6 de maio de 2023

Pesadelo Real | Giannicola Nicoletti

Olá meu povo, como estamos? Hoje temos a resenha de ‘Pesadelo Real’, um livro de terror europeu, escrito por Giannicola Nicoletti.

 

Pesadelo Real | Giannicola Nicoletti
Foto: Hanna de Paiva/Mundinho da Hanna

 

Obs.: Livro lido em parceria com o autor (Publicidade)

ALERTA: Este livro contém possíveis gatilhos para temas sensíveis, como
estupro, violência extrema, violência contra menores e animais

23/60
Livro: Pesadelo Real
Autor: Giannicola Nicoletti
Tradução: Rieri Frugieri
Editora: Independente/Amazon
Ano: 2022
Páginas: 135
Skoob | Compre na Amazon 

 

Você já iniciou um dia como qualquer outro e depois se viu dentro de um pesadelo? É isto que acontece com uma família que parte para as férias e são sugados para um vórtice de terror.

Cada membro terá que lutar para sair dele, se agarrando na menor fagulha de esperança. Os eventos são narrados em primeira pessoa por alguns dos protagonistas que, no decorrer da história, descreverão suas ansiedades, seus ânimos, sentimento de culpa e transmitirão sensações perturbadoras nos leitores que acompanharão esta aventura.

 

Pesadelo Real | Giannicola Nicoletti

 

A família de Kevin está se preparando para passar uns dias nas montanhas. Embora uns estejam mais animados que os outros, todos partem rumo a uma aventura que renderá fotos bonitas e boas histórias para contar depois.
No entanto, um acidente envolvendo o cachorro do pequeno Jack interrompe os planos. A hora é avançada e o único hospital veterinário aberto fica num lugar bem ermo e sem sinal de celular. No entanto, eles conseguem encontrar o prédio e são atendidos prontamente.
Mas o pagamento por essa parada pode ser bem mais caro do que se pensa. E talvez fosse melhor não terem parado.

Embora o terror seja o gênero pelo qual eu me tornei leitora, não tenho colocado muito em minhas escolhas nos últimos tempos. Então, foi uma surpresa ter recebido o convite do autor para conhecer sua obra. 

A proposta era interessante, principalmente por ser ambientada na Europa e trazer elementos
que não me são tão comuns
. Assim, aceitei o desafio e fiz a leitura.
A trama é narrada em primeira pessoa, cada capítulo pelo ponto de vista de um membro da família — ou quase todos, pois Jack é o único que não tem muita fala. Kevin vive com sua tia Hellen e os primos (a jovem Heidi e o menino Jack). Eles estão para sair em viagem rumo às montanhas, com direito a
acampamento e um trailer
(típico de filmes estrangeiros).
No entanto, um acidente de percurso acaba tirando eles do caminho (motivo esse que, aliás, me deu vontade de dar um tabefe no Kevin. Onde já se viu fazer o que ele queria, em pleno movimento na estrada?!). E a vítima é Dug, um lindo cachorro com porte de lobo, o qual precisa de socorro médico com urgência.
Porém, a família está no meio de uma rodovia, em plena madrugada e quase não tem movimento. O posto de gasolina mais próximo fica a quilômetros de distância, o que não ajuda muito, pois o tanque está quase vazio. Felizmente (ou não), eles encontram uma pessoa na hora, que dá a informação sobre um hospital veterinário perto de onde pararam. A informação estava correta e não demora muito até que tia Hellen encontre o local, onde são atendidos de imediato por um homem charmoso e simpático. Enquanto o cão vai para a cirurgia, a família espera ansiosa do lado de fora. Mas não tem muito o que fazer, já que quase não tem combustível e o sinal de celular é inexistente por ali.
 
 
 
 

 

Pesadelo Real | Giannicola Nicoletti
Foto: Hanna de Paiva/Mundinho da Hanna

 

 
 
E, quando não se tem o que fazer, qualquer coisa serve. Logo os meninos começam a explorar a área para tentar se distrair. A mãe, por sua vez, tenta manter a sanidade com tantas preocupações e a adolescente só quer encontrar logo uma torre de celular para ter contato com a civilização de novo.
São os elementos próprios de filme/livro de terror clássico, que já deixam mais ou menos claro o que os personagens irão passar. O elenco é relativamente pequeno e difícil de esquecer. E, conforme vamos conhecendo os cenários, outras pessoas surgem para deixar a história mais impactante e sombria.
A começar pelo Sam. Ele é médico veterinário e atende Hellen com cordialidade e muito charme.  Contudo, por trás de tudo isso se esconde um babaca, psicopata e sádico. Quando vi o que ele era capaz de fazer, confesso que fiquei com medo e agonia. Ao mesmo tempo, passei muita raiva com as besteiras da moça bancando a corajosa.
Dessa forma, ler o que aconteceu com ela foi demais para mim. Precisei respirar muito fundo diversas vezes e até pulei páginas, pois não aguentei ler em detalhes o que sofria. 
Embora não seja o foco do livro, acho que me senti mais assim por saber que, infelizmente, é isso que acontece com diversas mulheres mundo afora. Só elas sabem a dor que carregam pelo resto da vida se sobreviverem para contar.

 

“Mas ficou imediatamente claro para mim que parar neste lugar seria a pior coisa que poderia nos acontecer.”

 

 Voltando ao livro, parece que está na genética da família fazer besteiras e ignorar o óbvio. Isso porque todos tiveram suas chances de resolver o caso, mas perderam por deslizes bobos. Sim, entendo que é um livro de terror e se espera que tenha alguém para se enrolar cada vez mais.

Entretanto, isso não me impediu de querer entrar logo no livro para dar umas sacudidas nesse povo e resolver eu mesma a situação, não entrando na conversa de estranhos, para começar. Mas já que entraram, era só tacar fogo em tudo e sair correndo!

Durante a leitura toda eu fiquei nesse misto de raiva por ninguém enxergar as respostas na cara deles, ao mesmo tempo que me sentia agoniada e com medo do que as pessoas são capazes de fazer. A humanidade é má por natureza e só precisa do “incentivo certo” para deixar aflorar.
Quando isso acontece, é um caminho sem volta. Lendo um pouco do passado das pessoas que viviam naquele local ermo, me vi diante de pessoas que cresceram achando que o mundo é só aquilo e pronto. 
Não tem um outro lado da moeda. Isso me deu medo também e certa pena, confesso. Mas nem por isso eu perdi a vontade de ver todos eles queimando lentamente até o último fio de cabelo.

 

“Não sei, mas havia algo que eu não gostava na maneira como ele falava conosco, com aquele sorriso falso em seus lábios.”

 

 

Sim, ando bem vingativa nesses últimos tempos. Talvez por ler muito suspense, um atrás do outro e vendo como as pessoas são capazes de qualquer coisa para se divertir, mesmo que custe o sofrimento de outro.
O que não foi diferente com ‘Pesadelo Real’ que, aliás, tem um nome bem direto e reto. É exatamente isso o que encontramos nessa obra e não é qualquer estômago que aguenta chegar até a última página, embora tenha menos de 150 páginas.
 
 
 
 
Pesadelo Real | Giannicola Nicoletti
Foto: Hanna de Paiva/Mundinho da Hanna

 

 
 
 
Além disso, apesar de ser curtinho, precisei ler bem devagar. Isso porque a narrativa é ao mesmo tempo fluida e rica em detalhes, o que me lembrou muito as obras de Edgar Allan Poe e o filme ‘Corra’. Assim, não se espantem se visualizarem cenas com todo requinte de violência e que te deixem em dúvida constante do que é ou não real.
O final, assim como toda a trama, é repleto de dor, sofrimento e nó no estômago. Terminei ele lendo em público, para evitar ficar muito imersa e ter dificuldade de dormir depois.
Falando sobre o livro em si, eu li em versão digital. A diagramação é simples, porém condizente com uma história de terror, assim como a capa. No entanto, senti falta de uma revisão de língua portuguesa ao longo da leitura, pois tive dificuldade em algumas cenas e precisei reler para entender o que se passava.
 
 
 

 

Pesadelo Real | Giannicola Nicoletti
Foto: Hanna de Paiva/Mundinho da Hanna

 

 
Em especial com relação a alguns elementos que ficaram fora de contexto e me chamaram atenção, porém nada que tenha atrapalhado a experiência de leitura. Outra coisa que me incomodou um pouco é que, pelo fato de os capítulos serem narrados pelo ponto de vista de cada personagem, eu só percebi quem era o narrador da vez por conta do cenário, após alguns parágrafos. Se tivesse uma identificação no início de cada capítulo, resolvia essa sensação.
Por conta disso, não levará a nota máxima. Mas ainda assim é uma boa pedida para aqueles de estômago forte e que não tem medo do escuro depois de encarar o desfecho da família de Kevin.

 

Vocês já tinham lido esse livro ou algum outro do autor? Curtem tramas mais assustadoras? Me contem nos comentários.
Texto revisado por Emerson Silva
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Livros para ler no mês do orgulho LGBTQUIA+

Livros para Ler no Mês do Orgulho LGBTQUIA+

Olá meu povo, como estamos? O mês de junho […]

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui