1 de novembro de 2022

O Lago Negro | Juliana Daglio

 Olá meu povo, como estamos? Estou muito feliz por ter conseguido cumprir boa parte da TBR de outubro. A resenha de hoje é de ‘O Lago Negro’, um romance “trevosíneo”, da autora nacional Juliana Daglio.

 

O Lago Negro | Juliana Daglio
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna
OBS.: Disponível no catálogo do Kindle Unlimited (até o momento da publicação)

56/24
Livro: O Lago Negro
Autora: Juliana Daglio
Editora: Increasy
Ano: 2021
Páginas: 352
Skoob | Compre na Amazon 
 
 

 

Verônica Cattani está escrevendo seu primeiro livro. Seguindo os passos de seu pai, o falecido Andréa Cattani, seu principal objetivo é dar vida a histórias reais em forma de fantasia. Mas, antes, ela precisa cair nas graças de Carlos Velásquez, o antigo mentor de Andréas e atual professor na Universidade de Lagoana, onde agora ela estuda.

Na tentativa de escrever seu enredo maluco e chamar atenção de Velásquez, a jovem não percebe estar acordando demônios antigos; espíritos malignos que viviam no fundo das águas de um lago escuro. Agora, realidade e fantasia se misturam. É impossível discernir quem são as pessoas reais e quem são seus personagens. Quem irá tirar Verônica das teias de sua própria loucura?

 

O Lago Negro | Juliana Daglio

 

Verônica e Enzo são calouros na UFI (Universidade Federal Interiorana). A emoção do casal é grande, pois além de darem mais um passo na vida profissional, estão prestes a caminhar no relacionamento quando iniciam a vida a dois.
   
Contudo, a alegria dá lugar à surpresa, ao se depararem com a aura peculiar de Lagoana. A cidade é pequena, onde todos se conhecem e mantêm costumes conservadores. Assim, é complicado lidar com a recepção nada agradável a diversos forasteiros, que chegam a cada semestre para estudar na universidade. 
   
A neblina e falta de sinal decente de celular dão um ar mais misterioso e sombrio ao município, como se estivessem prestes a entrar em um filme de terror. No entanto, para Verônica, talvez seja mesmo uma espécie de trama ameaçadora. Enquanto tenta escrever seu primeiro romance e seguir a mesma carreira do pai, o famoso autor Andréas Cattani, a jovem busca inspiração nos lugares mais inusitados. 
   
Porém, quanto mais escreve e se vê envolvida com seus personagens, esbarra em coincidências nada agradáveis sobre Lagoana. Aos poucos, o que seriam apenas lendas urbanas de uma cidade pequena e fonte de criação para um livro de fantasia, se mostra mais real. Realidade e devaneios se misturam e Verônica precisa saber até onde vão os limites de sua sanidade, antes que seja tarde.

 

 

“Somos aquilo que absorvemos do mundo.”

 

 

O que falar sobre esse livro? Simplesmente estou sem palavras para definir. Já seguia a Juliana Daglio nas redes sociais, porém nunca tinha me aventurado em seus trabalhos. Isso porque ela tem um estilo bem sombrio em sua escrita e eu, medrosa que sou, precisava me preparar espiritualmente (rsrsrs).
   
Ao montar a TBR de outubro, resolvi que leria alguns livros mais trevosos e pensei “por que não dar uma chance agora?”. Escolhi ‘O Lago Negro’ por me parecer o mais palatável e que me daria menos medo, por ter um suspense caminhando lado a lado com o terror psicológico. E posso dizer que foi uma experiência incrível.
   
Com uma narrativa em primeira pessoa, vemos os acontecimentos pelo ângulo da protagonista Verônica Cattani, mas também de Liam Velásquez, que cai de paraquedas na história e marca presença. A moça tem cicatrizes profundas do passado, o que a torna mentalmente quebrada. A única pessoa que lhe entende é Enzo, o rapaz com quem namora há oito anos. O relacionamento é especial e único para os dois, que estão prestes a dar mais um passo e terem seu “final feliz”, morando juntos e estudando na mesma universidade.

 

“Não era como escrever um livro ou inventar um enredo. Era como despertar uma história, de um profundo sono para a realidade.”

 

 

Mesmo com a receptividade nada simpática dos moradores de Lagoana, eles conseguem um apartamento dentro do campus e tudo está às mil maravilhas. Ou quase, pois a jovem está empacada com seu livro há meses e nunca consegue terminar, a fim de mostrar para Carlos Velásquez.
   
Tentando se equilibrar entre as atividades dos primeiros períodos de graduação, ela tenta buscar inspiração para completar a trama e vai parar num dos pontos mais hostis, o centro de Lagoana. O que dá certo e a obra se desenvolve muito rápido. Porém, não sem algumas peculiaridades bastante estranhas.
   
Conforme conhece mais sobre a história local, percebe coincidências impossíveis com sua criação. De modo especial, por serem praticamente lendas urbanas e mais fantasiosas que seu próprio livro. Contudo, são fatos difíceis de serem ignorados. A mente de Verônica fica cada dia mais focada em descobrir o que de fato assombra os moradores mais antigos da cidade.
 
 
O Lago Negro | Juliana Daglio
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Achei uma missão e tanto da autora ter uma protagonista que também escreve. Isso porque acompanhamos não apenas a trama central, que acontecia nos arredores da UFI, mas também o livro da personagem. Só tive uma experiência desse tipo e devo dizer que a Juliana merece meu respeito. Se escrever uma história já é complexo, imagine um livro dentro de outro livro?!

 

“[…], escritores falam de menos, são doidos demais e bebem café exageradamente.”

 

 

Além disso, vendo os fatos pelo ângulo de Verônica, pude ficar mais imersa no que se passava em sua mente perturbada, enquanto tentava lidar com as novas descobertas e sua própria loucura. Embora seja uma pessoa que já passou por muita coisa ruim nessa vida, não consegui simpatizar com ela de imediato.
   
A protagonista é uma mulher com problemas, mas também é bastante chata e eu tive ranço dela no começo. Em especial porque passa quase o tempo todo endeusando Enzo, como se ele ser seu namorado fosse um ato de heroísmo.
Junto a uma escrita mais lenta e densa, achei que iria abandonar a leitura logo no início. Porém, algumas particularidades da trama me deixaram tão curiosa que estava disposta a encarar a protagonista chata de galocha, para ficar a par da “fofoca” de Lagoana.
   
Aos poucos, entendemos como o casal se conheceu e o desenrolar do relacionamento, além do ponto de vista de quem está de fora. E, sinceramente, eu concordo com a opinião de muitas dessas pessoas. O rapaz é um príncipe encantado montado em um cavalo branco, mas apenas pela visão da namorada. Eu achei que era um acomodado e tremendo babaca desde o começo. Apenas reforcei minha ideia com o passar das páginas.
   
Embora Verônica fosse uma pessoa difícil de se lidar, até por conta de questões psiquiátricas, não era o suficiente para defender as ações de Enzo. No fim das contas, ela poderia ser dependente de medicamentos tarja preta, mas era ele quem precisava de umas sessões de terapia (e uns tapas bem dados na fuça, para aprender a agir feito um homem de verdade).
   
A única pessoa que de fato entendia Verônica e a respeitava como merecia era Carol, a veterana que a recebeu logo nos primeiros dias. Apesar de serem completamente diferentes no quesito personalidade (Carol é a mais animada e colorida, enquanto Verônica se esconde por baixo de roupas pretas e cara amarrada), a sintonia dessas duas é instantânea e gostei bastante de ver o desenvolvimento.

 

“Mas a vida me ensinou muitas coisas, e a principal delas é não julgar pelas aparências.”

 

 

A moça podia ser espevitada e alegre demais, mas também é esperta. Ou seja, sabe quando deve ter uma postura mais altiva, defendendo seus ideais. Ensinando, assim, diversas lições para a protagonista e até para o leitor. Aplaudi de pé diversas atitudes da personagem que, embora fosse secundária, brilhou no momento certo e marcou presença dignamente.
   
A leitura se tornou mais fluida conforme acompanhamos alguns capítulos do livro de Verônica. Aliás, diga-se de passagem, conseguem ser tão sombrios quanto a própria cidade. Talvez por isso ela tenha conseguido terminar de escrever tão rápido, pois a atmosfera nebulosa (literalmente) ajudou nessa missão.
   
Aos poucos, vamos vendo que ficção e realidade se misturam. Não apenas a mente de Verônica, mas a minha também bugou e eu não sabia mais separar as linhas de acontecimentos. No entanto, em momento algum isso foi ruim. Muito pelo contrário, estava mais imersa na leitura e precisava desatar esses nós junto da protagonista.
   
O mistério continua, conforme conhecemos o próprio Carlos Velásquez e a estranha amizade que mantinha com Andréas, pai da mocinha. O professor é um homem amargurado, como se carregasse o peso do mundo nas costas. E isso se reflete em sua personalidade, nada fácil de se conviver, por sinal. Entretanto, mesmo depois de descobrir o motivo de sua amargura e melancolia, continuei achando o personagem arrogante e superior demais. 
 
 

 

O Lago Negro | Juliana Daglio
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
O que, embora seja fiel à realidade de muitos corredores de universidade (e tenho conhecimento de causa), me deixou agoniada e com embrulho no estômago. Ver como ele tratava a aluna só me deu ranço. Minha vontade era abraçar Verônica e mandar Carlos sair com sua pose e ir pastar.
   
Não apenas o professor, mas também diversos outros personagens secundários parecem contar histórias desconexas e sem sentido sobre o passado. O que dá material suficiente para muitas teorias da conspiração e mexer com o psicológico de qualquer pessoa. Imagine para Verônica, que já possui tendências de criar suas próprias fantasias.
   
Assim, ela decide ir a fundo e investigar quem está falando a verdade no meio de tantas mentiras. E aqui, posso dizer que fiz as pazes com a protagonista. A jovem deu um show em muito detetive por aí e ganhou meu respeito.

 

“Todos devemos ter ao menos uma chance de encontrar nossas respostas.”

 

 

Junto a Liam, formam uma boa dupla e nada passa batido por eles. É incrível como um completa e equilibra o outro, de modo que não pareça forçado. Contudo, apesar de ter gostado da química dos dois, não posso passar pano para o cara que caiu de paraquedas e já quer ser o dono do terreiro.
   
Aliás, pensando mais a fundo, dá até para ver que realmente o rapaz é filho de Carlos. Incrível como ambos são parecidos em todos os sentidos e só fiquei com mais ranço da família Velásquez. Porém, lendo alguns fatos pelo ponto de vida do personagem, pude também ver o que se passava em sua cabeça e até entender suas atitudes. Mas ainda não posso dizer que o apoio totalmente. 
   
Ele é um rapaz de futuro, mas ainda precisa aprender muitas coisas sobre a vida. De modo especial, que o mundo não gira só em torno de seu umbigo. A trama teve começo, meio e fim desenvolvidos de modo digno. O mistério central me fisgou e eu terminei a leitura mais rápido do que o previsto. 
   
Mas não sem antes ter sido feita de trouxa. A autora conseguiu manter a aura de suspense tão bem, que me peguei criando diversas teorias da conspiração e sem saber o que era real ou delírio.

 

“Ah, o silêncio dos loucos é um trem desgovernado. O problema é quando a
luz vermelha de emergência é acionada…”

 

Todos os personagens, secundários e principais, tiveram um destino aceitável. Porém, ainda existem pontas soltas de propósito, deixando um gostinho do que virá no segundo volume.
   
Em relação ao livro em si, amo os trabalhos de diagramação da editora. A capa está maravilhosa e traz o elemento principal da história, todo em tons de roxo e dourado, que combinou de modo inesperado. A revisão também está de parabéns e gostei bastante da experiência. Resumindo, “O Lago Negro” foi meu primeiro contato com as obras da Juliana, que me conquistou e já quero ler os outros títulos dela. 

 

 Já leram algum livro da autora? O que acharam desse? Me contem aí!
 
Texto revisado por Emerson Silva

 

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Ghostwriter | Alessandra Torre

Li até a página 100 e… #51: Ghostwriter

Olá meu povo, como estamos? Uma de minhas leituras […]

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu trago a […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui