18 de agosto de 2016

IDY de Julho: O Fantasma da Ópera

   Olá pessoal! Como estamos todos? Curtindo muito as
Olimpíadas Rio 2016? =) Eu confesso que estava tão enrolada com tantos jogos
passando ao mesmo tempo na TV (e inclusive ganhei ingressos de última hora para
assistir uma modalidade ao vivo
), mais as últimas coisas a acertar da minha
dissertação, que acabei atrasando bastante minha participação no IDY 2016 de
julho.
   Mas antes tarde do que nunca e estou aqui para registrar
minha participação com o tema de julho, que foi Livro Clássico, e o livro
escolhido foi O Fantasma da Ópera, de Gaston Leroux.






Livro: O Fantasma da Ópera

Autor: Gaston Leroux

Editora: Ediouro

Ano: 2006 (versão original em 1909 )

Dentro da Ópera de Paris viveu um fantasma — pobre de quem duvidou
disso. O fantasma da Ópera habitava o imenso subterrâneo do teatro mais famoso
de Paris, e de lá só saía para acalentar suas duas paixões, a música e a jovem
cantora Christine Daaé.
Prisioneiro de sua própria feiúra, o fantasma perambula pelo teatro, ora
aterrorizando quem zombou de sua existência, ora fazendo da voz de Christine a
mais cristalina que Paris já escutou. Ninguém o vê, mas cedo ou tarde todos
sentem — e temem — sua presença.
Nos corredores, salas e alçapões escuros da Ópera a figura misteriosa do
fantasma pouco a pouco vai se revelando; a imagem de espírito maldito vai se
desfazendo e o protagonista se humaniza. Narrado quase como uma reportagem, o
livro nos deixa o tempo todo em dúvida, a ponto de não ser possível condenar o
comportamento do fantasma atroz. Isso porque, como ele mesmo explicará, para
ser bom só lhe faltou ser amado.

   Estamos no início do século XX, auge da Ópera de Paris. O teatro é
muito famoso, tem peças belíssimas sendo representadas e cantadas por vozes
encantadoras e as pessoas pagam caro para conseguir camarotes e fazem todo
esforço possível para conseguir uma vaga no famoso elenco de atores e cantores,
que podem entrar para a História com suas interpretações de clássicos.
   Mas o prédio também abriga coisas inusitadas e misteriosas no
subterrâneo. Lendas de que um fantasma assombra funcionários do teatro circulam
entre atores, diretores e lanterninhas. Há quem diga que o fantasma é capaz de
atravessar paredes, tem uma caveira vermelha e olhos que queimam como fogo. Há
quem diga também que ele some com algumas pessoas e outras se matam depois de ver
seu rosto, de tão assustador que é.
  Para os diretores especificamente, Debienne e Poligny, é um
fantasma cheio de exigências, como uma quantia que deve ser deixada todo mês
para ele, um camarote exclusivo e outras coisinhas, caso não cumpridas, podem
gerar transtornos assustadores e muito, mas muito perigosos…
   Graças a isso, os diretores decidem se aposentar e passam as
orientações a novos responsáveis pelo teatro, Moncharmin e Richard, os quais
devem continuar a obedecer as exigências do fantasma. Os novos diretores,
também novos em idade e se supondo mais espertos, resolvem pagar para ver do
que o fantasma é capaz… Decididos a acabar com a farsa do fantasma, que eles
acreditam piamente ser obra dos antigos diretores para lhes pregarem uma bela
peça, acabam por deixar o fantasma bem irritado, e eis que coisas ruins
acontecem pelo teatro…
  Ao mesmo tempo que coisas estranhas acontecem com os diretores,
coisas mais estranhas ainda acontecem com o elenco… Como mocinhas que antes
não cantavam nada e de repente apareciam com uma voz tão bela que era capaz de
lotar o teatro, ou com vozes belíssimas que desapareciam no meio de
representações, para nunca mais serem ouvidas…
   Numa dessas vozes está Christine Daaé, uma jovem bela e
encantadora, que quando menos se esperava, demonstrou uma voz espetacular, que
desbanca qualquer outra atriz/cantora do teatro… O mistério por trás disso? O
anjo da música, de acordo com ela… Um anjo que devia ajudá-la, como seu pai
sempre lhe disse que faria, mas que se mostrou um ser possessivo e perigoso,
capaz até de sequestrar e matar para ter o que queria…
   E assim se dá a história do Fantasma da Ópera. O tempo todo eu me
perguntava se o fantasma era de fato um fantasma ou um homem de carne e osso,
com um passado tenebroso. E Erik, o nosso fanstama, era de fato um homem, um
homem apaixonado e depois obcecado por Christine Daaé.  Um homem que vivia nos subterrâneos da Ópera
de Paris, que era capaz de tudo só para se sentir amado.
   No início do livro diz que para Erik ser bom só lhe faltou ser
amado… E era isso o que ele queria o tempo todo. Resolveu se esconder por ser
muito feio, mas ainda assim só queria alguém para chamar de seu. Achava que
para ser amado bastava trancar uma pessoa no seu palácio subterrâneo e lhe dar
todos os bens materiais possíveis. Mas ele acabou vendo que as coisas não bem
assim, que não se pode obrigar alguém a amar o outro…
   Confesso que ler esse livro foi um tanto triste para mim. Eu
sempre tive curiosidade para saber do que se tratava a história que gerou
tantas adaptações cinematográficas e no teatro. Mas é uma história triste. Erik
se esconde por algo que aconteceu no passado, ele tem medo de sair no mundo por
temer o que as pessoas vão achar de sua feiúra. E, para se manter escondido, é
capaz até de matar quem descobre aonde ele se abriga; é capaz de sequestrar a
pessoa que ama, só para tê-la a seu lado, mesmo que essa pessoa ame outro
rapaz.
   Mesmo que Erik seja uma pessoa má, pois ele mata, sequestra e
coisas afins, eu confesso que fiquei triste por ele. Sabe aquele vilão que você
não consegue torcer contra? Pois é… ele é uma pessoa amargurada que só queria
ser aceito na sociedade. E quantos de nós não hoje em dia não são capazes de
tudo para ser aceito pela sociedade e o que ela diz que você deve ter ou ser?!
Quantos de nós não queria apenas ser amados? E quantos acham que apenas a
beleza externa importa? É muito triste, mas isso acontece ainda nos dias
atuais…
   O Fantasma da Ópera foi escrito por Gaston Leroux, que é
mais conhecido por esse clássico, mas também foi autor de outras obras, que
foram adaptadas, como:

A busca dos tesouros da manhã (1903)

O mistério do quarto amarelo (1907)

O rei do mistério

A poltrona assombrada

A boneca sangrenta (1923)

O coração roubado
   Bom, é isso pessoal! Espero que tenham gostado e até mais!
=)



Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui