5 de novembro de 2022

Amantes do Cinema | O Homem Invisível

    Olá meu povo, como estamos? Depois de um bom tempo, cá estou eu tentando
ressuscitar o quadro #AmantesdoCinema
novamente (rsrsrs). 
   Não que não veja filmes, mas a frequência ficou bem mais
baixa desde que deixei de assinar a Netflix
. O que também não ajudou muito foi
o fato de estar sem condições de ir ao cinema conferir os lançamentos.
   Assim, muitas vezes assisto títulos repetidos que amo, porém já foram
comentados aqui e fico sem muitas novidades. 
   Entretanto, nos últimos tempos eu
consegui ver um em especial, disponível nas telonas uns anos atrás, mas agora
passa na TV por assinatura também
(vi na FX). Dessa forma, trago (finalmente)
minha opinião sobre ‘O Homem Invisível’.


Amantes do Cinema | O Homem Invisível
Foto: Divulgação




ALERTA: Contém gatilhos sobre violência doméstica e relacionamentos abusivos

 


Ficha técnica:

Filme: O Homem Invisível

Gênero: Terror/Suspense/Ficção Científica

Ano: 2020

Duração: 2h4min

País: Austrália/EUA

Classificação: +14

 

Presa numa relação violenta e controladora com um cientista brilhante,
Cecilia Kass escapa na calada da noite e desaparece, escondendo-se junto com
sua irmã, seu amigo de infância e a filha adolescente dele. Mas quando seu ex
abusivo comete suicídio e lhe deixa uma generosa parte da fortuna, Cecilia
começa a suspeitar que a morte foi forjada.

À medida que uma série de coincidências arrepiantes se tornam muito
letais, ameaçando a vida daqueles que ela ama, a sanidade de Cecilia começa a
enganá-la – e a moça desesperadamente tenta provar que está sendo caçada por
alguém que ninguém pode ver.

 

Amantes do Cinema | O Homem Invisível

 

   Cecilia Kass é arquiteta e vive com o namorado Adrian Griffin, em uma
verdadeira mansão. O rapaz é um físico brilhante, especializado em óptica e
coordena projetos milionários na área
. Além disso, é lindo e sedutor, o que seria
uma definição perfeita para bom partido, não fosse seu comportamento
manipulador e abusivo para com a companheira.
   A muito custo, a moça consegue escapar e pedir refúgio na casa da irmã
mais nova e do melhor amigo.
No entanto, apesar da paz momentânea e da
liberdade, Cecília sente medo ao olhar para cada sombra, lembrando-se da
promessa de Adrian poucos dias antes.
Segundo suas palavras, ela jamais teria
paz e estaria sempre ligada a ele enquanto vivessem
   No entanto, parece que o juramento não dura muito. Uns dias após a fuga
da protagonista, é noticiado o falecimento de Adrian, o qual não teria
suportado o sumiço da namorada e cometido suicídio.


Amantes do Cinema | O Homem Invisível
Foto: Divulgação




   Cecília agora teria paz, pois estaria longe — literalmente — de seu abusador.
Porém, as coisas começam a ficar estranhas ao descobrir que ainda estaria
sempre ligada ao seu ex, por ser citada em um testamento como herdeira da
fortuna do cientista.
   A ideia de uma vida nova fica cada vez mais distante, pois as regras que
a moça precisa cumprir para legitimar seu direito à herança desafiam sua
sanidade mental. 
   Em especial quando ela afirma estar sendo perseguida pelo
fantasma do ex
, o qual parece não esquecer a obsessão nem depois de morto.
   Adrian teria de fato morrido? Ou seria um fantasma disposto a assombrar Cecília
até o fim de seus dias? Talvez o relacionamento dela teria sido o suficiente
para quebrar sua mente e ela agora estaria sofrendo alucinações?

 

Amantes do Cinema | O Homem Invisível
Foto: Divulgação



   “O Homem Invisível” é um romance clássico de Scifi, escrito por HG Wells. Publicado originalmente em 1897, ele
conta a história de um jovem cientista (Griffin) que chega na pacata cidade de
Iping, trazendo ideias inovadoras e um laboratório portátil. 
   No entanto,
diversos crimes acontecem na cidade, os quais não teriam explicação, a não ser
que o culpado fosse invisível.

O Homem Invisível | HG Wells
Foto: Divulgação




   A obra fez bastante sucesso na época, lançada tanto como narrativa no
rádio, quanto impressa, em versão de romance.
Embora tenha esse livro na
estante, ainda não li. Porém, pelo que pesquisei, o autor caminhou pelo lado do
humor e aproveitou para questionar alguns pontos da sociedade em que vivia.
   Em 1993 foi ao cinema uma adaptação do clássico, com uma história bem
semelhante à versão original. 
   Além disso, o personagem é citado como um dos
monstros originais, junto a personagens icônicos, como Drácula, Frankenstein e
a Múmia.


Amantes do Cinema | O Homem Invisível
Foto: Divulgação




   Agora, anos depois, a adaptação ganhou uma roupagem mais tecnológica e
beirando o terror psicológico. 
   Adrian Griffin deixa de ser o jovem visionário e
bem humorado para se tornar um homem poderoso financeira e psicologicamente.
O
que tem de rico, tem também de manipulador e trata todos à sua volta como meros
objetos.
   Dessa forma, tanto seu irmão mais novo quanto sua namorada são vítimas
de um relacionamento tóxico, o qual parece nunca ter fim. 
   Isso porque, mesmo de
longe, Adrian causa uma forte influência sobre as pessoas que diz amar (sqn), incitando
suas vítimas a continuarem fazendo o que ele quer.


Amantes do Cinema | O Homem Invisível
Foto: Divulgação




   Seu momento de paz e liberdade só vem quando os detetives lhe contam
sobre a morte do milionário. No entanto, coisas estranhas começam a acontecer à
volta da protagonista, que podem beirar a delírios de um evento de estresse
pós-traumático ou uma sexta-feira 13.
   Vendo as coisas pelo ponto de vista da moça, a dúvida permanece
constante.
Adrian poderia muito bem ter virado um fantasma que ainda não viu a
luz (ou fogo do inferno, fica a seu critério). 
   Ou forjou sua própria morte, a
fim de continuar manipulando a ex de toda forma. Ainda assim, pode ser tudo
fruto de uma mente quebrada após tempos de abuso e a moça precisa de anos de
terapia.
   Confesso que sou bastante medrosa em relação a fantasmas/assombrações, mas
essa era uma adaptação que eu queria muito ver, por se tratar de um clássico
repaginado.
   Apesar de saber das inúmeras diferenças, eu gostei dessa pegada mais
sombria e com um suspense intrigante.
A atriz que interpreta o papel da
protagonista é a mesma que trabalhou em ‘O Conto da Aia’ e eu estava curiosa
para saber como se sairia em um filme desse tipo.
   Achei que ela mandou bem no papel e cumpriu o objetivo de manter a
dúvida no ar. Porém, minha animação foi até a página 2. 

Amantes do Cinema | O Homem Invisível
Foto: Divulgação




   Fiquei o filme todo sem
saber se ela estava delirando ou de fato sendo assombrada. Me vi imersa na
trama e sofri junto com a personagem em diversos momentos.
Aliás, acho que toda
pessoa que já passou por um relacionamento abusivo vai se compadecer da moça e
entender pelo que ela passou.
  Cecília está plenamente convencida de que Adrian ainda a persegue, mesmo
que não tenha provas para tal. 
   Além disso, a forma como conta a história é tão
fantasiosa, que é mais fácil encaminhar a moça para um psiquiatra do que dar
crédito ao que ela diz.
   Disposta a provar que não está perdendo sua
sanidade, Cecília toma algumas atitudes que teriam dado mais certo se tivessem
sido melhor desenvolvidas. 
   O mistério central permanece por um bom tempo e
promete revelações surpreendentes. 
Porém, a maneira como isso é feito chega a ser decepcionante e
previsível. 
   O detetive responsável pelo caso é um banana e parece que só vai à
delegacia mesmo para bater ponto. 
   Além disso, me admira que ele seja o melhor
amigo da vítima e ninguém afastou o cara da investigação,
por conta da
parcialidade e envolvimento emocional.
   E precisam também dar umas aulas de CSI para esse povo, porque parece
que hierarquia não existe e a cena do crime é casa da mãe joana. 
   Todo mundo faz
o que quer e não tem uma alma viva para demonstrar autoridade policial de
maneira decente.
   Cecília, por sua vez, pode ser uma vítima traumatizada e com sanidade
testada.
Exatamente por isso, eu esperava uma mulher mais cautelosa e tentando
ser racional, mas faz todas as besteiras possíveis, típicas de um filme de
terror
e deve ter alguma imunidade a fantasmas, porque sai do perigo sem um
arranhão.
   Ainda, se mete em lugares onde não foi convidada (em assuntos também) e
ninguém impede essa criatura
. Teria perdoado se ela soubesse o que estava
fazendo, mas só me deixou nervosa e confirmou que os policiais dessa história
precisam urgentemente de um curso de reciclagem.
   O desfecho amarra as pontas de maneira crível e mantém o clima de dúvida
do filme todo
. O que teria sido ótimo, se eu já não estivesse com raiva da
protagonista e dos detetives. 
   Além disso, por mais aberto que fosse, senti
falta de certas resoluções ao longo da trama, as quais foram simplesmente
esquecidas.
Uma pena, pois a ideia era boa, só foi mal desenvolvida.
   Em resumo, é um filme bom para passar o tempo, mas se procura algo mais
assustador, recomendo outro filme.





   Já viram esse filme? E o livro ‘O Homem Invisível’, já leram? Me contem nos comentários. 














Obs.: Texto revisado por Emerson Silva
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui