7 de março de 2023

Entre Quatro Paredes | B. A. Paris

Olá meu povo, como estamos? Hoje temos resenha de ‘Entre Quatro Paredes’, um thriller psicológico que me tirou totalmente dos trilhos e ainda estou tentando assimilar.
  
Entre Quatro Paredes | B. A. Paris
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

ALERTA: Pode conter gatilhos de encarceramento 

12/60
Livro: Entre Quatro Paredes
Autora: B. A. Paris
Tradução: Roberto Muggiati
Editora: Record
Ano: 2017
Páginas: 264
Skoob Compre na Amazon 

 

Grace é a esposa perfeita.

Ela abriu mão do emprego para se dedicar ao marido e à casa. Agora prepara jantares maravilhosos, cuida do jardim, costura e pinta quadros fantásticos. Grace mal tem tempo de sentir falta de sua antiga vida.
Ela é casada com Jack, o marido perfeito.
Ele é um advogado especializado em casos de mulheres vítimas de violência e nunca perdeu uma ação no tribunal. Rico, charmoso e bonito, todos se perguntavam por que havia demorado tanto a se casar.
Os dois formam um casal perfeito.

Eles estão sempre juntos. Grace não comparece a um almoço sem que Jack a acompanhe. Também não tem celular, que ela diz ser uma perda de tempo. E seu e-mail é compartilhado com Jack, afinal, os dois não guardam segredos um do outro. Parece ser o casamento perfeito. Mas por que Grace não abre a porta quando a campainha toca e não atende o telefone de casa? E por que há grades na janela do seu quarto?

Às vezes o casamento perfeito é a mentira perfeita.

 

 

Entre Quatro Paredes | B. A. Paris

 

 

Grace e Jack são um casal digno de contos de fadas. Ela é uma mulher dedicada ao marido e à sua casa. Até largou o emprego para poder viver o sonho de ser uma dona de casa perfeita.
Já o rapaz é super atencioso, carinhoso e ama tanto sua esposa, mantendo-se sempre por perto. Nunca a deixa desacompanhada, lhe dá abraços sinceros e faz tantos gestos se declarando para a mulher, que deixaria qualquer casal com inveja.
A família só não está mais completa por falta de um bebê. Apesar disso os pombinhos estão sempre tentando e falhando. Para se dedicar totalmente à maternidade, no entanto, Grace abriu mão não apenas da profissão, mas também de telefone celular, e-mails e qualquer tipo de contato que seja considerado perda de tempo no mundo moderno.
Jack, por sua vez, é um advogado de renome e especializado em casos de violência doméstica. Um verdadeiro herói nos tribunais, fazendo justiça para as pessoas menos favorecidas. Sua fama é maior por nunca ter perdido um caso, o que garante honorários gordinhos e uma vida estável com sua mulher.
Mesmo que tudo conspire para ser um marido relapso, o rapaz consegue provar o completo oposto. Ou seja, é sempre presente em todas as ocasiões, como o cara perfeito. O relacionamento deles também é lindo e atrai olhares apaixonados e que acreditam em finais felizes. Nunca brigaram, nem sequer
deixaram de ser grudados e demonstrar o quanto sentem a falta um do outro, mesmo depois de meses casados.
No entanto, olhando de perto para esse casal de margarina, é possível notar alguns detalhes peculiares, o que leva à pergunta: até que ponto um relacionamento de contos de fadas pode ser um sonho ou um pesadelo?

  

“Na verdade, há tantos ‘perfeitos’ ecoando pelo hall quando Jack fecha a porta que eu sei que tive sucesso.”

 

Esse é o segundo livro do projeto 12 Livros para 2023 (sorteado n°3), mediado pela Anna do Morcegos Literários e em parceria com a Karla Samira do PacoteLiterário. Quando abri o pacote e descobri a leitura de fevereiro, confesso que não sabia o que esperar. Nunca tinha lido nada da autora e peguei a obra de uma troca do Skoob, sem saber muito a respeito.
 
 

 

Entre Quatro Paredes | B. A. Paris
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Como falaram bem dele, fiquei curiosa e aproveitei para ler durante o carnaval. Pela quantidade de páginas, a leitura foi até bem rápida. Mas não posso dizer o mesmo da trama, a qual é bem indigesta e difícil de lidar.
A narrativa é em primeira pessoa e vemos todos os fatos pelo ângulo de Grace. A protagonista era bem ativa e vivia viajando a trabalho. Com uma ponte aérea constante ente sua casa em Londres e Buenos Aires, sua rotina era bastante agitada e mal tinha tempo para nada. Que dirá se envolver em relacionamentos, já que dificilmente ela se dava bem com os caras quando descobriam mais a respeito de suas responsabilidades.
A moça tem uma família pequena, cujos pais estão para se aposentar e vivem em debate para ver quem ficará com a guarda de sua irmã mais nova. Millie é uma jovem adorável e conquista a todos por onde vai. No entanto, é bem evidente o quanto não é desejada pelos progenitores, já que é fruto de uma gravidez inesperada e mal recebida.
A situação é mais complicada pelo diagnóstico de que Millie tem síndrome de Down. O que torna seus pais ainda mais relutantes em assumir a responsabilidade da educação da menina. Assim, Grace assume toda a carga de cuidar da caçula quase como se fosse a mãe. E, apesar dos pesares, a relação dessas duas é muito linda, pois é perceptível o quanto são unidas.
 
 
Entre Quatro Paredes | B. A. Paris
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Porém, isso causa desconforto (preconceito na verdade) dos pretendentes a namorados da protagonista. O único que pareceu não apenas aceitar, mas ficar feliz em conviver com Millie foi Jack, o cara que caiu de paraquedas em sua vida. Grace não poderia perder a oportunidade de ficar com o cara que aceitou suas condições.
A linha do tempo oscila entre passado e presente. Dessa forma, temos um vislumbre de como os pombinhos se conheceram e de sua vida atual. Ao longo das páginas, vemos Jack como um príncipe encantado que esqueceu o cavalo branco em casa. Tem um emprego estável, uma casa boa e faz de tudo para manter sua amada em segurança e com o maior conforto possível.

 

“Era terrível que de vez em quando eu sentisse esperança, pois Jack voltava a ser o homem por quem eu havia me apaixonado quando estávamos em público.”

 

Além disso, é um cara charmoso e cheio de amor para dar. É praticamente impossível resistir à sua voz aveludada, um corpo bonito e um olhar apaixonado. O relacionamento dos dois foi amor à primeira vista e logo estavam planejando casamento. Contudo, não demora muito para que o leitor perceba até onde a dedicação
de um marido apaixonado pode chegar. Como fala o ditado, só conhecemos as pessoas quando criamos certos laços de intimidade com elas. Mesmo assim, podemos nos surpreender.

E sinceramente, não gostei nem um pouco do que vi. Não posso falar muito, afinal o livro é curtinho e eu corro riscos de soltar bastante spoiler. Mas posso afirmar que acompanhar os fatos pelo lado de Grace não foi nem
um pouco confortável.
Ver o quanto a protagonista abriu mão de tudo para ser uma “boa esposa” me deu agonia e revolta em um primeiro momento.
Vi apenas uma mulher que nunca amou na vida e agora quer correr para ter seu “final feliz” e manter o status de mulher casada. Sei que quando estamos apaixonados cometemos erros, mas um casamento é algo sério e até bem caro, mesmo sendo algo discreto. Então, achei um tanto precipitada a cerimônia, mesmo que ela afirmasse que ele era o cara certo.
Sua devoção ao marido era tão cega e sem limites, que me deu ranço e eu já estava a ponto de abandonar a leitura. No entanto, conforme eu via o antes e depois desse relacionamento e entendia o porquê de Grace se submeter a tantas situações arcaicas com seu marido, só senti medo e pena dela.
A verdade é que nunca conheceremos de fato as pessoas com quem convivemos e nossa opinião pode mudar quando conhecemos novos fatos. O que compreendi nitidamente com Jack. O marido amoroso e cheio de carinho é um príncipe quando tem visitas. Mas só quem o olha de perto pode dizer quem de fato ele é. O rapaz é mesmo um bom marido? Ou está apenas cumprindo um papel?

 

“Por que as pessoas reunidas aqui hoje acreditariam na minha versão, e não na de Jack, quando a dele soa bem mais plausível?”

 

O tempo todo temos essa dúvida no ar. Afinal, vendo tudo pelo ângulo da esposa, a qual tem um histórico de instabilidade mental, pode ser tudo fruto da mente dela ou não. Isso contribuiu para minha agonia e eu não sabia se abraçava Grace ou saía correndo.
Millie, por sua vez, é uma personagem sem igual. Tem uma união que apenas se fortalece com sua irmã e elas enfrentam qualquer adversidade juntas. Talvez por saber desde criança o que é receber olhares atravessados e de pena, a caçula percebe diversas nuances na irmã mais velha, as quais passariam batido para qualquer outra pessoa. Gostei demais de ver a interação dessas duas e torcia por elas o tempo inteiro.
 
 
Entre Quatro Paredes | B. A. Paris
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Outra personagem secundária que brilhou foi Esther. Ela é esposa de Adam (sócio de Jack) e está começando a frequentar a casa de Grace. E poderia passar despercebida, a não ser que se destaca como a única pessoa com senso de realidade naquela rodinha de amigos.
Entretanto, confesso que ler as cenas em que apareciam me deram dúvida se de fato ela queria ajudar ou tentar se dar bem provando um ponto de vista egocêntrico. Aliás, acho que dúvida foi o que mais tive em relação a essa leitura. Toda teoria que eu elaborava em um capítulo se desfazia no seguinte. Logo, eu já não sabia quem estava mentindo, muito menos o que era real.
O desfecho se amarra da mesma forma que a trama começou. Com um final aberto, passei boa parte do dia conjecturando diversas respostas plausíveis para explicar o que foi exposto ao leitor. E, sinceramente, ainda não tenho certeza se fazem sentido.
Foi uma leitura que me tirou do chão e mexeu bastante comigo em diversos sentidos. Tive medo, angústia, raiva e muita revolta. Nem sei se irei superar esse livro algum dia.
 
 

 

Entre Quatro Paredes | B. A. Paris
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Em relação à obra em si, eu gostei bastante da diagramação simples, além das páginas mais grossinhas e amareladas. A revisão está de parabéns, assim como a capa; convidativa e ao mesmo tempo misteriosa.
Finalizando, recomendo a leitura, mas vá sem expectativas, abra sua mente e prepare bem o seu espírito. ‘Entre Quatro Paredes’ não é uma leitura para quem tem estômago fraco. 

 

 

O resultado parcial do 12 Livros para 2023 segue assim:
12 Livros para 2023

 

 Já leram esse livro? Qual foi uma leitura indigesta para você? Me contem aí!

 

 

Texto revisado por Emerson Silva 

 

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Ghostwriter | Alessandra Torre

Li até a página 100 e… #51: Ghostwriter

Olá meu povo, como estamos? Uma de minhas leituras […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui