo, deixa eles bem zangados e temerosos. Afinal, se ela se declara rainha, todos tem que se curvar a ela… e eles não querem isso. 
  Assim, Uther Pendragon de um lado, o rei do gelo do outro, e o rei dos lordes da escuridão por trás de todo mundo, montam seus próprios esquemas para derrubar Nimue e o possível perigo que venha a mostrar para o mundo dos humanos. 
 Apesar de serem tramas muito bem boladas num primeiro momento, eu esperava mais “tiro, porrada e bomba”, pelo que prometia. 
Cursed - A lenda do lago | Netflix
Foto: Divulgação
 Tanto a espada quanto Nimue, são portadoras de grandes segredos, mas eles são revelados de uma maneira tão infantil, que foi broxante. 
  Arthur e Morgana tem um papel importante, já que são os únicos “sangue de homem” que Nimue permitiu que chegassem perto dela. São verdadeiros amigos, mas também podem ser sua ruína. 
  Arthur pode não usar uma coroa, mas tem senso se justiça como se usasse. No entanto, sua relação com Nimue, que era esperada que acontecesse o romance, afinal são o casal protagonista da lenda, ficou faltando um pouco de sal. 
Cursed - A lenda do lago | Netflix
Foto: Divulgação/Netflix
  Morgana, a feiticeira mais esperada, ainda mais pela personalidade que tem, ideias que defende… e algumas coisas que lhe são reveladas, esperava que tivesse um destino mais impactante. 
  O que aconteceu de forma tão jogada, tao rápida, que fiquei sem saber porque aconteceu daquele jeito, numa temporada que vinha mais ou menos bem… 
  Me senti o próprio John Travolta vendo a cena que tinha tudo para roubar a temporada inteira ser jogada no lixo assim. 
  Os efeitos são bons, o elenco levou bem seu papel… A fotografia também está espetacular. Mas ainda esperava mais de uma série que é baseada num livro homônimo, ainda mais pelas críticas positivas que estava vendo antes de assistir a série. 
  Apesar disso, é uma série que é fácil de ser maratonada, mesmo com episódios relativamente longos, as cenas acontecem de maneira rápida e você acaba não sentindo o tempo passar. 
  Outra coisa que achei interessante, foi que temos participação de Vikings nessa trama. Achei interessante essa pegada, ainda mais porque não me lembro de ter sido abordada e possível relação entre os povos em outras versões. 
  Além disso, temos aqui, claramente, não uma disputa de reis somente, mas uma disputa de religiões. Nimue e Merlim representam a Magia Antiga, enquanto os paladinos vermelhos representam um braço da Igreja cristã, que agem por conta própria, quase que criando uma Igreja própria também. 
  Eles mesmos possuem rixas com a Trindade, a real cavalaria do Papa. Some-se a isso, os deuses dos povos celtas aparecem e querem seu quinhão, com o reino que o Dente do Diabo pode construir sobre ossos e sangue dos reinos que já existem.  
Cursed - A lenda do lago | Netflix
Foto: Divulgação/ Netflix
  No entanto, não posso dar mais que quatro estrelas nela. Espero, do fundo do coração, que a segunda temporada dê mais destaque aos personagens que ficaram para trás, ou que tiveram seus destinos jogados.  
  

 

    E essa foi a postagem de hoje. O que vocês acharam? Curtem essas novas interpretações de séries? Me contem aí! 😉
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui