23 de novembro de 2016

IDY de Novembro: Poseidon

   Olá pessoal! Como estamos todos? Hoje vim para fazer a
resenha do livro de novembro do IDY 2016. O tema desse mês é um livro com
apenas um nome no título
e o livro escolhido foi Poseidon, de Ana Banks. Vem ver!
=)



Poseidon | Ana Banks
Foto: Divulgação




Livro: Poseidon – O Legado de Syrena

Autora: Ana Banks

Editora: Novo Conceito

Ano: 2014

   A vida de Emma McIntosh era bem normal… Ia para o colégio,
já estava pensando em qual faculdade iria tentar uma bolsa de estudos, tinha
uma amigos… mas também Emma era conhecida por ser uma menina extremamente
branca, de olhos violeta (cor que só ela tinha no mundo, pelo menos ela pensava
assim) e extremamente atrapalhada, do tipo que consegue tropeçar na própria
sombra (para ela isso é muito possível, kkkkkk).
Emma conseguia se virar bem com seu jeito desengonçado de
ser e tudo ia bem, até um dia em que resolve ir à praia na Flórida com a
família da melhor amiga… até o momento em que ela simplesmente tropeça no
próprio chinelo em pleno calçadão e vai dar de cara no peitoral super definido
do cara mais lindo do universo! Morrendo de vergonha pelo king kong que paga
numa das praias mais frequentadas do estado, Emma tenta se recompor e seguir
com sua vida social, mas fica difícil com a cena que Chloe faz ao vê-la deixando
a marca do rosto num cara lindo e ainda espalha para a praia inteira ouvir o
quanto sua amiga é atrapalhada:

   Opção um: correr o mais rápido
que meus chinelos de dedo deixarem. O problema é que tropeçar com eles é, em
parte, o motivo de meu atual dilema. Na verdade, estou sem um deles; deve ter
ficado preso em uma fresta do calçadão. Aposto que Cinderela não se sentiu tão
estúpida, mas Cinderela não era tão atrapalhada quanto uma morsa drogada


Opção dois: fingir que desmaiei.
Mancar e tudo. Babar, até. Porém eu sei que isso não vai dar certo porque meus
olhos se mexem tanto que ficaria difícil fingir; além disso, as pessoas inconscientes
não ficam coradas.


Opção três: rezar para que caia um
raio. Um raio mortal que você sente com antecedência porque o ar se torna forte
e sua pele se arrepia — ou, pelo menos, é o que está escrito no livro de
ciências. Poderia matar nós dois, mas, na verdade, ele deveria estar
prestando mais atenção em mim quando viu que eu não estava prestando
atenção nenhuma.





   Eu me surpreendo. Tento decidir
que flores levarei ao velório dela quando a matar, estrangulada. Eu deveria ter
ficado em Jersey, como minha mãe disse. Não devia ter ido ali com Chloe e seus
pais. O que tinha de vir fazer na Flórida? Vivemos na costa de Jersey. Se você
já viu uma praia, já viu todas, não é?
Mas nãããão. Precisei passar o resto de meu verão com Chloe, porque seria o
último verão que passaríamos juntas antes da faculdade, e blá-blá-blá. E agora
ela está se vingando de mim por não ter deixado que usasse minha identidade
para fazer uma tatuagem ontem à noite. Mas o que ela esperava? Eu sou branca e
ela, negra. Nem bronzeada eu fico. Sou canadense — branca como os turistas. Se
o cara a confundisse comigo, então ele não deveria fazer tatuagem em ninguém,
certo? Eu só estava tentando protegê-la. Tudo bem, ela não se dá conta
disso. Consigo perceber pelo seu olhar — o mesmo olhar que me lançou quando
colocou lubrificante íntimo dentro do frasco do sabonete líquido — que ela está
prestes a pegar o que resta de meu orgulho e chutá-lo.



   O que Emma não sabe é que o cara
em que ela tropeça está prestes a mudar sua vida, pois ele está exatamente à sua
procura já tem um tempo. E Emma acaba descobrindo da pior forma possível,
quando, no mesmo dia, sua amiga Chloe é morta por um tubarão. A princípio, um tropeção
e a morte de sua amiga não parecem ter relação, mas o que Emma vai descobrir
depois de uns dias é que na verdade tudo está interligado. Isso porque Galen, o
bonitão do calçadão é na verdade um embaixador dos Syrena, seres que vivem na
água, meio humanos e meio peixes (a gente sempre disse “sereias”, mas eles
odeiam esse termo, o certo é “syrena”, assim inclui machos e fêmeas). Além de
embaixador, Galen é um príncipe, que vem à terra com sua irmã Rayna em busca de
uma pessoa que supostamente vivia em terra por não saber ser uma syrena e, mais
ainda, teria o Dom de Poseidon.
   Logo os fatos vão ligando os dois
novamente, e Emma descobre que existem duas tribos embaixo d´água: a de Poseidon
e a de Tritão. O Dom de Poseidon é muito raro e importante, pois só quem o tem
pode alimentar os syrenas todos, já que ele é capaz de comandar todos os seres
aquáticos. Enquanto o Dom de Tritão é da força, que protege os syrenas dos
seres humanos.
   Por serem dons muito importantes,
é também muito importante que membros de ambas as casas se unam em casamento
para garantir força ealimento a todos os habitantes do fundo do mar. Porém, uma
vez escolhido o parceiro, nunca mais se escolhe outro, a não ser que seja
extremamente necessário, como o caso que Galen veio resolver em terra. Emma descobre
que sua cor violeta nos olhos é muito rara em terra, porém todos os syrenas a
tem, além disso, ela é muito branca e de pele grossa, característica também
comum a todos os syrenas. E o ápice é quando Emma descobre que o tubarão que
matou sua amiga Chloe na verdade não tinha fome, apenas estava brincando de
cabo de guerra com a menina que tem o Dom de Poseidon.
   Tentando assimilar tudo e tentando
se adaptar a um modo de vida que ela supostamente encararia embaixo d´água,
Emma e Galen acabam se apaixonando, porém Galen sabe que não pode ficar com
ela, pois a fêmea com o Dom de Poseidon deve ficar com o macho com o Dom de
Tritão, no caso seu irmão mais velho e rei do povo de Tritão, Grom, viúvo há
anos e não teve tempo de gerar descendentes.
   Disposto a conseguir burlar as
regras e saber que pode ficar com Emma, Galen vai até os confins dos oceanos
para buscar informações sobre as caracteristicas de Emma, pois ela, apesar de
ser uma Syrena, ainda é muito diferente dele_ele é moreno, cabelos pretos,
olhos violeta e muito forte, enquanto Emma é quase albina, com cabelos brancos
e olhos violeta, filha de pais de olhos azuis e morenos_. Galen tem certeza de
que Emma é adotada, mas os exames de DNA que seu amigo cientista humano faz dão
certeza de que Emma é filha de quem diz que é… então, como provar que Emma é
uma Syrena? Apesar dela ter as características, ainda não consegue ter uma
cauda como a dele! É então que ele descobre que o povo dos Syrenas guardam mais
segredos do que ele pensava, já que como embaixador ele deveria saber da
própria história…
   Enquanto Galen luta contra um amor
que não pode acontecer, tenta descobrir mais sobre Emma e seus poderes, ele
ainda tem que proteger a mocinha de um espião, que sempre entra na água quando
Emma vai para o fundo tentar de todas as formas se transformar.   Quem será o
espião? Por que Emma não se transforma? Será que ela um dia terá uma cauda? Por
que Emma é tão diferente tanto dos humanos quanto dos syrenas? O que tem nos
arquivos sobre isso? Será que Grom ainda vai querer se unir a Emma mesmo se ela
não tiver uma cauda?
   E Emma tenta não se entregar a
esse amor, mas ela vai ver que é bem difícil se ver longe de Galen. Por que ele
quer tanto levá-la para o fundo do mar? Por que ele não se declara logo? Será que
ele realmente gosta dela? E se ela não tiver uma cauda, ele ainda vai querer
ficar com ela?

   Galen não é só um paquera. Não é
só uma atração física, alguém que pode me fazer esquecer meu nome fingindo me
beijar. Não é só um professor ou um peixe esnobe de sangue azul. Sim, ele é
tudo isso. É mais do que isso. É ele que eu quero. Possivelmente para sempre.
Mas eu não estou correndo o risco
de me tornar “aquela garota”. Aquela que joga fora sua educação para se casar
com um cara depois de acabar o ensino médio. Aquela que sacrifica tudo o que
quer para poder fazer seus sonhos
virarem realidade, para fazê-lo feliz. Aquela que espera cada sorriso, cada
palavra, que vai ser mãe dos filhos dele, que vai fazer sua comida, que vai se
aconchegar a ele à noite. Não, sem dúvida, eu não corro o risco de me tornar ela


  Se aquele beijo fosse real,
poderia ter jogado minhas bolsas de estudo para o alto e ido com ele para nossa
ilha privada ou para o reino dele embaixo d´água. 


   Poseidon é um livro fininho, que
li bem rápido. Ele é narrado em duas pessoas, um capítulo é narrado pela Emma e
o outro por um outro narrado desconhecido. Tem uma linguagem bem simples e
fluida, que dizia o que queria dizer sem tantos rodeios. E, como deu para
notar, é um romance adolescente, porém dessa vez a gente não tem um humano se
apaixonando por um ser mitológico. Na verdade ambos são da mesma linhagem. Se fosse
só pelo romance água com açúcar eu não teria lido, mas as partes narradas pela
Emma, apesar dela ser uma Syrena, ela foi criada em terra como uma pessoa
comum, então as ideias dela são bem loucas, típicas de uma adolescente
apaixonada, lidando com uma vida nova, de uma forma bem engraçada e espontânea,
o que deixa a leitura bem leve.
   Além disso, o livro tem uns
ganchos para os outros livros da série. Sei que esse é o primeiro e já
encontrei o segundo, porém não sei quanto são ao todo.





   Essa foi a minha postagem de hoje. Espero que
tenham curtido e até mais!
=)






Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui