27 de abril de 2019

Bookhaul – Abril

   Olá meu povo, como estamos? Estamos praticamente no fim do mês e agora vou mostrar minhas últimas aquisições literárias. Tem livros que comprei, ganhei de presente e que recebi em parceria com autores nacionais.

Livraria da Travessa
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

Bookhaul do mês

1. Deixada para trás

Autor: Charlie Donlea

Editora: Faro Editorial

Ano: 2017

Páginas: 368

Adicionar ao Skoob







Deixada para trás
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna




Nicole Cutty e Megan McDonald são alunas do ensino médio na pequena cidade de Emerson Bay, Carolina do Norte. Quando elas desaparecem de uma festa na praia em uma noite quente de verão, a polícia inicia uma busca maciça. Nenhuma pista é encontrada e a esperança é quase perdida, até Megan milagrosamente aparecer depois de escapar de um bunker no fundo da floresta.Um ano depois, o best-seller de sua provação transformou Megan de heróina local para celebridade nacional. É uma história triunfante e inspiradora, exceto por um detalhe inconveniente: Nicole ainda está desaparecida.A irmã mais velha de Nicole, Livia, é uma perita forense e espera que em um breve dia o corpo de Nicole seja encontrado e entregue a alguém como ela para analisar as provas e finalmente determinar o destino que sua irmã teve. Em vez disso, a primeira pista para o desaparecimento de Nicole vem de outro corpo que aparece no necrotério, de um jovem ligado ao passado de Nicole. Livia vai até Megan para pedir ajuda, esperando descobrir mais sobre a noite em que as duas foram levadas. Outras meninas também desapareceram e Livia está cada vez mais certa de que os casos estão conectados.Mas Megan sabe mais do que ela revelou em seu livro best-seller. Flashes de memória estão se juntando, apontando para algo mais escuro e mais monstruoso do que sua memória descreve. E quanto mais ela e Livia cavam, mais elas percebem que às vezes o verdadeiro terror está em encontrar exatamente o que você está procurando.




2. Avenida Paulista, 22

Autor: Anderson Borges Costa

Editora: Giostri

Ano: 2019

Páginas: 179

Avenida Paulista, 22
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

Em apenas algumas horas de um dia, que é, ao mesmo tempo, 6 de abril de 1922 e 10 de abril de 2022, o garoto Osvaldo percorre 100 anos de transformações políticas, culturais e arquitetônicas de um país e uma cidade que se formam e se reformam dentro da principal avenida de São Paulo.“Avenida Paulista, 22” é um romance de ficção que dialoga de perto com a História do Brasil. Narra a trajetória de Osvaldo, um adolescente que entende muito de matemática e de física, nascido no início do século XX e que mora na avenida Paulista. A primeira parte do romance (“Avenida Paulista, 1922”) se passa no ano de 1922, quando Osvaldo tem 16 anos. A curiosidade e a inteligência o aproximam do severo professor Celso, que lhe dá aula de matemática no Grupo Escolar Rodrigues Alves, escola estadual que funciona até hoje na avenida. O jovem Osvaldo, fazendo associações matemáticas e físicas estimuladas pela descoberta de seu amor pela vizinha Joana, sem saber, comprova, através da trigonometria, a existência de um ponto móvel, que está sendo estudado no Brasil pelo professor Celso e na Alemanha pelo vencedor do Prêmio Nobel de Física, o famoso cientista Albert Einstein. O tal ponto móvel, cuja ocorrência se dá a cada 274 anos em algum local do planeta Terra, atingirá seu ápice na avenida Paulista, justamente no dia 6 de abril de 1922, às 17h13, dia no qual se passa a primeira parte do livro. O pano de fundo desta parte é o contexto histórico do momento, com a poderosa indústria do café em São Paulo, a Primeira Guerra Mundial e a Semana de Arte Moderna. Os estudos do Einstein, do professor Celso e do Osvaldo sugerem a possibilidade de que um corpo, ao passar sobre o ponto móvel em um veículo a uma velocidade superior a 102 km por hora,  pode ser deslocado no tempo. Caso ninguém aproveite a passagem do ponto móvel pela avenida Paulista em 1922, nova oportunidade só aparecerá 274 anos depois.A segunda parte do romance  (“Avenida Paulista, 2022”) se passa no ano de 2022 na mesma avenida Paulista, para onde Osvaldo se desloca após cruzar o ponto móvel em 1922. Mistério, paixão, traição e suspense temperam este romance. Os 100 anos da Semana de Arte Moderna e os 200 anos da Independência do Brasil são lembrados na segunda parte do livro, que acentua os contrastes e as transformações pelas quais a avenida Paulista (metáfora de São Paulo e do Brasil) passa da noite para o dia (ou seja, de 1922 para 2022).“Avenida Paulista, 22” é um livro instigante e voltado para um público tanto jovem como adulto. A passagem do tempo como um furacão e as transformações decorrentes de sua passagem deixam cicatrizes na vida do jovem Osvaldo, que salta uma centena de anos na avenida Paulista, entrando no século XXI como um alienígena que acaba de pousar na Terra. Será possível, neste romance, explorar a efeméride do ano 2022, no qual os 100 anos da Semana de Arte Moderna e os 200 anos da Independência do Brasil serão comemorados.




 

   Esse livro foi na verdade um presente que o autor deu para o blog. Ele entrou em contato conosco, avisando que havia publicado o livro físico do livro e queria presentear o blog com um exemplar autografado. Claro que fiquei imensamente feliz com o presente. 😍


3. O construtor de pontes

Autor: Markus Zusak

Editora: Intrínseca

Ano: 2019

Páginas: 528

Adicionar ao Skoob






O construtor de pontes
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna






Se em A menina que roubava livros é a morte quem conta a história, em O construtor de pontes, novo romance de Markus Zusak, presente e passado se fundem na voz de outro narrador igualmente potente: Matthew, o filho mais velho da família Dunbar. Sentado na cozinha de casa diante de uma máquina de escrever antiga, ele precisa nos contar sobre um dos seus quatro irmãos, Clay. Tudo aconteceu com ele. Todos mudaram por causa dele. Anos antes, os cinco garotos haviam sido abandonados pelo pai sem qualquer explicação. No entanto, em uma tarde ensolarada e abafada o patriarca retorna com um pedido inusitado: precisa de ajuda para construir uma ponte. Escorraçado pelos jovens e por Aquiles, a mula de estimação da família, o homem vai embora novamente, mas deixa seu endereço num pedaço de papel. Acontece que havia um traidor entre eles: Clay. É Clay, então, quem parte para a cidade do pai, e os dois, juntos, se dedicam ao projeto mais ambicioso e grandioso de suas vidas: uma ponte feita de pedras e também de lembranças — lembranças da mãe, do pai, dos irmãos e dele mesmo, do garoto que foi um dia, antes de tudo mudar. O tempo, assim como o rio sob a ponte, tem uma força avassaladora, capaz de destruir, mas também de construir novos caminhos. O construtor de pontes narra a jornada de uma família marcada pela culpa e pela morte. Com uma linguagem poética e inventiva, Markus Zusak nos presenteia mais uma vez com uma história inesquecível, uma trama arrebatadora sobre o amor e o perdão em tempos de caos.







   Já queria esse livro há um tempão, pois amo a escrita do autor. Pense na minha felicidade quando meu namorado chegou com o livro, junto do ovo de Páscoa! 😍


4. Angellore – Prenúncio

Autora: Gabrielle Ruas

Editora: Independente

Ano: 2018

Páginas: 448

Adicionar ao Skoob





Angellore-Prenúncio
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna


Enfim, Sophie descobriu o segredo guardado em sua alma, e ele envolve a localização da adaga Perdão Divino – o artefato mais desejado por Lúcifer. No desenrolar dos embates contra Zharon na livraria Cultura & Arte, os angellores não apenas venceram o lorde, como também se apoderaram da arma. Agora, restava-lhes definir que trilhas seguir para impedir a guerra vindoura e, desse modo, concluir sua missão na Terra. O que o grupo não imaginava, porém, era que um revés mudaria tudo: após um contra-ataque impensável, a Conspiração consegue reaver a peça-chave para a realização de seus propósitos.Perante a gravidade das circunstâncias, Shamazel retorna a Äelysio, mesmo encabeçan-do a lista de fugitivos procurados pelo reino, a fim de convergir o apoio de Rhagel. Mal sabia que, ao tomar tal decisão, embarcaria na mais desafiadora empreitada de sua vida. Igualmente encurralado, Kan precisa ignorar os riscos de sua condição como desertor para se infiltrar no submundo belo-horizontino e, por meio disso, reunir pistas dos conspiradores, ao mesmo tempo que encara os próprios demônios para libertar a segunda etapa da Extirpadora.






  Esse é o terceiro volume do livro que estamos lendo em parceria com a Gabi Ruas, parceirinha do blog já há algum tempo. Estou ansiosa para acompanhar a continuação da história que me conquistou tanto.
  Obs. Achei um amorzinho o mimo que a própria autora fez questão de fazer para enviar junto com o livro. Conheçam a Olívia Giacomelli, a investigadora da Polícia Civil que cruza os caminhos com nossa mocinha Sophie nos livros:

Angellore-Prenúncio
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

5. Dona Josefa

Autora: Ana Luisa Escorel

Editora: Ouro sobre azul

Ano: 2019

Páginas: 187

Em 1842 uma rebelião contra a política do ministério conservador de Pedro II, estourando na Província de São Paulo, se irradiou para Minas Gerais onde, por cerca de sessenta dias, os rebeldes enfrentaram o exército do barão de Caxias que veio a derrotá-los, como já havia feito com os paulistas três meses antes. O movimento ficaria conhecido como Revolução Liberal de 1842 e uma de suas figuras principais em Minas foi Josefa Carneiro de Mendonça, de família influente, dona de terras e de escravos, que assumiu  a liderança da luta no Araxá e no oeste da Província aos 60 anos de idade, planejando golpes, aliciando, armando combatentes e dando todo o tipo de suporte aos revoltosos.Presa, passou quase três meses em uma solitária úmida e escura, foi julgada e inocentada graças à habilidade de seu defensor que fez convergir  para um dos filhos – chefe revolucionário também – todas as acusações atribuídas a ela.Sobre Josefa pouco se conhece além das raízes familiares, da descendência numerosa e da mudança para Petrópolis com a família depois da derrota liberal em Minas.É essa história que o romance Dona Josefa recria e reinventa valendo-se de toda a liberdade que a imaginação literária permite.

   Esse livro eu recebi em forma de presente, pela própria autora, a Ana Luisa. Ela lançou o livro e quis enviar um exemplar de presente para o blog. Chegou há poucos dias aqui em casa e, claro, não poderia ficar de fora dessa lista. 😉 Estou doida para ler esse livro. E edição é linda, em capa dura e bem levinha. 
  E aí, já leram algum desses livros? Qual desses vocês querem resenha por aqui?
   Até mais!

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui