1 de fevereiro de 2020

Onisciente

   Olá meu povo, como estamos? Vocês conhecem a série Onisciente? Ela é “brazuca”, estreou há pouquíssimo tempo no catálogo da Netflix e já chegou chegando.

Onisciente
Foto: Divulgação

Ficha técnica 

Série: Onisciente

País: Brasil

Ano:  2020

Temporada: 1 (em desenvolvimento)

Episódios: 6 (média de 45 min)

Gênero: Drama, Ficção científica

Em um futuro próximo, cada cidadão é seguido e monitorado por um pequeno drone e as taxas de criminalidade são mínimas. O Sistema Onisciente parece funcionar perfeitamente, até que uma jovem chamada Nina descobre um assassinato que não foi relatado por ele. A moça então inicia uma jornada em busca da verdade por trás dessa suposta negligência.

 

Onisciente
Foto: Divulgação

   Já pensaram em como seria nossas principais cidades no futuro? Ainda mais com tantas coisas que vemos nos jornais: crimes de assalto a mão armada, assassinatos, furtos, etc.? O que você me diria se tivesse uma cidade onde, literalmente, você não precisaria de trancas nas portas? E mais, que você poderia andar livremente nas ruas, sem ter medo de ser vítima de algum crime?
   Pensaram logo que essa cidade existe e que só pode ser fora do país, pois aqui no Brasil isso nunca poderia ter… Mas estão redondamente enganados. Em São Paulo, uma cidade virou modelo de “paz e tranquilidade”, ao sediar a empresa Onisciente. Ela conta com uma tecnologia de mini drones, capazes de te monitorar 24h por dia, saber mais da sua vida do que você mesmo(a), e te proteger de todos os perigos. Ao menos esse é o lema da empresa, pela qual a cidade gira em torno há anos. A tecnologia se tornou tão famosa, que se diz a prova de falhas, capaz de pegar TODOS os delitos, dos menores aos mais graves, e resolverem todos na hora, sem advogados, sem juri… Apenas um drone tão pequeno, do tamanho de uma libélula, basta.
   Essa ideia já tem alguns anos, então umas gerações de jovens e adultos cresceram nesse verdadeiro paraíso, cercados de toda segurança que existe, e passa a ser o sonho de muita gente trabalhar nessa empresa, que fez o que tantos líderes de Estado tentaram, mas nunca haviam conseguido.
  Uau! Isso é uma ideia genial! Quer dizer então que a cidade é um sonho, que todos querem morar lá? Afinal crimes não são mais temidos pela sociedade. E, caso algum venha a ocorrer, não precisamos nos preocupar, pois todos são pegos no flagra, não tem mais crime perfeito… Ao menos é o que a empresa quer que você pense.
  Nina é uma trainee na Onisciente, que sonha em ser programadora efetivada. Seu pai não poderia estar mais feliz, afinal ele mesmo era funcionário da manutenção de lá por tanto tempo… E eles são apenas mais uma família normal, vivendo suas vidinhas tranquilas e seguindo rotinas. Até que um assassinato acontece. Isso não seria problema, pois o sistema não falha nunca, então logo o culpado seria encontrado… E é aí que começamos nossa trama.

Onisciente

   A investigação é uma meleca, para começo de conversa. Desde que o sistema começou, os investigadores não tem nada para fazer, além de preencherem formulários ridículos e redundantes. Nina, a única testemunha, quer justiça para a vítima, mas tudo parece ir de mal a pior, quando todos lhe enrolam e tentam abafar o caso de todo jeito. Se era um assassinato, cadê o culpado? Quem foi? Mas tudo leva a crer que o cidadão morreu em casa, de causas naturais, quando você nem precisava ser um CSI para ver que não foi tão natural assim.
  Nina, esperta que só, começa a investigar por conta própria, em busca das provas de que o sistema pode ser falho sim. Mas a empresa tem muito a perder se assumir essa falha, afinal, são gerações de pessoas que acreditaram que o sistema traria segurança, e uma falha dessas seria imperdoável, ainda mais agora que estão para expandir os negócios.

Onisciente
Foto: Divulgação

  A vítima era uma pessoa que, aparentemente, tinha uma vida simples e sem inimigos. Mas o que elx fez para ser assassinadx, ainda mais dessa forma covarde? E se o sistema é tão bom assim, porque o(a) assassinx não foi identificadx? São perguntas que alimentam a mente de Nina, que não vai descansar até descobrir os segredos de uma empresa tão forte e tão misteriosa.
   Eu descobri essa série na segunda feira, muito por acaso. Pelo poster, eu vi que tinha algo de scifi, mas em momento algum pensei que fosse brasileira. Pense na minha surpresa quando, ao início do primeiro episódio, dou de cara com um elenco brasileiro? Alguns atores são novinhos, outros já são um mais conhecidos de novelas globais, mas atuam de forma impecável.
   Essa série é dos mesmos criadores de 3%, uma série incrível e que deixou muitas internacionais no chinelo. Mas quer uma melhor ainda? Então assistam Onisciente. Mesmo se não curtem scifi, não se preocupem, essa série tem muito drama e suspense no meio, então você não vai nem se incomodar… Além disso, ela é classificada assim, mas sinceramente, eu classificaria mais como suspense mesmo.
  Onisciente se passa num futuro próximo, e achei sensacional que, assim como em 3%, os criadores não se preocuparam em colocar coisas que iam além da tecnologia disponível. Então pessoas andam de bicicleta, trem, carro… Mas tudo com ideias mais sustentáveis, então bicicletas são o meio mais comum de transporte.

Leia também: 3%

   Assim como coleta seletiva é obrigatória; caso você coloque uma latinha na lixeira errada, é notificado na hora de infração leve, e deve se apresentar no tribunal, que nada mais é que um salão vazio, com apenas um cara que lê os seus direitos e te dá uma multa… ou manda para a cela por uns meses. Achei sensacional essa ideia (não a de cumprir pena) que um futuro próximo poderia ser bem parecido com o nosso presente, sendo mais sustentável, em vez de apelar para carros voadores e teletransporte. Ganharam mais uns pontinhos! 😍

Onisciente
Foto: Divulgação

   O que teríamos de mais moderninho aqui são anúncios sem papel, coisa que já temos em algumas cidades, que adotaram aqueles outdoors digitais. Os celulares são iguais para todos, sem graça, sem capinha colorida… Apenas um retângulo que te permite fazer tudo: redes sociais, acesso a conta bancária, alarme para acordar… nada diferente do que temos hoje também, a não ser pelo formatinho mesmo… 
   Voltando a falar da trama, a ideia de futuro alternativo é semelhante a de 3%. Mas enquanto 3% traz uma ideia mais apocalíptica e distópica, Onisciente traz uma versão brasileira de Black Mirror. Apesar de ser bem parecida, com relação a ambientação, ela não tem episódios independentes; pelo contrário, são continuados e você tem que se ligar nos detalhes, que são bem intrincados e vão te explicar bastante coisa no final da temporada.
  E já adianto, vai ficar de queixo caído para algumas coisas, embora outras eu meio que já matei a charada logo de cara. Talvez a comparação com Black Mirror seja exatamente a ideia de ter uma câmera te seguindo e registrando tudo o que você faz, desde que era um bebê, até quando morre. É uma sensação de viver num eterno BBB, ou numa casa de vidro, onde todos sabem o que você faz, até nos seus momentos mais íntimos.

Onisciente
Foto: Divulgação

  Mesmo que a empresa diga que nenhuma pessoa pode ter acesso a essas filmagens, mesmo que sejam de coisas ilícitas, você se sentiria confortável sabendo que a qualquer momento que você quisesse dar um xilique que fosse, ia receber uma mensagem dizendo que cometeu infração leve ou pior? E quem te garante que não tem alguém ali te observando o tempo todo? Apesar disso não mexer com a cabeça das pessoas que nasceram e se criaram dentro da cidade, é o que muitas pessoas de fora se questionam. Sim, enquanto a cidade da empresa se mantém próspera e com índice de criminalidade quase nulo, as cidades em volta continuam largadas, quem sabe até mais perigosas. Os cidadãos da cidade modelo vivem numa bolha, e morrem de medo de sair de suas ostrinhas, pois foram criados para serem vigiados. Enquanto isso, os reles mortais de fora continuam tendo que sobreviver de migalhas e se trancando atrás de grades e câmeras de segurança, mas não aceitam serem filmados 24h por dia e perderem sua privacidade.
  E fica o questionamento: o que você ia preferir, uma vida constantemente monitorada, onde todos sabem de seus passos, ou uma vida de privacidade, e continuar com medo? Até que ponto precisamos chegar para ter a tão sonhada paz? 
   Conforme Nina vai adentrando nos detalhes do assassinato, investigando por conta própria, a gente percebe que alguns personagens tem segredos, e segredos fortes. A própria Nina, apesar de ser a heroína da série, não é uma mocinha, típica princesa de contos de fadas. Ela faz bastante coisa que me deixaram com raiva, pois para ela, fica bem claro que o fim justifica os meios. Só achei ela muito boba para muita coisa, me deu nervoso ver uma menina tão inteligente fazer algumas burrices, mas como dizem, errar é humano, né? Mas confesso que fiquei na dúvida se torcia por ela, ou se entrava na série e dava uns tapas na cara dessa garota pra ela acordar mais pra vida. E, ao longo dos acontecimentos, vemos que tem muita gente que acha que vale tudo pelo poder. 
   Se a primeira temporada já começou assim, estou curiosa para saber o que termos na segunda parte dessa saga. Super recomendo a série. Ela tem em média 45 minutos por episódio, mas as coisas acontecem tão rápido, que você termina a temporada quando menos espera (rsrsrs).
   Vocês já viram essa série? O que acharam? Tem alguma série que vocês se surpreenderam também?

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui