12 de fevereiro de 2022

Artemis | Andy Weir

    Olá meu povo, como estamos? Hoje temos resenha de mais um
livro participante do projeto #12livrospara2022,
em parceria com os blogs MãeLiteratura
e Pacote Literário
   Para o mês de fevereiro, o tema era “Um Livro com Título
Único” e o mais votado por vocês foi ‘Artemis’, de Andy Weir.

Artemis | Andy Weir
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

7/24

Livro: Artemis 

Autor: Andy Weir 

Editora: Arqueiro 

Ano: 2019

Páginas: 304

Skoob | Amazon  



Jazz Bashara nunca desejou ser uma heroína. Na verdade, ela
é uma criminosa, uma pequena contrabandista. A vida em Artemis, a primeira e
única cidade na lua, é difícil se você não for um turista ou um empresário
rico, ainda mais se está com dívidas e seu trabalho mal cobre o aluguel. Por
isso, quando surge a oportunidade de ganhar uma enorme quantia cometendo o
crime perfeito, Jazz não consegue recusar. A questão é que esse delito é apenas
o começo de seus problemas, pois a fará cair no meio de uma conspiração pelo
controle de Artemis. Impulsionada pela narrativa sarcástica da protagonista,
ambientada em uma cidade imaginária, mas extremamente familiar, Artemis é outra
mistura irresistível de ciência, suspense e humor de Andy Weir, o autor de
‘Perdido em Marte’.





Artemis | Andy Weir



    Artemis é a realização de um sonho antigo da humanidade:
conseguir estabelecer uma colônia fora da Terra. 
    Localizada em uma pequena
parte da Lua, a cidade abriga uma população de moradores das mais diversas
nacionalidades e classes sociais, além de ser um destino bastante procurado
pelos turistas.
   Por conta desse tráfego constante de pessoas, mercadorias
ilegais passam junto com as bagagens, e é trabalho de Jazz Bashara receber os
pacotes e entregar para quem estiver disposto a pagar seu preço.         Devido sua forma peculiar de trabalho, a mocinha é a contrabandista mais famosa e
requisitada em Artemis. No entanto, viver só disso não paga todas as contas e
ela vive passando aperto no fim do mês.
   Quando Trond Landvik, um de seus clientes mais antigos, oferece-lhe
uma quantia exorbitante por um serviço escuso, ela nem pensa duas vezes antes de
aceitar. 
   Porém, o que parecia ser apenas um serviço corriqueiro se tornou um
imenso esquema de corrupção e conspiração, que pode custar vidas
inclusive
a dela.

 


Artemis | Andy Weir
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna 


   Tenho esse livro na estante desde 2019, quando encontrei na
Bienal do Livro
. Fui atraída pela capa simples e, ao mesmo tempo, elegante (me
julguem!
) e trouxe para casa. 
   Lembro que até minha mãe foi atraída pelo mesmo
motivo, simplesmente tomou da minha mão quando mostrei as compras do evento
(rsrsrs) e só me entregou depois que leu. 
   Ela, a pessoa que mais odeia scifi na face da Terra, disse que o
livro se resumia com um “Fantástico!”.
   Depois disso, fiquei bastante curiosa para conferir. Mas
2019 foi um ano muito cansativo para mim, não dei conta de quase nada e as
leituras ficaram em segundo plano. 
   Desde então, ele estava encalhado na
estante.
Pela segunda vez colocado em votação para o ‘12 Livros’, fiquei muito
feliz quando finalmente foi escolhido
(mas acho que leria de teimosa esse ano
mesmo, rsrs
).
  ‘Artemis’ é do mesmo autor de ‘Perdido em Marte’, que possui
adaptação para o cinema. No entanto, não sabia o que esperar do livro em si. 
   As
expectativas ficaram mais altas quando minha mãe curtiu o livro também. E elas foram alcançadas, pois concordo em dizer que ele é
fantástico… até a página 2.
   Para começar, a protagonista é totalmente fora do padrão:
baixinha, quase na casa dos 30, árabe, e de família muçulmana. Criada somente
pelo pai, ela é extremamente inteligente e tem um talento ímpar para engenharia. 
   Porém, como qualquer adolescente que acha que é o dono do mundo, Jazz e o pai
não tem uma relação muito boa e se afastaram. Suas escolhas a levam para uma
vida estável, porém não do jeito que ela gostaria.
   Aos poucos, vemos como Artemis funciona de dentro. Da Terra,
a conquista da Lua pode ser um avanço da ciência, mas visto lá de cima, as
coisas não são bem assim. 
   A colônia super avançada pode ser uma obra da Terra;
entretanto, não obedece a jurisdição de nenhum país, muito menos tem uma
constituição própria.
   Por isso, várias coisas são permitidas, contanto que não
causem incêndios
. Vendo nisso uma oportunidade, Jazz acaba fazendo seu nome
como contrabandista, tornando-se uma das melhores.
 
   A tecnologia pode ser
avançada para estabelecer um padrão de vida possível fora do planeta. Assim, é
notável o quanto podemos evoluir em conhecimento, só que certas coisas nunca
mudam, a não ser de endereço.

 

“É importante variar as palavras. Se você usa a mesma com
muita frequência ela perde a força.”

 

   Com seu humor sarcástico e inteligência sem igual, Jazz vai
ter que se virar nos 30 para sair da enrascada que se meteu quando aceitou o
trabalho oferecido por Trond Landvik. 
   É aqui que o scifi dá lugar ao thriller
com toques de noir,
que conheci há
pouco tempo, mas já me tornei fã. 
   A trama ficou muito bem amarrada, com começo,
meio e fim bem nítidos, sem deixar pontas soltas
.
   Como a trama se passa na Lua, muitas coisas que acontecem lá
seriam impossíveis de acontecer na Terra, já que temos o pequeno detalhe (sqn)
da gravidade. 
   O autor teve todo o cuidado de explicar conceitos de Física e
Química em uma narrativa tão simples e objetiva, que mais parecia conversa de
bar. 
   Até quem não tem muito tato para ciência, certamente não teria
dificuldades em entender os acontecimentos na cena, uma sacada genial e capaz
de manter a leitura rápida e com foco onde realmente devia.
   Outro fato que me chamou atenção foi a escolha criativa para
os personagens secundários. Desde o início já sabemos que tem pessoas de várias
nacionalidades na colônia. 
   Porém, achei interessante que, em momento algum, o
autor meteu os Estados Unidos na trama, como era de se esperar.


Artemis | Andy Weir
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna





   A NASA não teve vez aqui. Artemis foi idealizada por
iniciativa de um país não muito lembrado quando se fala de avanços
tecnológicos, Quênia. 
   Logo, quem faz as vezes de prefeita é Ngugi, uma mulher
negra e poderosa, com talento para Economia, Política e Ciência.
   Além disso, boa parte da história gira em torno da Alumínio
Sanchez, a única empresa que conseguiu pôr os pés em solo lunar. 
   Quem comanda o
monopólio é Loretta Sanchez, outra mulher poderosa, uma química fenomenal e
brasileira, natural de Manaus!
   Três mulheres extremamente inteligentes, de nacionalidades
muitas vezes esquecidas em livros
desse tipo e ainda em papéis de destaque. 
   Sei
que tudo é possível no mundo da literatura, mas uma combinação dessas, criada
pela mente de um autor estadunidense é de espantar qualquer um.
    Percebi também que ele explorou o lado ruim dos países, mas
a forma como fez isso foi impressionante. 
China, Brasil, Noruega, Suécia… todo país tem um lado
muito bonito e exemplar, e também tem um lado podre.
Todos podem aflorar quando
reunidos numa terra sem lei, como Artemis.

 

“Ei, se quiser segurança, não more na Lua.”

 

   Além disso, a narrativa em primeira pessoa, pelo ponto de
vista de Jazz, deixou a leitura mais fluida e até divertida em alguns momentos. 
   Ela e o pai tiveram suas faíscas, mas ainda são uma família.
Além disso, a vida se encarregou de ensinar umas lições para ela, mesmo bem
jovem. 
   O humor ácido é sua válvula de escape. O que parece irresponsabilidade e
rebeldia fora de hora é, na verdade, sua defesa.
   Mesmo que não sejam ações lá muito bonitas, é como ela
aprendeu a lidar com certas situações e a
deixa mais perto da realidade. 
   Isso
deu um toque especial na narrativa, que me fez torcer pela protagonista em alguns momentos.
   O desfecho, felizmente, é digno. Nenhuma
ponta ficou solta e tudo foi revelado no momento certo. 
   Com ‘Artemis’, eu
gargalhei, tive raiva e xinguei junto com a Jazz
(especialmente aprendi
palavrões novos, rsrs
). 
   Foi uma leitura rápida e impressionante, porém, todavia, entretanto, não posso deixar algumas coisas passarem batido. Eu gostei bastante da leitura? Gostei. 
   Mas me incomodei com algumas atitudes de Jazz, que deixavam claro os pensamentos machistas do autor aflorarem, disfarçados de piadas. Especialmente a parte em ela “dá um manual sobre como se vestir para ser uma puta”. 
   Vi alguns comentários também falando sobre o nome da personagem brasileira, que soava como uma gafe. 
   Sinceramente, nesse ponto eu não sei se concordo, pois conheço várias pessoas que tem nome estrangeiro e são meus vizinhos, nascidos e criados no Rio de Janeiro. O meu próprio nome não é nacional. 
   Então, ter uma personagem brasileira chamada Loretta Sanchez não me foi um espanto. Porém, concordo que, um leitor de fora daqui vai achar que todos nós temos sobrenome que lembrem qualquer país, menos o próprio Brasil.
   Além disso, o autor começa com uma “máfia latina”, e no parágrafo seguinte me joga que o povo “vem do Brasil”, como se a América Latina se resumisse unica e exclusivamente ao Brasil.
   Depois de tanta coisa que já passamos, é incômodo ver que ainda somos jogados todos num balaio de gatos e o autor não teve o mínimo de pesquisa sobre o país que queria colocar na trama. 
   Falando sobre o livro em si, a edição é simples, porém
decente
. Tem uma diagramação objetiva, sem muitas firulas e uma fonte legível. 
    A revisão está perfeita, assim como a impressão, em papel pólen o
meu queridinho. A capa, como falei no início, é simples, porém elegante.


Artemis | Andy Weir
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna





    O título e o nome do autor estão em destaque com
fonte prata, e a Lua no centro tem uma textura interessante, parecendo que
estamos alisando uma rocha mesmo. 
   Resumindo, ‘Artemis’ é uma leitura fantástica, se considerar apenas o scifi. Mas não espere algo além disso. 







    E o andamento do projeto para 2022 está assim: 


12 livros para 2022 | Fevereiro






Já tinham lido algum livro do autor? E o filme ‘Perdido em Marte’, já viram? Me contem aí! 















Obs. Texto revisado por Emerson Silva
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui