23 de maio de 2024

Mais do que Riscos no Papel | O Poder das Marcações para Transformar sua Leitura

Olá meu povo, como estamos? Cada leitor tem um jeito único de curtir a experiência com livros físicos. Mas uma prática que leva a diversas polêmicas é: marcar ou não marcar livros, eis a questão?

Devo dizer que já fui uma defensora dos livros novinhos (quase como se tivessem acabado de chegar na livraria), sem um rabisco e condenava quem ousasse colocar um simples post-it. Mas, com o passar do tempo, percebi que fazer uso de alguns recursos ao longo da leitura pode, na verdade, tornar o hábito ainda mais interessante.

Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

O processo não aconteceu de um dia para o outro. E notei que meus comportamentos literários refletem também minha idade e a coragem de enfrentar meus próprios limites.

Lembro que, pouco tempo depois do Mundinho da Hanna começar as atividades, eu tinha agonia em ver livros rabiscados e achava que era sinônimo de livro mau cuidado. Porém, comecei a me incomodar ao perceber que, mesmo quando os livros me conquistavam e tinha diversos trechos que eu queria comentar, já não sabia mais onde eles estavam.

A vinda dos post-its

Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

Com o tempo, ver os livros todos “limpos demais” na minha estante passaram a me dar a impressão de que não eram meus livros, ou que nunca haviam sido lidos. Mas passar um lápis sequer nas páginas ainda me deixava agoniada.

Então comecei a usar post-its. Comecei sem me preocupar muito com a estética, só queria marcar as páginas com trechos que me chamavam atenção.

Comprava aqueles de cores neon na papelaria da esquina da minha casa com cuidado, para não marcar nenhuma palavra. Afinal, ainda tinha a ideia dos livros mau cuidados na cabeça.

Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

Apesar de ser uma revolução nas minhas leituras, pois tenho diversos livros assim na estante, outra coisa começou a me incomodar: a desorganização. Isso porque os benditos post-its não tinham cores muito variadas e nem sempre combinavam com o livro que estava lendo, hehe.

Além disso, o fato de o marcador estar na página que eu queria ajudava bastante nas resenhas, até a página dois. Eu ficava um bom tempo lendo aquela página isolada e tentando me lembrar o motivo que me levou a marcá-la.

Assim, comecei a pesquisar em outras papelarias físicas (até online) por outras cores e formatos de post-its. Com o passar do tempo, passei a ter uma gaveta com esses benditos em diversos tamanhos e cores.

Outra coisa que me deu mais a sensação de ser organizada foi o fato de começar a colar eles no parágrafo certinho que me chamou atenção. Percebi que quando retorno ao livro, seja na hora da limpeza da estante, ou mesmo quando estou escrevendo a resenha, bater o olho nos trechos certos me dava sensação de conforto e reconhecimento (sentia que tinha deixado uma parte de mim no livro e ele me retribuiu, me fazendo lembrar com mais profundidade da história).

Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

Pagou pela língua?

Mesmo que tenha adorado ver minha marca nos meus livros, notei que poderia deixar algo mais. Após um post no Threads sobre isso, percebi que fui influenciada pelos meus próprios seguidores, hehe.

Fiz uma faxina na escrivaninha e descobri que tinha diversas canetas de ponta fininha que não usava. Quando fiz o teste no papel e percebi que eram clarinhas, passei a me perguntar: e se além de usar os post-its, passar a sublinhar também os livros?

Vendo os comentários dos meus seguidores após me questionar sobre isso no meu perfil, vi que boa parte dos leitores diziam que “se o livro não estivesse todo rabiscado era por que a leitura não teria valido a pena”, ou que “um livro foi feito para ser marcado e nos marcar de volta”.

Comecei a refletir sobre isso e resolvi fazer o teste. O resultado? Bem, paguei pela minha língua e passei a ter os livros do jeito que mais condenava uns anos atrás, hehe.

Mas sabe algo interessante? Ver meus livros rabiscados não me traz mais agonia. Pelo contrário, me traz conforto e sei que, se pegar aquela obra novamente, posso não me lembrar da trama toda. Mas certamente me lembrarei dos sentimentos que a obra me deixou.

Essa é minha nova fase como leitora. E agora, além de combinar os post-its, quero combinar a cor da cante com a capa do livro, hehe. Mas, o mais importante é que me sinto bem com isso e agora entendo como meus seguidores se sentem quando falam sobre as leituras terem valido a pena.

Agora me conta: você é do time que acha um crime rabiscar ou fazer qualquer decoração nos livros? Ou é mais desapegadx e sai marcando tudo que vê?

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Os Garotos do Cemitério | Aiden Thomas

Quotes #19: Os Garotos do Cemitério

Olá meu povo, como estamos? Os Garotos do Cemitério […]

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu trago a […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui