12 de julho de 2022

HQ | Mulher Maravilha – Sangue

   Olá meu povo, como estamos? Hoje temos mais uma edição do projeto “12Livros para 2022”, em parceria com os blogs
MãeLiteratura e “Pacote Literário
   Para julho, o tema
era ‘HQ/Graphic Novel’, e a mais votada por vocês foi ‘Mulher Maravilha – Sangue’, da coleção
Os Novos 52 da DC Comics. 

HQ | Mulher Maravilha - Sangue
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

36/24
HQ: Mulher Maravilha – Sangue (Os Novos 52)
Roteiristas: Brian Azzarello, Cliff Chiang e Tony Akins
Editora: Panini 
Ano: 2016
Páginas: 164
Skoob | Compre na Amazon 



Antes de ser uma heroína, a Mulher-Maravilha sempre foi uma nobre
guerreira. E, antes de ser uma guerreira, sempre foi uma deusa. Mas nem mesmo
ela, um dos indivíduos mais poderosos e sábios da Terra, faz ideia de qual é
sua verdadeira história. E o que essa revelação acarretará na vida da Princesa
Amazona pode dar um fim prematuro à carreira da defensora da justiça e à
humanidade inteira! O roteirista Brian Azzarello e os artistas Cliff Chiang e
Tony Akins assumem as aventuras de uma das heroínas mais conhecidas do mundo,
arquitetando uma fase apontada como uma das melhores que a Mulher-Maravilha já
teve em toda a sua história!



HQ | Mulher Maravilha - Sangue



   Confesso que não tenho dado muita chance a HQ’s. Quando lia, me rendia a
coisas mais infantis, como ‘Mickey’, ‘A Turma da Mônica’ ou ‘Luluzinha’. 
   Depois
que cresci, fiquei com a versão mais jovem dos dois últimos que citei. Enquanto
isso, os super-heróis eu deixava para ver em desenhos animados ou filmes mesmo.
   Sendo assim, é a primeira vez que temos resenha de uma HQ por aqui e
ainda estou um tanto perdida, sem saber o que dizer (rsrsrs). 
   Mas como missão
dada é missão cumprida, darei minha opinião a respeito da obra, independente de
ser conhecedora de quadrinhos ou não.

 

   Provavelmente vocês devem conhecer a história da Mulher Maravilha, uma
das personagens mais icônicas das telinhas e telonas,
em especial a interpretação
pela Gal Gadot na versão mais recente. 
   Mas antes de ser adaptada para outras
mídias, a personagem surgiu nos quadrinhos há muitos anos.
   Além disso, muito se fala sobre as origens da heroína, a qual permanece
um mistério em algumas versões. 
   Em ‘Sangue’, temos um vislumbre de qual poderia
ser sua verdadeira história
, pelos traços de Cliff Chiang.
   Começamos a trama com Zola, uma mulher que vive no interior da Virginia
(EUA), tendo sua casa invadida por um homem assustador, afirmando estar lá para
proteger ela e seu filho. 
   Mas a circunstância na qual ele aparece é suspeita.
Primeiro porque não é humano e ainda surge do nada na sua porta.
   Enquanto a moça tenta entender o que está acontecendo, uma série de
acontecimentos a faz cair de paraquedas na casa de Diana
(a Mulher Maravilha). 
   Como já esperado, a amazona ouve o relato da moça e decide ajudá-la. No
entanto, o que parecia um caso de invasão domiciliar e “simples” de resolver
vira algo muito maior
quando se percebe que o homem estranho é, na verdade,
Hermes, o mensageiro dos deuses.
   Brutalmente machucado, ele precisa ser socorrido com urgência, enquanto
a própria Zola ainda corre perigo em casa. 
   As investigações de Diana a levam a
uma batalha milenar entre os deuses, buscando poder absoluto.
Além disso, tanto
a visita de Hermes quanto a humana desconhecida parecem ter algo a ver com essa
guerra, a qual parece nunca ter fim.


HQ | Mulher Maravilha - Sangue
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna




   Para completar, Diana precisa lidar com descobertas sobre si mesma que
tais investigações irão revelar. 
   Isso, por si só, seria um desafio para reles
mortais, que dirá para a Mulher Maravilha que, além de tudo, ainda precisa
“salvar o dia”?
   Como foi a primeira impressão que tive do trabalho do Cliff Chiang,
posso dizer que gostei bastante dos desenhos. 
   Eles trazem uma vibe mais sombria, com uma paleta de
cores bem escura, a qual combinou perfeitamente com o tema.
   Além disso, todas as cenas estavam bem feitas e me deram um ótimo
panorama sobre o que estava acontecendo. 
   Pude ver a guerra tanto do lado dos
humanos quanto dos deuses, de maneira bem equilibrada. Além disso, não sei se
isso é comum nos quadrinhos da heroína, mas achei curioso que o elenco é, em
maioria, composto por mulheres.


HQ | Mulher Maravilha - Sangue
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna




   Levando em consideração que são homens por trás do roteiro, eu torci o
nariz no primeiro momento. Mas felizmente “destorci” logo depois, pois
conseguiram cumprir a missão sem desmerecer a força de nenhuma personagem
feminina
(ou quase nenhuma).
   Conforme vamos lendo, percebemos que a guerra dos deuses ainda está
longe de terminar
, pois além da batalha em si, cada um tem suas próprias
questões internas para serem resolvidas.
 
   Assim, vemos que até mesmo os imortais
têm dilemas para cuidar no dia a dia.
E talvez seja até pior para quem tem vida
eterna e todo o tempo do mundo para lidar com as consequências de seus atos (se
tiver um pingo de consciência e amor ao próximo
).
   Hipólita é uma das poucas humanas a ganharem destaque. Eu sou suspeita
para falar, pois sempre gostei dela, na verdade. 
   É uma boa mãe e sempre tentou
de tudo para fazer de sua filha o que ela mesma nunca foi.
Ainda assim, tem
seus dilemas e precisa arcar com algumas decisões do passado, as quais Diana
descobre da pior forma possível.
   Mas é o jeito como mãe e filha lidam com isso que faz a diferença.
Diana, por sua vez, tem senso de honra e hierarquia, é uma semideusa poderosa,
mas ainda assim, é uma filha amorosa. 
   Apesar de todo o cenário de guerra e
conspirações, ainda teve espaço para cenas mais tocantes e emocionantes
. Gostei
bastante disso, por sinal.
   Entre os deuses, o destaque vai para Hera e Discórdia. A primeira é
sempre retratada como uma deusa ciumenta e vingativa. 
   E não era para menos. Se
pararmos para pensar, ela seria uma das mulheres mais traídas da história e
sofre um bocado por isso. 
   Mas sinceramente, às vezes eu acho também que ela
sofre porque quer.
Zeus nunca foi fiel a ela, independente da versão da
mitologia. 
   E ela poderia muito bem ir embora do Olimpo, ou mesmo se vingar do
marido
, o real culpado pelas “puladas de cerca”.    
   Contudo, prefere se vingar das
mortais que o deus do trovão engravida por aí
, como se fossem culpadas por
serem seduzidas (se conhece a mitologia dos deuses gregos, vai saber a que me
refiro
).
   Assim, vemos o poder de uma mulher eternamente magoada, mas que “não
larga o osso” e vive querendo se vingar da pessoa errada. 
   É agoniante ver as
coisas pelo ponto de vista dela também e gostaria de abraçá-la, embora ainda
ache que a deusa vê nisso um “motivo de vida”.
   Mas quem merece um destaque também é Discórdia. Só pelo nome, já
imaginam o que essa criatura ama fazer o dia todo, né? 
   Confesso que até lembro
desse nome nos desenhos de Hércules, mas era interpretado por uma espécie de
diabinho e morava com Hades, como se fosse uma “criação” dele no submundo. 
   No
entanto, aqui é retratado como uma deusa que se comporta feito uma adolescente
mimada
e com grana.
   Ela e Diana não se bicam, ao mesmo tempo que se entendem. É no mínimo curiosa
a relação das duas e me deixou com expectativas para o que virá nos próximos
volumes.
   Aliás, ‘Sangue’ é o primeiro de uma série de seis HQ’s sobre a Mulher
Maravilha. No momento, possuo os três primeiros volumes, então posso acompanhar
a trama na ordem e ver o desenrolar dessa guerra.


HQ | Mulher Maravilha - Sangue
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna




   Para quem nunca tinha lido os quadrinhos da
heroína, posso dizer que gostei bastante da experiência e estou curiosa pelos
próximos capítulos. 
   Em relação à edição, a Panini arrasou na versão de capa
dura, trazendo a personagem principal “em ação”. 
   A leitura como um todo foi
interessante e prazerosa
, com a fonte em tamanho confortável e páginas bem
impressas. 
   Assim, caso esteja procurando um título para começar a ler HQ’s,
recomendo as da Mulher Maravilha.
 




   Em relação ao projeto, este é o andamento até o momento: 

12 Livros para 2022 | Julho







    Vocês gostam de Os Novos 52? Curtem HQ’s de super heróis, ou preferem desenhos/filmes? Me contem aí! 








Obs.: Texto revisado por Emerson Silva 
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui