24 de março de 2022

Crônicas de Asvir | Michelle Marion

    Olá meu povo, como estamos? Hoje trago a resenha de
‘Crônicas de Asvir’, mais um livro nacional da autora Michelle Marion, que
conheci há pouco tempo
.

Crônicas de Asvir | Michelle Marion
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

Obs.: Livro digital cedido gentilmente pela autora e pela F.S.
Assessoria Literária


16/24
Livro: Cônicas de Asvir 
Autora: Michelle Marion 
Editora: Independente (Amazon)
Ano: 2021
Páginas: 291

Skoob | Compre na Amazon 

Tudo começa do outro lado da nossa galáxia, no planeta
Asvir, onde o jovem Killian viaja à procura de respostas após receber uma carta
enigmática de sua mãe que está desaparecida há anos. Junto ao seu fiel
companheiro de quatro patas, Fried, vivem situações inesperadas quando
descobrem que uma grande ameaça do passado pode ter retornado.

Crônicas de Asvir | Michelle Marion

   Killian é um menino diferente, de cabelos azuis e olhos
verdes enigmáticos
. Sua mãe, Khalissa, o deixou na Terra ainda pequeno, com a
promessa de que o buscaria em pouco tempo
, porém nunca retornou.
   Embora tenha sido criado com muito carinho pelos tios
humanos, ele nutre a esperança de encontrar seus pais biológicos novamente. 
   Agora, no auge de seus 20 anos, parte para Asvir, seu planeta natal, em busca
de respostas
.

 

   Esse livro não estaria no meu radar se não fosse pela F.S.
Assessoria Literária. 
  Meu primeiro contato não foi como o esperado, demorei um
pouco a me conectar e pensei seriamente em abandonar a leitura, pois criei a
ideia de um scifi mais voltado para o
público adulto e não encontrei.
  Depois de uns dias afastada, dei uma segunda chance e
recomecei a leitura
. Dessa vez, sem criar expectativas e abrindo a mente para
uma leitura mais leve e juvenil. 
  A experiência fluiu de uma maneira
impressionante.
  Killian veio para a Terra ainda pequeno, com Khalissa. Ela
era uma mãe amorosa
e sempre dizia que seu pai tinha coisas a resolver em casa,
mas logo voltaria para buscá-los. 
   Porém, pouco tempo depois, teve que viajar às
pressas, alegando a necessidade de resolver novos problemas, deixando a criança
para trás.


“E a partir daquele dia nada mais seria o mesmo para nenhum deles.”



   O menino viveu praticamente sozinho em um planeta estranho e
hostil que, apesar de lhe conferir certas vantagens em relação aos seus
poderes, suas características nada convencionais não o faziam ser bem aceito
pelas outras crianças.
   Mesmo que seus tios tentassem mudar a situação, Killian
ficava isolado em um canto, só esperando o dia acabar para poder ir dormir e sonhar
com o tempo em que seus pais voltariam
, de fato, para cumprir a promessa.
   A única companhia que lhe alegrava era Fried, um filhote de
narkel
, o qual poderia ser facilmente confundido com um husky siberiano, a não ser pela capacidade de fala
   Achei muito
bonitinha a construção desses dois
, diga-se de passagem. Primeiro por Fried ser
um cachorro bem fofo à primeira vista, já que se comporta feito um.
   Ele é leal ao Killian, está ao seu lado em todos os momentos
e sempre tenta animar o rapaz, nem que seja com um olhar pidão
  O menino, por
sua vez, sofre de ansiedade e sabe muito bem o que é ser excluído pelo simples
fato de não se encaixar em um padrão.
  Agora, já crescidos e cansados de não terem notícias sobre a
família biológica de Killian, a dupla parte rumo a Asvir, para saber o que realmente
aconteceu e porque ficaram para trás. 
  A única pista que eles têm é uma carta de
Khalissa, com um enigma antigo, o qual só poderia ser decifrado em seu planeta
natal. 
  Mas eles logo percebem que desvendar o código não será nada fácil, especialmente
se estiverem sozinhos.
   No meio do caminho, conhecem o androide Sightor e Idessa,
uma menina que tem o dom de dominar o gelo. 
  Apesar de suas habilidades
incríveis, eles também são excluídos e hostilizados por onde passam.   
  O que não
é muito diferente do que Killian e Fried vivem o tempo todo (ou quase todo).
  Logo, esses quatro formam um grupo inimaginável. Eles se
unem pelos motivos que a sociedade os afasta. 
   A relação de amizade aqui é
semelhante ao descrito em ‘O Mágico de Oz’, onde personagens tidos como fracos
eram mais fortes quando estavam unidos.


“O androide, que uma vez ficou solitário na cidade de Vector, ficou sentado vigiando seus companheiros, imaginando o que acontecia quando as pessoas dormiam.” 



   Apesar da semelhança com o clássico em um primeiro momento,
é possível notar a identidade de ‘Crônicas de Asvir’. 
  Isso porque a autora
lidou com temas bem pertinentes e atuais, com toques de fofura e leveza na
medida certa, sem deixar que a trama perca o foco do tema principal.
  Além disso, Asvir não está em seus melhores dias. O planeta
está passando por momentos de conflito e tudo parece girar em torno de uma
conspiração envolvendo a família de Killian.
  Aos poucos, vamos conhecendo seus parentes, assim como
alguns segredos do passado, que só vão entrelaçando novos enigmas mais
sombrios. Pontas são amarradas à medida que surgem novas dúvidas.  
  E Killian
percebe que mal conhece a própria história.
  Quem lhe ajuda em um primeiro momento é o tio Will, uma
pessoa bem complicada de lidar.
Ele é orgulhoso, metido a sabichão e não leva
desaforo para casa. 
  Logo, os primeiros contatos não são muito amigáveis.
  A única pessoa que parece lhe entender é Hanari, uma mulher
bastante enigmática e de cultura semelhante à japonesa. 
  Não sei porque, mas ao
ler sobre ela, me lembrei logo da lenda da raposa de nove caudas. Não sei se a
inspiração foi mesmo essa, mas gostei.
  Will e Hanari tem a missão de cuidar dos jovens recém-chegados
e protegê-los, até que seja possível encontrar os pais de Killian, supondo que
estejam mesmo vivos, o que permanece um grande mistério.    Em todo caso, devem
estar preparados para qualquer ameaça que surgir no caminho.
  Killian e Idessa precisam treinar e descobrir até onde vão
suas habilidades. Além disso, estão aprendendo sobre coisas da vida, como o
poder do respeito, compreensão e amizade
, que nunca tiveram o prazer de
desfrutar antes. 
  Sightor e Fried, por sua vez, mantêm o clima de leveza no ar, com
momentos cômicos, fofos e acendendo a luzinha no fim do túnel em diversos
momentos.
  Assim, todos vão aprendendo e amadurecendo juntos, conforme
descobrem seus pontos fortes e lidam com suas fraquezas. 
  Ainda, dá espaço para
um assunto interessante, em especial sobre o que é ser família
. Aqui, vemos que
ela não precisa ser perfeita, nem de laços sanguíneos, mas de amor.
 Com cenas bem descritas, detalhadas na medida certa e uma
escrita bastante fluida, fui facilmente levada para Asvir e me senti perto dos
personagens, aprendendo as lições e desvendando segredos junto com eles. 
  Também, as peculiaridades deles, especial no contexto sociológico, é bastante
semelhante ao que ocorre na Terra em dias atuais.
  Então, dá bastante brecha para reflexão, além de uns tapas
na cara com luva de pelica
, pois mostra que preconceito só muda de endereço e
estará presente em qualquer planeta que tenha uma sociedade formada,
infelizmente.
  O desfecho é aberto e digno. Apesar de amarrar algumas
pontas, várias dúvidas ficaram no ar, dando a entender que teremos continuação
  Nem preciso dizer que estou curiosa e quero saber mais sobre Asvir e o papel de
Killian em tudo isso.
  Falando sobre o livro em si, ele só existe em formato
digital. A versão que peguei tem alguns probleminhas de revisão, mas creio que
as mais recentes já tenham isso resolvido. A fonte é legível e a diagramação
bem simples.
  Os capítulos são curtos, com uma narrativa em terceira
pessoa. Assim, a leitura se mostrou bem levinha e rápida, dando um contexto
mais geral ao longo dos acontecimentos. 
  Além disso, quando olhei para a obra
pela segunda vez, sem expectativas e tendo em mente que era para um público
mais juvenil, a experiência foi bastante positiva,
em especial pela forma como
algumas questões foram respondidas.
  Assim, ‘Crônicas de Asvir’ é uma
leitura que trata de assuntos pertinentes com bastante delicadeza, porém sem perder
a seriedade e nem o foco.
  E é, também, uma alternativa interessante,
especialmente se acabou de sair de uma leitura mais pesada e precisa de algo
mais levinho para alternar.

 

   Já conheciam as obras da autora? E deram uma segunda chance para alguma leitura que não alcançou as expectativas na primeira vez? Me contem aí! 

Obs. Texto revisado por Emerson Silva
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui