20 de abril de 2023

O Melhor Livro de Autoajuda do Mundo | Gabriel Paciornik

 Olá meu povo, como estamos? Hoje temos resenha de um livro bastante inusitado. Apesar do nome, acho mais fácil ele te deixar confuso e chorando de rir do que cumprindo o objetivo principal. Estou falando de ‘O Melhor Livro de Autoajuda do Mundo’, escrito pelo autor nacional Gabriel Paciornik.

 

O Melhor Livro de Autoajuda do Mundo | Gabriel Paciornik
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

Obs.: Livro cedido em parceria com o autor (Publicidade)

20/60
Livro: O Melhor Livro de Autoajuda do Mundo
Autor: Gabriel Paciornik
Editora: Labrador
Ano: 2018
Páginas: 270
Skoob Compre na Amazon
 
 
 

 

Geraldo tem um mau-humor crônico, selvagem, misantropo e hilariante. É certamente a última pessoa que você convidaria para escrever um livro de autoajuda. A menos que você seja um editor visionário como o Aloísio. Enquanto se esforça para se manter são durante a escrita, Geraldo luta contra a sabedoria de coachs quânticos, os lugares-comuns das sapienciais milenares, as ideias malucas de sucesso do seu amigo e editor, a inocência um tanto poética da sua quase namorada e seu íntimo instinto de autopreservação. Como um George Costanza sem Seinfeld, um Alex Portnoy sem religião, com muito sarcasmo e sem muito tato, Geraldo termina sua obra. E quando ficou claro que não era nada do que havia sido encomendado, não se importaria em lidar com o fracasso literário e comercial. Mas o que jamais lhe ocorreu foi que esse livro iria virar sua vida do avesso…

 

 
 
 

 

O Melhor Livro de Autoajuda do Mundo | Gabriel Paciornik

 

 
 
Geraldo Pereira é um mal-humorado profissional. Ele leva uma vida normal, atuando como revisor de trabalhos acadêmicos e colunista em uma revista digital de literatura.
O que ganha não é muito, mas pelo menos paga o aluguel de um apartamento modesto, no qual faz questão de viver isolado do mundo. Assim como também garante suas idas até o botequim do Edinilson para tomar seu café de origem duvidosa e o pão na chapa esquisito, onde aproveita para reclamar da vida e confirmar que é melhor continuar longe das pessoas.
Dono de uma personalidade peculiarmente sarcástica e de respostas diretas (diria até indesejáveis) demais, Geraldo não seria uma companhia que você escolheria em um primeiro momento. Muito menos o consideraria uma pessoa adequada para escrever um livro de autoajuda.
No entanto, Aloísio (editor da revista de literatura e “amigo da onça” de Geraldo) acha que o rapaz pode escrever qualquer coisa, só pelo fato de ser um bom colunista e ter pós-graduação. Não tem quem tire de sua cabeça que ficarão ricos, pois irão revolucionar o mundo e entrarão logo na lista dos best-sellers de autoajuda.
Afinal, basta escrever qualquer frase de impacto que todo mundo vai comprar os livros. E, por mais que tente fugir de todas as formas possíveis, sobra para Geraldo a missão de colocar no papel tudo o que ele sabe sobre ter sucesso na vida… ou não… dependendo de como você interpreta…

 

“A glória! Esse seria o nome do livro. Eu me sentia ao mesmo tempo exultante e estúpido. […] O Melhor Livro de Autoajuda do Mundo era, ao mesmo tempo, icônico e estúpido, vazio e completo.”

 

 

Olhando apenas o título desse livro, jamais passaria pela minha cabeça que encontraria de tudo, menos a famigerada autoajuda. Conheci a obra através do contato de um agente literário, que me convenceu quando li a sinopse. É uma proposta audaciosa e inusitada, para a qual decidi dar uma chance e não me arrependi.
A narrativa é em primeira pessoa e vemos os fatos unicamente pelo ângulo de Geraldo, nosso protagonista (ou grande vítima, se preferir assim, rsrs).Como primeiras impressões, percebi que é um homem introspectivo e que evita a todo custo contato com outras pessoas.
Contudo, isso não tem muito a ver com timidez, mas com impaciência para lidar com a sociedade. O que me lembrou personagens icônicos, como D. Anésia ou mesmo o Saraiva da ‘Zorra Total’ (sim, eu via esse quadro quando era criança e acabei de denunciar minha idade, rsrs).
E, confesso, ele me conquistou no primeiro parágrafo. Isso porque, logo no início, somos apresentados ao personagem e entendemos seus motivos de ser assim com as pessoas. 
Seu único momento de “lazer” é quando atravessa a rua para ir até o Edinilson, um boteco bem no estilo pé sujo, para tomar seu café de inspiração/calma/crise existencial (do qual ele descreve com tanta poesia a falta de higiene, que não sabia se ficava com nojo ou se ria. Ok, talvez um pouco de cada).
O trajeto do rapaz é tão previsível que todo mundo sabe onde lhe encontrar. Exatamente o que seu editor faz quando aparece com a “proposta irrecusável”. Aloísio, aliás, é aquele “amigo da onça”; está sempre por perto de Geraldo querendo ajudar, mas só o coloca em furada.
A ideia da vez é mudar o rumo da revista, a qual não está bem das pernas. O que seria louvável, não fosse pela forma quase inquisitiva com a qual Geraldo recebe a missão de ser “o salvador da lavoura”.  Eis que, segundo Aloísio, o livro que mais vende no momento é do gênero de autoajuda. Logo, nada melhor para alavancar os lucros do que escrever uma obra desse tipo.
 
 
 
O Melhor Livro de Autoajuda do Mundo | Gabriel Paciornik
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
 
 
O problema é que Geraldo nunca chegou nem perto de autoajuda. Para falar a verdade, acha até perda de tempo. Como que agora vai escrever um texto que nem ele acredita? Mas, vendo que não tem muito para onde fugir, especialmente depois da propaganda que seu amado (sqn) editor já fez por antecedência, acaba aceitando a missão, mesmo sabendo que pode dar tudo errado.

 

“Enfim, era a crise de homem branco hétero de barriga cheia. Me sentia péssimo.”

 

 

Assim, acompanhamos o processo de “pesquisa” e escrita do bendito livro. Bem como alguns personagens secundários inusitados, mas que deixam sua marca pelo caminho. Entre eles, temos Azazel, um diabinho na garrafa que mais atrapalha do que ajuda o protagonista. 
A criatura é, literalmente, um demônio. Então, não é um dos personagens mais bonitinhos que você vai encontrar. Aliás, Geraldo tem tantas formas de descrever “seu amigo”, que por muito pouco não tive pesadelos (rsrsrs).
Contudo, o monstrinho é um personagem inteligente (quando quer), astuto e até cativante. Assim, não me espantaria se ele tivesse seu próprio livro (rsrsrs). A dupla que se forma é, por sua vez, improvável e rende diversas cenas engraçadas. Geraldo não se conforma com a companhia maligna em sua casa, mas também não pode dar fim nela. Pelo menos, enquanto não terminar sua missão.
Com muito sarcasmo, humor ácido e uma pitada de realidade, vemos ‘O Melhor Livro de Autoajuda do Mundo’ sendo escrito e publicado de uma forma nada convencional. Em adição, os papos entre esses dois deram tantos tapas na cara da sociedade, que me fizeram ficar refletindo dias depois – o que muito me surpreendeu.
Ao mesmo tempo, o Gabriel tem uma escrita fluida e direta, tornando a experiência de leitura mais positiva. Me mantive imersa com muita facilidade e consegui visualizar todas as situações que Geraldo passava, especialmente quando a obra ganhou uma repercussão inesperada.

 

“[…] quando se trata de livros de autoajuda, a gente sabe como começa, mas nunca como vai terminar.”

 

O que rendeu cenas tragicômicas, ao mesmo tempo que abrem espaço para diversos debates. Em especial, pelo lado de sociologia e filosofia. 
 
 
 
O Melhor Livro de Autoajuda do Mundo | Gabriel Paciornik
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
O fato é que Geraldo apenas tentou escrever a verdade sobre o que via do mundo, com seu jeito D. Anésia de ser (além de dar espaço a uma bela crítica aos “coachs” super entendidos que vivem vendendo fórmulas mágicas para salvar a humanidade). Ele cutucou feridas e mostrou que as pessoas estão tão perdidas quanto seu próprio livro. Talvez por isso a obra seja tão ruim, que é boa.
O desfecho, como toda a trama, é sarcástico, crítico e crível (ou não). Finalizei a leitura com muitas risadas e reflexões, as quais precisei de dias antes de sentar e escrever a resenha. 
Mesmo assim, ainda não sei se tudo o que comentei aqui faz jus ao que encontrei no ‘Melhor Livro de Autoajuda do Mundo’. Mas posso dizer que gostei muito e recomendo que leiam e tirem suas próprias conclusões.
Falando sobre o livro em si, li em versão digital. Então, posso falar que a diagramação está bem feita, assim como a revisão. A fonte é legível e a capa bem simples e objetiva. 
 
 
 
 

 

Vocês já tinham lido um livro que te deixaram sem saber como opinar sobre depois? Já leram essa ou alguma outra obra do autor? Me contem nos comentários. 
 
 
 
Texto revisado por Emerson Silva

 

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu trago a […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui