4 de junho de 2019

Heroínas

   Olá meu povo, como estamos? Hoje temos a resenha do último livro que li… e que muito me surpreendeu. Com vocês, Heroínas, das autoras Laura Conrado, Pam Gonçalves e Ray Tavares.

Heroínas
Foto: Divulgação

14/33

Livro: Heroínas

Autoras: Laura Conrado, Pam Gonçalves e Ray Tavares

Editora: Galera Record

Ano: 2018

Páginas: 247

Adicionar ao Skoob | Amazon


Heroínas




Não faltam heróis. Dos clássicos às histórias contemporâneas os meninos e homens estão por todo lugar. Empunhando espadas, usando varinhas mágicas, atirando flechas ou duelando com sabres de luz. Mas os tempos mudam e já está mais do que na hora de as histórias mudarem também. Com discussões feministas cada vez mais empoderadas e potentes, meninas e mulheres exigem e precisam de algo que sempre foi entregue aos meninos de bandeja: se enxergar naquilo que consomem.Este é o livro de um tempo novo, um tempo que exige que as mulheres ocupem todos os espaços, incluindo a literatura.Este é um livro no qual as meninas salvam o dia. No qual elas são o que são todos os dias na vida real: heroínas. Finalmente.

   É girlpower que você quer? Então toma girlpower! Heroínas é a reunião de três contos, onde vemos três histórias que heróis clássicos, ‘Os três mosqueteiros’, ‘Rei Arthur e a távola redonda’ e ‘Robin Hood’. Você deve estar se perguntando o que essas histórias tem a ver com girlpower, ainda mais porque os heróis dessas histórias são homens e as mulheres estão em segundo plano, como a princesa que sofre algum atentado, ou apenas se casa com o rei no final e blablabla.
   Mas em ‘Heroínas’, essas três histórias ganham versões bem contemporâneas, e ainda são guiadas por mulheres, que lidam com situações bem próximas de nós, mas são verdadeiras heroínas do século XXI.
   Como são contos, falarei brevemente sobre cada um. Começamos com o conto da Laura Conrado, que nos traz a versão de ‘Os três mosqueteiros’. Aqui, eles são representados por três futuras veterinárias, que recebem ajuda de uma quarta mocinha, a Daniela d’Artagnan. Elas trabalham numa ONG chamada Mosqueteiros, que está ameaçada de fechar as portas. Com a missão de salvar a ONG e os bichinhos, as quatro moças se unem nessa missão, com o lema de “Uma por todas, todas por uma”.
   O segundo conto é Pam Gonçalves, com a versão da  Távola Redonda. Aqui temos Marina Artiaga e mais algumas meninas, que precisam salvar o baile de formatura do Ensino Médio. Mas não apenas elas tem uma festa para organizar, como ainda lidar com vários questionamentos adolescentes e descobrimentos.
   O terceiro é da Ray Tavares, nos contando a história de Roberta Horácio, a Robin Hood que mora na comunidade da Selva de Pedra. Ela tem esse nome, por de fato roubar dos ricos para dar aos pobres. E o motivo? Rapaz! É um motivo e tanto!
   Em todos os contos, vemos a personalidade da autora nas palavras usadas. Apesar de todas terem uma escrita bem fluida, confesso que a história que mais gostei disparado foi o conto de ‘Robin, A proscrita’. A Ray Tavares tem um jeito de prender o leitor que me fascinou. E me prendeu porque foi o que teve mais “tiro, porrada e bomba”. A Roberta tem um talento incrível e é fera numa profissão em que existem mulheres, porém as pessoas ainda tem o preconceito de achar que apenas homens podem seguir: a de informática/programação. Mas ela gosta mesmo é de provocar e deixar todos os homens no chinelo quando o quesito é programação, ainda mais com a missão de Robin Hood que ela tem  como meta de vida, desde que algo mudou seu passado. As cenas de ação são incríveis, tão detalhadas que eu me senti na cena junto e torci pela Roberta, claro!

Heroínas
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

   Os outros dois contos também são bem legais, mas o da Laura me incomodou um pouco, já que tinha detalhes demais onde eu achei que não deveria ter tanto. Daniela é uma menina bem inteligente, que ama os animais e quer ser veterinária, por influência dos pais, que são veterinários famosos. Apesar do sonho, ela sente que nunca será o bastante, pois começa ela mesma a se colocar para baixo em vários momentos. Isso incomodou um pouco, ainda mais com a pegada que tem na ideia do livro. Me deu vontade de pegar essa menina, dar uns tapas na cara dela e mandar ela respirar fundo.
   Já a Marina Artiaga tem a missão não apenas de lidar com o baile de formatura, mas também de descobrir quem são seus verdadeiros amigos. Sabe aquele ditado de que os verdadeiros amigos se mostram nos momentos mais difíceis? Então, pode parecer bobo falar de uma formatura do Ensino Médio apenas, mas eu gostei de algumas situações que Marina passou. Pois ela amadureceu e viu que podia ser mais do que lhe impunham. A Pam soube levar assuntos bem pertinentes dos nossos tempos atuais e que ainda geram preconceitos de uma maneira tão leve e encantadora, que muito me surpreendeu.

Heroínas
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

   Esse é um livro super levinho, a escolha perfeita para quem está com uma rotina corrida como a minha nos últimos tempos. Não apenas a história é levinha, mas a edição também. O livro é tão levinho, que você nem sente que ele tá na bolsa/mochila, amei pessoal da Galera Record! 💓 Fora que a edição está um charme! É cheia de elementos, mas que não ficou pesado nas cores, por incrível que pareça. Fora esse tom de lilás que super combinou com tudo. As letras do título na capa são em alto relevo, e temos elementos que nos lembram os três contos, do jeito que são retratados no livro: os animaizinhos da ONG, o chapéu de formatura e a flecha de Robin Hood. Além disso, todos os contos nos são apresentados em uma folha separada e super charmosa, na mesma fonte do título da capa do livro em si.


“Não tenho dúvida que será uma grande veterinária, comprometida com a causa.”

   Como são contos diferentes, cada história tem sua própria diagramação, inda da mais simples, até em forma de pergaminho. A fonte é bem legível e as folhas são em papel pólen e de fácil passada. Além disso, para quem não conhece as autoras (como eu não conhecia), elas colocaram suas biografias no fim do livro.

Heroínas
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

Heroínas
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

Heroínas
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

   Achei que a sacada delas foi muito boa e muito útil hoje em dia, que temos a campanha de empoderamento. Nós podemos sim, ser heroínas das nossas próprias histórias, mesmo que não sejamos dotadas de super-poderes, como nos quadrinhos. E vemos isso na nossa própria rotina do dia-a-dia, como nos mostraram as protagonistas. Elas são adolescentes, cada uma com uma vida completamente diferente, a filha da veterinária famosa, que só quer seguir os passos da mãe, mesmo que isso a faça ter um caminho tortuoso; a mocinha que vai planejar o baile de formatura, como uma forma de sair da zona de conforto, já que sua mãe controla tudo e quer que ela seja perfeitinha como um robô.

“[…] Por favor, não me peça para deixar de dar importância para algo que realmente é importante para mim. Uma das poucas coisas que ainda é importante para mim.” 

Heroínas
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

   Apesar de serem mais coisa de adolescente, sair da zona de conforto e lutar pelo que a gente quer exige coragem, mesmo depois de adulta. E Roberta, a moça pobre, quer apenas ter uma oportunidade na vida e não se conforma com as injustiças que tanta gente passa, enquanto ricos ficam cada vez mais ricos. Confesso que me identifiquei mais com o conto de Robin, não apenas pelo “tiro, porrada e bomba”, mas também por ser o mais próximo do que temos visto nos jornais hoje em dia.

“Continue fazendo o que tem feito, você é uma inspiração para todos nós.”

   E, mesmo sendo tão do cotidianos, elas ainda sofrem preconceito por suas escolhas, e precisam ser fortes para levar adiante seus sonhos, coisa que também devemos fazer com os nossos. Apesar de leves, esses contos são uma mensagem de que podemos ser heroínas de nós mesmas. E por isso, e todo o conjunto da obra, incluindo a edição maravilhosa e o talento dessas autoras, que já ganharam meu coração, darei nota máxima e super recomendo, não importa a idade que tenha! 😉

Heroínas
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

   Já conheciam algum trabalho dessas meninas? E o livro? Ah, quem quiser adquirir o exemplar, ele está disponível na Amazon, lembrando que comprando através de nosso link, você ajuda o blog a ganhar comissão e não tem alteração no valor final de sua compra. 😉


   

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui