20 de julho de 2023

O Caso da Governanta | Courtney Millan

Olá meu povo, como estamos? Hoje temos resenha de ‘O Caso da Governanta’, uma noveleta e também um prequel do que encontraremos em ‘Os Excêntricos’, romance de época escrito por Courtney Milan.

 

O Caso da Governanta | Courtney Millan
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

OBS.: Disponível gratuitamente na Amazon

35/60
Livro: O Caso da Governanta
Autora: Courtney Milan
Tradução: Caroline Bigaiski
Editora: Arqueiro
Ano: 2022
Páginas: 159
Skoob | Compre na Amazon 

 

Conheça a história dos pais de Oliver, um dos protagonistas de ‘O Desafio da Herdeira’, o segundo volume da série ‘Os Excêntricos’.

Há três meses, Serena Barton foi dispensada de seu cargo de governanta. Como não consegue arranjar outro trabalho, ela volta para exigir uma compensação do conde de Clermont, o homem mesquinho, egoísta e cruel que a demitiu.

Porém, quem ela mais teme não é ele, e sim Hugo Marshal, seu impiedoso capanga. O formidável ex-pugilista conquistou a infame reputação de cuidar dos negócios sujos do duque. Se Clermont encarrega-lo do caso dela, Serena estará perdida. Mas ela não pode desisti, não com odo o seu futuro em jogo.

Hugo é um homem de ambição implacável, e foi graças a essa característica que se transformou no braço direito de um duque. Quando seu chefe lhe ordena que se livre da incômoda governanta, seja por bem ou por mal, ele encara o pedido como um serviço qualquer.

Infelizmente, Serena não desiste por bem e, depois que ele a conhece melhor, descobre que não será capaz de fazê-la desistir por mal. Só que a vida peal qual Hugo sempre lutou depende de ela ir embora, e agora ele precisa decidir se isso é mais importante do que a mulher que está começando a amar…

O Caso da Governanta | Courtney Millan

 

Conheci esse conto através da Silvana, minha referência para romances de época. Se ela diz que é bom, eu confio de olhos fechados e leio sem medo de ser feliz (rsrsrs). Além disso, por ser uma obra com menos de 200 páginas, tentarei ser breve e não dar tantos spoilers.
Com uma narrativa linear e em terceira pessoa, acompanhamos Serena Barton e Hugo Marshall, que tem seus destinos cruzados de uma forma nada convencional. A mocinha está há dias plantada na frente da casa do duque de Clermont e se recusa a sair enquanto não lhe for dado o que tem direito.
Clermont, por sua vez, afirma que ela é uma ex-funcionária chata, insistente e inconformada por ter perdido o emprego. Por conta disso, fica lá noite e dia em busca de uma compensação ou sua vaga de volta.
Profundamente incomodado com a situação, o duque pede que seu braço direito, Hugo Marshall, cuide do caso e se livre logo da garota, antes que os burburinhos cheguem mais longe e atrapalhem seus planos. Isso porque Clermont necessita fazer logo as pazes com a duquesa e garantir que a fortuna dela continue em suas mãos.

 

“Se vai enfrentar o Lobo de Clermont, a sorte não vai lhe fazer bem algum. Só vai deixar a caçada dele interessante.”

 

 

Conhecido como o “Lobo de Clermont”, Marshall tem a fama de nunca desobedecer às ordens do duque. Assim, trata de despachar Serena o mais rápido possível. Afinal, seu futuro também depende que o duque tenha como lhe pagar um salário.
No entanto, todas as suas tentativas são frustradas quando o rapaz conhece a ex-governanta. Aos poucos, ele percebe o quanto a mocinha é obstinada e não está disposta a aceitar qualquer miséria para calar sua boca. Ela tem motivos fortes para agir como age e pretende manter sua honra e dignidade.
Hugo, por sua vez, é um homem obediente e fiel ao seu empregador, mas também sabe ser justo com quem merece. Conforme os dois interagem e se conhecem cada vez mais, o Lobo de Clermont não consegue se livrar da mocinha por bem, muito menos por mal. Isso deixa o rapaz mais confuso a cada dia e é quase impossível tirar Serena de seus pensamentos.

 

“Isso era algo que Hugo teria que resolver, ao menos para não ter a vida da Srta. Barton pesando em sua consciência.”

 

 

A moça é inteligente, sagaz e disposta a enfrentar qualquer obstáculo que o Marshall lhe coloque. A química entre os dois é previsível e instantânea, porém crível. Gostei bastante do desenvolvimento deles e me via torcendo a cada página para que se entendessem logo.
No entanto, ambos têm feridas amargas do passado que os atormentam e impedem de enxergar algumas respostas diante de seus narizes. Apesar de dar certa emoção para a história, tudo isso poderia ter sido resolvido bem mais rápido se tivessem sido instruídos a manter uma comunicação sadia dentro de casa – coisa que nunca souberam que existia até se conhecerem.
Em casa, contudo, a jovem está muito preocupada, pois o que tem para se manter é muito pouco e não sabe se conseguirá outro cargo tão cedo, ainda mais se não tiver as referências do duque para lhe ajudar. Além disso, Freddy – sua irmã mais velha – só abre a boca para lhe criticar da pior forma.
Essas cenas me deram um misto de tristeza e raiva. Freddy é uma mulher reclusa e que tem medo do mundo. Contudo, vendo a forma como apontava o dedo para Serena em vez de lhe dar apoio (em especial quando o motivo de sua luta é revelado), me deu a sensação de que a mais velha tinha inveja da coragem da caçula, sempre disposta a enfrentar o mundo para ser ouvida.
Por conta disso, era impossível não revirar os olhos a cada vez que Freddy e suas farpas apareciam, além de desejar que a personagem sofresse combustão instantânea. Assim como tive vontade de abraçar Serena, dizer que estava tudo bem e que nada era culpa dela.
 
 
 

 

O Caso da Governanta | Courtney Millan
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
 
Aliás, devo dar os parabéns a Hugo, que agiu exatamente dessa forma e foi um perfeito cavalheiro. Homens como ele são raros no mundo, ainda mais na época em que o conto é ambientado. Então, guardo no coração cada ato de personagens decentes e que fazem a coisa certa, mesmo que a sociedade diga o contrário. No entanto, não é porque ele foi gentil uma vez que eu tenha que defender o cidadão o tempo todo.
Em alguns momentos eu queria era torcer o pescoço dele e mandar parar de ser um cretino, feito o seu empregador (outro cara nojento que, se sofresse combustão instantânea, deixaria o mundo mais leve e ninguém sentiria falta). Porém, essas atitudes o fizeram ser mais humano e próximo da realidade. 
Afinal, ninguém é 100% bonzinho o tempo todo e precisa errar para aprender suas lições da vida. Dessa forma, a obra acabou ganhando pontos positivos.
A escrita da autora é fluida e sem rodeios. Assim, me vi rendida à trama e ansiosa para que certas coisas se resolvessem logo, mesmo que já fosse nítido o rumo que tomariam. Com ‘O Caso da Governanta’, eu sorri, me diverti, fiquei nervosa e terminei aliviada, vendo que tudo acontece no tempo que deve acontecer, por mais que a gente queira tudo para ontem.
 
 

 

O Caso da Governanta | Courtney Millan
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Além disso, o que mais gosto de romances de época são as ambientações e os diálogos. Repletos de floreios e costumes do ano em que os personagens estão, acabo viajando no tempo e me vejo em meio aos vestidos chiques e brocados. O mesmo se aplica ao vocabulário, que também reflete o contexto da época e me mostra que não precisamos de tantas gírias ou palavrões para ofender uma pessoa (rsrsrs).
O desfecho é previsível, porém digno e crível. A autora amarrou as pontas de forma satisfatória e me convenceu. Gostei bastante desse primeiro contato com os trabalhos dela e já estou ansiosa para ler os livros oficiais da série ‘Os Excêntricos’.
Falando sobre o conto em si, a versão digital é bonita e bem diagramada. A capa é simples, mas condizente com o que iremos encontrar no decorrer das páginas. A revisão também está perfeita e a escrita fluida da escritora ajudou bastante.

Em resumo, se ainda não conhecem os escritos de Courtney Millan, ‘O Caso da Governanta’ é uma boa dica para dar uma chance a ela. Agora me contem, vocês gostam de romance de época? Qual sua autora favorita do gênero?

 
Texto revisado por Emerson Silva 
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Ghostwriter | Alessandra Torre

Li até a página 100 e… #51: Ghostwriter

Olá meu povo, como estamos? Uma de minhas leituras […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui