26 de maio de 2022

Estrelas Cadentes | Gleydson Martins

    Olá meu povo, como estamos? Aproveitando que a onda do momento por aqui
é de livros nacionais
, hoje trago a resenha de ‘Estrelas Cadentes’, do autor
Gleydson Martins.

Estrelas Cadentes | Gleydson Martins
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

Obs.: Livro lido em parceria com o autor e com a FS Assessoria Literária. Disponível também no Kindle Unlimited.

27/24
Livro: Estrelas Cadentes 
Autor: Gleydson Martins 
Editora: Independente (Amazon)
Ano: 2020
Páginas: 209
Skoob | Compre na Amazon 


A perigosa rotina de trabalho para um magnata que desenvolveu uma nova
droga e dominou grande parte de São Paulo nunca pareceu algo importante para
Ricardo, mas era como ele levava a vida nos últimos anos.
Porém, uma convidada na mansão do seu chefe o faz reviver um antigo amor
adormecido e descobre sua vida conectada a ela por mais que sentimentos e
lembranças do passado. Tudo que parecia certo e real começa a desmoronar,
enquanto ambos lutam para manter a própria vida.
Na medida que sua história ganha um novo sentido em uma realidade
sobrenatural, ele poderá escolher o que manter para si, mas será obrigado a
lidar com as consequências.



Estrelas Cadentes | Gleydson Martins



   São Paulo é dominada por Vinicius Marins, um homem muito rico, e agora,
poderoso, desde que teve sucesso na fórmula do VV, uma droga que todos usam
atualmente, independentemente de onde vem.
   Vendida em diversos bares e restaurantes de elite, o magnata tem em sua
mansão uma equipe considerável de cobradores,
os quais vão regularmente aos
locais de venda para recolherem os lucros.
   Assim vivia Ricardo. Junto ao parceiro Marco, a dupla se conhece há anos
e já tem as pessoas certas a quem cobrar. 
   A vida deles não tinha muita
novidade, seguindo sempre a mesma rotina, a não ser quando cruzam com um ou
outro usuário, flertando com os efeitos colaterais da droga.
   Porém, Ricardo vê seu mundo virar de cabeça para baixo quando, ao
retornar de uma de suas cobranças, encontra Marília, um amor do passado, que o
rapaz nunca pensou que veria novamente.
   Não bastasse as antigas emoções surgindo em seu coração, o moço
presencia um fenômeno astronômico inusitado: estrelas cadentes enfeitando todas
as noites paulistas, as quais parecem estar relacionadas com eventos estranhos
recentes em sua vida.
   Será que Marília também tem a ver com isso? Só lendo para descobrir.

 

“Meu amigo, às vezes tudo o que precisamos para afundar é apenas um caso
isolado.”

 

    Fui selecionada, mais uma vez, pela FS Assessoria Literária para ler
alguns livros de fantasia nacional. 
   Até gosto desses sistemas, pois conheço
alguns tesouros brasileiros que jamais estariam no meu radar em outra
circunstância.
   Como primeiro contato com as obras do autor, eu não sabia o que esperar,
a não ser a promessa de uma fantasia de tirar o fôlego. 
   Porém, me senti
enganada
, ao encontrar um livro completamente diferente do que pensei.
   O início é lento e por vezes arrastado. Embora seja uma narrativa em terceira
pessoa, mostra os acontecimentos pelo ponto de vista de Ricardo em boa parte da
trama. 
   Assim, somos apresentados a um jovem que não tem muitos sonhos na vida.
   Está completamente satisfeito com a rotina que tem, vivendo numa mansão,
com tudo de bom e do melhor que seu chefe oferece. 


Estrelas Cadentes | Gleydson Martins
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna




   Dirige carros incríveis e
pouco se importa com o que Marins produz. No entanto, o autor se aproveitou de
Ricardo para fazer a apresentação do cenário, de uma maneira tão detalhada, que
me senti lendo um romance daqueles de época, onde vários nadas aconteciam.
   A leitura até empacou nesse começo, porque fiquei decepcionada de
verdade. Porém, as coisas estão mudando um pouco por aqui, pois antes de
abandonar um livro logo de cara
, estou fazendo a seguinte tática: parar com o
livro por alguns dias e, depois, começar do zero novamente.

 

“Com o tempo, aprendemos que somos responsáveis por nossas próprias
escolhas, mas até lá é mais confortável culpar as circunstâncias adversas por
nossas perdas.”

 

   Fiz isso em ‘Estrelas Cadentes’ também. Ao começar de novo e sendo mais
paciente com a parte mais arrastada do início, fiquei curiosa sobre alguns
detalhes que haviam passado batido da primeira vez,
embora apontados em outras
resenhas, bastante positivas por sinal, publicadas anteriormente. 
   E foi uma
escolha acertada
, pois assim que Marília surge, o livro muda da água para o
vinho.
   Marília é uma jovem escritora que conseguiu abrigo com Marins para
terminar de escrever seu livro em um local tranquilo e silencioso. 
   Apesar
disso, o que dizem pelos corredores é que a mocinha seria mais do que mera
hóspede
, bastava prestar atenção nas pessoas com quem ela fala.
   Aos poucos, vemos a confusão de Ricardo, despertando sentimentos
adormecidos e vendo o mundo com olhos de um homem apaixonado
, porém que brinca
com o perigo, já que temos um clima de romance proibido por vários motivos.
   Confesso que me perguntava o tempo todo se era mesmo proibido o que eles
tinham
. Mas em momento algum vi com maus olhos o que faziam. 
   Além disso,
Ricardo nem tem tempo de processar direito o que sente por Marília, já que
alguns revendedores do VV, especialmente Carlos, anda com conversas bastante estranhas
em todo dia de cobrança.
   De acordo com o dono do bar, as estrelas cadentes estão caindo muito
ultimamente
, e isso teria a ver com vários acontecimentos estranhos que saíram
nos jornais, noticiados como casos sem solução.  
   Ricardo ouve com paciência, mas
não dá muita bola ao que diz um velho viciado na própria droga que vende.
   Entretanto, depois que o protagonista vê com os próprios olhos algumas
coisas, começa a se questionar o que é verdade e o que é delírio
   Não apenas
ele, mas o leitor também é levado a esse questionamento quase que o livro inteiro,
pois tudo está nas entrelinhas e pode mudar no próximo parágrafo.
   Apesar de não ser um livro do estilo “quem é o culpado”, me peguei
diversas vezes tentando descobrir quem era o real vilão da trama. Todo mundo
tem coisas pelas quais se arrepende em seu passado.

 

“Você não pode ir tão longe a ponto de não
voltar aos meus braços.”

 

   Ninguém é confiável, muito menos Ricardo e Marília, dois jovens
apaixonados e com tantas dores, que custei a acreditar que podem ser felizes em
algum momento. 
   Tudo na vida deles envolve profecias, fugas e muita magia, também
chamada de ether.
   Conforme fui avançando na leitura, comecei a entender diversas mensagens,
as quais foram apresentadas lá na parte arrastada do início. 
   Mas talvez não
tivesse dado tanta bola se lesse com o olhar decepcionado da primeira vez. E a
cada descoberta, era “eita” atrás de “eita”, e não queria mais parar de ler.
   Os capítulos passam a ser curtos e a escrita mais fluida em determinado
momento
, o que me deixava mais curiosa, em busca de mais um. 
   Apesar dessa
mudança, que é até perigoso por um lado, não deu grandes problemas ao longo da
trama.
   As pontas foram amarradas quando deveriam ser. Os personagens,
aparentemente, esquecidos no churrasco, são lembrados de maneira espetacular, que
só mostraram o cuidado que o Gelydson teve ao criar o universo de ‘Estrelas
Cadentes’.
   Além disso, acho que nunca tinha lido um livro de fantasia com cenas
mais quentes
e detalhadas como vi aqui. 


Estrelas Cadentes | Gleydson Martins
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna




   Embora não curta ler cenas desse tipo,
o autor ganhou pontos por escrevê-las de maneira bem dosada e não perdeu tempo
demais com elas. 
   Isso deixou a obra bem equilibrada e com espaço bem
aproveitado para tudo.
   Aliás, esse livro tem cenas para todos os gostos: drama, romance, cenas
de “tiro, porrada e bomba”, mistério… 
   O que você imaginar, pode encontrar
aqui. Isso é surpreendente para uma obra com pouco mais de 200 páginas.
   Apesar do clima tenso e do tema que aborda, os personagens são bem
desenvolvidos e críveis
, bem vida real, na verdade. 
   Não apenas os principais,
mas os secundários entram e saem de cena na hora certa, ninguém fica esquecido
e tudo que eles falam importa.


Estrelas Cadentes | Gleydson Martins
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna




   Com toques da novela Mutantes e X-Men, ‘Estrelas Cadentes’ foi um
verdadeiro achado, com desfecho digno e fechado, embora deixe umas poucas
pontas soltas de propósito para a continuação.
   Em relação ao livro em si, que eu saiba, está disponível em formato
digital apenas
. A diagramação é bonita, com fonte confortável e uma revisão bem
feita. Além disso, a capa me lembra bastante um mangá, com Ricardo e Marília
observando as estrelas.
   Em resumo, gostei bastante desse livro. Apesar de ter certas ressalvas
em relação a algumas informações ao longo da trama, ainda assim, recomendo a
leitura. 





   Conheciam esse livro? O que acharam da resenha? Me contem aí! 









Obs.: Texto revisado por Emerson Silva
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui