14 de março de 2023

De Olho Nela | Kate Stayman-London

 Olá meu povo, como estamos? Hoje eu trago a resenha do romance ‘De Olho Nela’, escrito por Kate Stayman-London e que promete dividir opiniões.

 

De Olho Nela | Kate Stayman-London
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

13/60
Livro: De Olho Nela
Autora: Kate Stayman-London
Tradução: Alexandre Boide
Editora: Paralela
Páginas: 384
Ano: 2021
Skoob | Compre na Amazon
 
 
 

 

“Uma leitura viciante, incrivelmente esperta… uma estreia extraordinária” ― Jasmine Guillory, autora best-seller do ‘New York Times’.

Bea Schumacher é uma blogueira de moda plus size que tem amigos maravilhosos, uma família dedicada, uma legião de seguidores… e um coração partido. Para se distrair, toda semana ela acompanha o viciante reality show ‘É pra casar’, em que uma pessoa busca o amor verdadeiro entre vinte belos pretendentes.

Justo quando Bea desiste de vez de procurar pelo amor, ela recebe uma proposta intrigante: ‘É pra casar’ quer que ela seja a próxima estrela do programa. Bea concorda, mas com uma condição: ela não vai se apaixonar de jeito nenhum. O que ela quer é dar mais visibilidade para sua carreira e para outras mulheres plus size, inspirando pessoas no país inteiro a se aceitarem.

Mas, quando as câmeras começam a rodar, ela percebe que as coisas serão mais complicadas do que ela esperava… Em uma narrativa montada a partir de tweets, roteiros e blogs de fofocas, Kate Stayman London nos convida a mergulhar no mundo incrivelmente real de Bea.

 

 
 
 
 

 

De Olho Nela | Kate Stayman-London

 

 
 
Bea Schumacher é uma blogueira de moda plus size. Seus posts nas redes sociais chamam bastante atenção, especialmente por sempre passar a confiança de uma mulher empoderada. Ela sempre provava de todas as maneiras que qualquer pessoa pode se vestir bem, independente do tipo de corpo que possua.
Embora sua fama seja considerável, parece que está para crescer ainda mais, depois de alguns comentários no Twitter a respeito do reality ‘É Pra Casar’. Posts esses que viralizaram, envolvendo opiniões fortes sobre como as pessoas são escolhidas a dedo, estereotipadas e o programa preconceituoso indiretamente. Apesar de já estar acostumada com a repercussão de seu conteúdo na internet, a moça só não esperava ser convidada a ser protagonista da próxima edição.
A ideia a princípio é boa. Afinal, seria sua chance de mostrar para o mundo que qualquer pessoa pode se casar, mesmo que não tenha o corpo padrão. Mas será que ela está preparada para o matrimônio?

 

“Você será alguém que todo mundo precisa ver.”

 

Esse livro jamais passaria pelo meu radar se não fosse pelo Clubinho da PJ (Pequena Jornalista). Mesmo que as participantes do grupo tivessem falado muito bem, tentei ler sem criar grandes expectativas, para evitar decepções.
Narrada em terceira pessoa, vemos a história pelo ângulo da protagonista, mas também da mídia que a acompanha desde antes do reality. Bea é uma mulher linda e poderosa, que ganhou o mundo após a faculdade de moda ter lhe aberto os horizontes sobre si mesma.
 
 
 
De Olho Nela | Kate Stayman-London
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
No intuito de dividir suas experiências com outras pessoas que também não são o corpo padrão que a sociedade pede, a moça se tornou reconhecida por ter seguidoras iguais a ela. Ou seja, só queriam ser felizes e não correr atrás de uma dieta milagrosa para se encaixar em um padrão. Com milhares de seguidores nas redes e um blog repleto de comentários, ela é muito boa no que faz e ama seu trabalho.
No entanto, nem apenas de moda fala uma blogueira. Como uma super fã de ‘É Pra Casar’, o reality mais famoso dos Estados Unidos atualmente, a moça solta diversos comentários no Twitter a respeito dos participantes. Seus comentários são bastante pertinentes, de modo especial em relação ao fato de só aparecerem pessoas de corpo perfeito e com ideias bem nada a ver sobre amor e vida a dois.
Embora fosse apenas um divertimento ao compartilhar ideias com seus leitores, Bea jamais imaginou que tais opiniões tomariam uma proporção tão grande. De um dia para o outro, seus posts viralizaram e entraram para as trends dos mais lidos na semana.  
O movimento em relação ao assunto foi tão intenso, especialmente no final da temporada, que logo tiveram mudanças drásticas na produção. A começar pelos burburinhos sobre a blogueira ser a pessoa mais cotada para a próxima edição. 
A visibilidade seria ótima para Bea. Afinal, seria sua oportunidade de mostrar para o mundo o que sempre pensou: não são apenas pessoas de corpo perfeito que tem direito a finais felizes. Além disso, uma oportunidade como essa não virá de novo nem em um milhão de anos!

 

“Para uma mulher gorda, ficar sob os holofotes não é exatamente um passeio no parque.”

 

Só teria um problema: a proposta do reality, como o próprio nome já diz, é se casar no final. Contudo, não é algo que esteja nos planos de curto prazo da mocinha. Sendo assim, estaria fora de cogitação se apaixonar por quaisquer que fossem os pretendentes selecionados. A condição, embora contraditória, soa plausível para a produtora Lauren. Afinal, tudo em nome do show bussiness, mesmo que seja uma propaganda enganosa para os telespectadores.
Confesso que, apesar de ter ficado incomodada com essa proposta de vender algo mentiroso na TV, entendi os motivos da protagonista. Além disso, eu gostei da Bea logo de cara, por ser gente como a gente. Ela é sempre cercada por uma família unida e amigos maravilhosos, os quais estão sempre presentes.
 
 
 
De Olho Nela | Kate Stayman-London
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Porém, mesmo que seja uma pessoa poderosa e segura de si diante do público, pude ver um lado mais íntimo da personagem. O que até explica um pouco de seu receio em se deixar apaixonar diante das câmeras. Vivemos em um mundo doente, isso é um fato. Logo, pessoas que se sentem felizes com seu próprio corpo não são bem aceitas.
O preconceito sempre rola solto, mesmo que por trás de “tentativas de ajuda” desnecessárias. Assim, me identifiquei com diversos comentários que a moça recebia em suas redes sociais. Diversas pessoas “esclarecidas” indicavam dietas fantásticas e capazes de fazê-la perder uns quilos para ser mais bonita. Homens se diziam enojados por ficarem perto e sequer cogitavam beijar uma mulher gorda, como se fosse algo contagioso.
Óbvio que eu não sei as dores que Bea sentia ao ler esses comentários. Afinal, cada pessoa sabe os limites das dores que sente. Mas acho que posso entender o mais próximo disso ao me lembrar que ouvia coisas parecidas quando era criança/adolescente. De que “nossa, Hanna precisa emagrecer, está muito gorda”, ou “nenhum homem vai te querer assim, feia e gorda” ou mesmo “fulaninha fez a dieta xyz e está com o corpo lindo. Por que você não tenta?”. Fora os apelidos ofensivos e desnecessários que tinha na escola, que sempre me faziam voltar
chorando para casa e me tornar cada vez mais fechada.
Engraçado que ainda hoje, depois de adulta e mais magra (o que foi perfeitamente natural, por conta do meu metabolismo), os comentários são sempre a respeito de “o quanto sou magra demais e que isso é sinal de que não me
alimento direito”, que “eu deveria engordar um pouco para ter um corpo mais bonito e padrão”, ou mesmo “uma série de exercícios capazes de me deixar com um ar mais saudável”. Mas ninguém me perguntou se de fato eu pedi tais opiniões. O mesmo se aplica à Bea.

 

“[…] mas todo mundo que já esteve no centro das atenções sabe como é complicado. As pessoas projetam as inseguranças em você.”

 

Vendo a forma como ela lidava com tais comentários me levou a essas lembranças do meu passado e as respostas que eu queria dar para os intrometidos na época. Ainda mais vendo a forma como seus ex a tratavam.
Sinceramente, quando o último sumiu e não deu mais notícias, minha vontade era de gritar bem alto: já vai tarde! Mas Bea é uma pessoa como qualquer outra. Então é normal se sentir insegura de vez em quando e só querer ficar na zona de conforto, nem que seja algo doloroso.
Ainda bem que sempre existe uma amiga nessas horas para abrir os olhos da moça e falar umas verdades que me coçavam na língua. Alguém precisava dizer para essa criatura acordar e sacudir a poeira em relação a esse embuste.
   Amiga essa que foi um dos grandes motivos para convencer Bea a pelo
menos tentar participar do reality.
Afinal, seria a sua grande chance de aparecer na TV para milhões de pessoas, ganhar mais fama e mais seguidores. Além de conhecer diversos outros homens e fazer a fila andar de uma vez. O que, a muito custo, a moça aceita.
Embora a blogueira não pudesse mais acessar seus contatos via internet, a não ser por autorização da produção, os leitores acompanhavam os burburinhos sobre a escolha da nova estrela do reallity. O que foi bom, pois além de mostrar como o público reagia aos acontecimentos do programa, deixava a leitura dos capítulos mais rápida e dinâmica. Isso ajudou bastante, especialmente por serem capítulos bem longos, que o Kindle estimava cerca de 1h para conclusão de cada um.
Com o desenrolar dos episódios, o leitor viaja junto com a equipe ao redor do mundo para gravar nos locais mais românticos conhecidos. Porém, isso não me impediu de passar raiva em diversos momentos com os tais pretendentes.
Nessas horas eu só queria pegar o primeiro voo, para chegar lá no set de filmagens e jogar esses caras ao mar. Isso sim seria um favor para a humanidade! Sinceramente não sei quem seria a pessoa besta o suficiente para se envolver com cada ser grotesco e nojento como eles. E pior que ainda se sentiam a última bolacha do pacote, no direito de exigir coisas, sendo que a comandante era a Bea!

 

“A vida não é um conto de fadas, nem mesmo em um programa criado para ser um.”

 

Mas olhando bem de perto, infelizmente não é uma situação muito longe da realidade (o que é bem triste, por sinal). Não importava se ela fosse gorda, magra, alta, baixa, sempre iam arranjar um motivo idiota para caçoar dela e disfarçar a baixa autoestima deles mesmos. Me lembrou também de porque eu detesto reality.
O clima tóxico e denso se mantém ao longo de boa parte do livro, tornando a experiência complicada em diversos momentos. Mas nem por isso eu deixei de torcer pela felicidade de Bea. Ao longo da leitura eu sorri, senti raiva, queria abraçar e também dar uns sacodes. Porém, jamais desisti de que ela tivesse um final decente.
Em meio a grandes problemas com umas pessoas sem noção, a protagonista amadureceu um bocado, especialmente em relação à sua autoestima. Algo que valorizei bastante durante a leitura. Ainda, nem só de pessoas esquisitas era feito o reality. De modo especial quando alguns personagens marcantes começaram a ter mais presença nos bastidores e no próprio palco.
 
 
De Olho Nela | Kate Stayman-London
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
A família da protagonista também se tornou ainda mais unida. Gostei bastante por ver que não entraram nessa só pela fama, mas pela Bea, a quem tanto amam. Eu gargalhei com diversas ideias absurdas dos irmãos da moça, em especial para se vingar dos embustes que caçoavam dela nos primeiros episódios. E sinceramente, ainda achei foi pouco!
Contudo, o mais importante foi ver a blogueira crescendo e aprendendo mais sobre si mesma do que jamais veria apenas na vida real. Alguns pretendentes eram interessantes, o que refletia nas novas escolhas de Bea. 
Conforme os rapazes iam passando as etapas e se mostravam, eu ficava mais apaixonada e já sofrendo por antecedência, ciente de que apenas um seria o vencedor. Mas nem por isso deixamos de ter surpresas. Afinal, ainda era um programa de entretenimento e se não tiver reviravoltas, não tem audiência.
Eu compartilhei da revolta da moça em diversos momentos, pois achei que forçaram muito a barra para fazer algo que os fãs queriam. Mas ninguém se perguntou se seria confortável para a mais interessada. 
No lugar dela, já teria arranjado diversos motivos para me mandar do set no primeiro voo. Porém a protagonista foi bem mais corajosa e me surpreendeu, entrando no jogo e saindo das situaçõesde uma maneira espetacular.

 

“’Bea’, Julia falou em um tom gentil, ‘o que você quer na verdade? É uma pergunta tão assustadora assim?’”

 

O desfecho, por sua vez, foi digno de me fazer aplaudir de pé. Gostei do destino de cada personagem, especialmente alguns secundários que tiveram o que mereciam (sim, esse livro me deixou vingativa). 
 
 
 
De Olho Nela | Kate Stayman-London
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Contudo, ainda teve espaço para me fazer dar gargalhadas, ficar com os olhos marejados e com um quentinho no coração. Além de um programa de TV, foi também um espaço para aprendizado e respeito tanto pelo lado de Bea quanto dos rapazes legais.
Falando sobre o livro em si, li em versão digital. Então, posso dizer que a diagramação está bonita, com uma fonte legível e confortável. A capa é simples, porém elegante, com a própria protagonista aparecendo em destaque, em tons de rosa e azul. Em resumo, é um livro que me surpreendeu bastante e indico, especialmente se curte essa vibe de redes sociais e realitys

 

 
 
 
  Já leram esse livro, ou algum outro da autora? Curtem essa vibe de reallity nos livros? Me contem aí!
 
 
Texto revisado por Emerson Silva
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Ghostwriter | Alessandra Torre

Li até a página 100 e… #51: Ghostwriter

Olá meu povo, como estamos? Uma de minhas leituras […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

One Comment

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui