12 de agosto de 2020

Postagem extra: O último dia antes do fim do mundo | Org. Lycia Barros

    Olá meu povo, como estamos? Hoje temos postagem extra aqui no Mundinho, com minha participação de agosto do projeto literário #12livrospara2020, em parceria com as meninas do MãeLiteratura e Pacote Literário

  Para quem está chegando aqui agora, a ideia do projeto é desencalhar os livros físicos que estão na estante, lendo, ao menos, um título por mês. Assim, o livro escolhido para o mês de agosto é um nacional, que ganhei ano passado num sorteio, com direito ao autógrafo do autor Fábio Abreu, e estava bem curiosa para ler: O último dia antes do fim do mundo

O último dia antes do fim do mundo | Lycia Barros
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna


26/12

Livro: O último dia antes do fim do mundo

Organização: Lycia Barros

Editora: Ases da Literatura 

Páginas: 315

Ano: 2012

Skoob 


Vinte visões sobre o último dia antes do fim do mundo. Uma antologia emocionante e surpreendente, que vai fazer você refletir sobre os piores medos, angústias e valores do ser humano. Contos surpreendentes da primeira à última linha que vão abalar suas estruturas, e talvez mudar seus conceitos sobre este suposto cataclismo.

O último dia antes do fim do mundo | Lycia Barros

   O fim do mundo é tema de várias teorias da conspiração, superstições, está também descrito em vários livros religiosos e até quem é mais ligado(a) em evidências científicas, sabe que um dia a espécie humana vai ser extinta, assim como o planeta como conhecemos terá o seu fim, daqui a bilhões de anos. 

 Mas… o que você faria se alguma das previsões que tivemos notícia nos jornais, anunciando o fim do mundo, realmente acontecesse agora? 

 O que você faria se soubesse que hoje é, literalmente, seu último dia de vida no mundo… seu e de todos que te cercam? 

 Apesar de ser um tema que procuramos não pensar, alguns autores aceitaram a missão e deram sua visão de fim do mundo, que geraram o livro de contos O último dia antes do fim do mundo, de organização de Lycia Barros. 

 Conheci esse livro através de um dos autores dele, o Fábio Abreu, que contava sua história de estreia como escritor no livro ‘O último dia antes do fim do mundo’; contando como só ele conseguiu ter dois contos, um iniciando e outro encerrando o livro. 

 Fiquei tão curiosa, que queria o livro e torcia para ser sorteada no final do evento. O que de fato aconteceu e eu tive a honra de ter esse livro autografado por ele, que tinha já a propaganda do “leia primeiro o começo do livro, depois o final, e só depois leia o meio do livro”. 


 

 Apesar de curiosa, o livro acabou ficando parado aqui na estante e, só esse ano, através do projeto literário do 12 livros para 2020, resolvi que já era hora de ler o exemplar… E segui a risca o conselho do Fábio… (rsrsrs)

 Apesar de serem de um tema em comum, o fim do mundo, são contos independentes, então ficou super tranquilo fazer a leitura do começo, do final e depois do meio. 

 O que também foi visto nos contos do Fábio, ‘Solaria alfa’ e ‘Solaria ômega’, alguns dos que mais me chamaram atenção, por puxar para o lado de fantasia, com toques de scifi

  Logo que comecei a ler, me lembrei automaticamente do filme 2012, mas depois ele tomou outro rumo, mais para o lado da fantasia, o que deu um toque de mais personalidade e um final espetacular, tanto para o conto, quanto para o livro. 

 Além dos contos do Fábio, a maioria dos contos teve final fechado, enquanto uns poucos tiveram final mais aberto, abordando a teoria do calendário maia, resgatando a profecia de Nostradamus, lá para os idos de 1999/2000, além de outros com temas aleatórios, mas que também acabaram chegando no fim do mundo. 

  E a criatividade rolou solta, então tivemos fim do mundo com direito a naves espaciais invadindo o planeta, como em ‘Lírios para Antonieta’ e ‘No fim a verdade sempre vem à tona’, por exemplo. Aqui, os contos foram bem puxados para o scifi, mas abordagens bem diferentes. 

  Enquanto um foi mais dramático e até emocionante no final, o outro era mais do estilo “tiro, porrada e bomba”, mas também com um final surpreendente, parecendo até cena de filme. 

 Tivemos também contos que abordavam apenas a ideia do fim do mundo, mas sem uma catástrofe mundial. Acho que esses foram os que mais me chamaram atenção na realidade. 

 Eles me conquistaram mais porque mostraram que, para o fim do mundo, não precisamos de meteoros, profecias maias, nem de naves espaciais… Às vezes, nós mesmos causamos o nosso fim do mundo. 

 Acho que esses foram o maior choque de realidade, envoltos em magia e ficção dos outros contos alternados. 

 São contos diferentes, escritos por pessoas que iniciaram suas carreiras com esse livro. Assim, temos abordagens diferentes, escritas diferentes, mas não consigo ter um conto preferido, pois todos mexeram comigo de uma forma distinta. 

 Os que mais me deixaram mexida foram ‘Tempestade de dezembro’, que me deixou muito angustiada com a menininha Júlia. 


O último dia antes do fim do mundo | Lycia Barros
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna


 O conto foi tão envolvente que, ao terminar, eu fiquei com esse conto na cabeça vários dias, pensando em quantas outras pessoas poderiam passar pelo mesmo na vida real. 

Outro que mexeu muito comigo foi ‘O fim do mundo de Ava’, que conta a história de duas irmãs, Ava e Nana, que viviam numa colônia pertencente a uma seita, que levava o fim do mundo muito a sério. 

 A gente nunca pensa muito nessas coisas no dia-a-dia, mas lendo esse conto, fiquei pensando em tantas seitas que mexem com a mente das pessoas de uma foram que elas se transformam completamente, de um jeito ruim. Eu torcia tanto por elas, que no final quase rolaram lágrimas de emoção. 

 ‘Cinza’ e ‘O último dia’, tem propostas diferentes, mas são “mais próximos do mundo real” também, que me deixaram sem ar. 

O último dia antes do fim do mundo | Lycia Barros
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

 Acho que vou parar por aqui de falar sobre os contos, senão acabo falando de todos e a ideia não é essa aqui. 

 Mas quero dizer que esse livro mexeu muito comigo, de várias formas diferentes. Talvez por isso, mesmo sendo um livro de escritas fluidas e contos relativamente curtos, não consegui ler mais rápido como faria normalmente. 

 Tive que digerir em pequenas doses, com muito cuidado e até relendo algumas partes, para garantir que não deixaria nenhum pedacinho de fora da minha mente. 

 Falando sobre o livro em si, ele é impresso em papel amarelado, tem uma revisão bem feita e achei legal que tem ilustrações no começo de cada conto, com os protagonistas da vez, além de um quote do conto que iremos ler, no começo de cada texto. 

O último dia antes do fim do mundo | Lycia Barros
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna


O livro tem capa comum, impressa em cor preta e letras amareladas, com uma figura que remete mesmo ao seu tempo de vida do planeta, escorrendo por uma ampulheta, para virar cinzas. O que foi super bem bolado para um tema cataclísmico como esse.


O último dia antes do fim do mundo | Lycia Barros
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

 Somando tudo isso, dou nota máxima ao livro e recomendo a leitura. 



 Continuando nosso projeto de leitura, esse é o nosso resultado atual: 

12 livros para 2020


  Vocês já tinham lido esse livro? Gostam de antologias? Me contem aí! 😉

 

 

  

     

   

 

   

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui