3 de setembro de 2017

Projeto 52 Semanas: 35/52

   Olá meu povo, como estamos? Hoje, no Projeto 52 Semanas, temos uma postagem sobre Contos de Fadas. Vem ver! 😉


Contos de fadas

Foto: Creative Commons


   Bom, apesar de todas as gerações do século XX e XXI terem crescido e muitas hoje ainda assistem/leem sobre contos de fadas, elas NUNCA foram feitas para crianças (pelo menos as dos irmãos Grimm)! Isso mesmo, os contos de fadas serviam na realidade para ensinar aos adultos como educarem seus filhos… 




   Pois é… E se você está pensando “Ok ok Hanna… mas pelo menos os finais são felizes… né?” Sinto lhe informar… mas… não! Nem todos os finais são felizes, nem todos terminam se casando porque encontraram o amor verdadeiro e não, não deseje ser igual as Princesas Disney… Pois nenhuma delas termina bem… 😕 (E antes que briguem comigo por ter dado spoiler… não é spoiler, pois os livros com os contos originais são vendidos até hoje em livrarias comuns… inclusive eu tenho, 😎).
  Diante disso… Lá vamos nós… O tema original era falar sobre o meu conto de fadas favorito… E pretendo fazer isso, pois, apesar de saber como esses contos terminam nas versões originais, eu vi sim e cresci embalada pela versão açucarada desse conto…
   Antes de mais nada, não estou aqui para quebrar o sonho de princesa de ninguém, muito menos para acabar com a graça do meu conto de fadas favorito, até mesmo porque ele não deixou de ser, só porque agora sei como o autor pensou originalmente nele… 
  Mas decidi mostrar a vocês ao menos uma versão resumida do que seria a versão original de A Pequena Sereia.  

A Pequena Sereia

Foto: Creative Commons


   De acordo com a versão Disney:

“A sereia Ariel se apaixona pelo humano Eric, e o resgata após um acidente. Ela se apaixona, e para ficar perto do amado, aceita trocar a sua voz por um par de pernas. O desafio é conquistar um beijo verdadeiro em três dias, ou ela volta a ser sereia. A vilã Ursula trapaceia, finge ser Ariel e dificulta a tarefa. Ariel volta a ser sereia, mas com a ajuda do pai, torna-se humana e se casa com o príncipe.” [FONTE]



   No entanto, ao escrever o conto, Hans Christian Andersen pensou nele de uma forma um tanto diferente… e macabro… 😕
   Para começo de conversa, Ariel faz um pacto para ganhar pernas e precisa sim de um beijo de amor verdadeiro, mas em vez de ficar “apenas sem voz”, sua língua é cortada!  😞 E ela tem sim três dias para quebrar o feitiço, do contrário ela MORRE… Não sofrendo o bastante por ficar sem a língua e ter contagem regressiva para morrer, Ariel sofre bastante em terra, já que andar com duas pernas seria o mesmo que andar em cacos de vidro (imagina a dor que ela sentia, coitadinha!)… No entanto, ela não consegue o beijo de amor verdadeiro, já que o príncipe Eric acaba se casando com outra moça… Ariel, então desiludida, quer voltar para o fundo do mar, mas para isso precisa matar o príncipe e deixar que seu sangue escorra pelo pés dela… Mas como Ariel está apaixonada e não quer matar seu grande amor, ela se joga no mar assim mesmo e morre… ou melhor, sereia não morre, vira espuma…


A Pequena Sereia original

Foto: Creative Commons


  Viram? A princesa ruiva que todos amam, que é curiosa e vive com seus amigos Linguado e Sebastião por aí, não termina nada bem, e ainda sofre por amor… 😕 E nem todas as outras versões que vieram depois melhoraram muita coisa… até que Disney resolveu lhe dar um “Final Feliz”… 
  Se ela A Pequena Sereia vai deixar de ser meu conto de fadas favorito? Não. Se fico triste pelo desfecho original de Ariel? Sim, e muito! Mas apenas na versão da Disney as princesas clássicas terminam bem, apesar dos pesares… feitiços, bruxas, maldições… nada é maior que o “beijo de amor verdadeiro”… Nas versões originais as princesas são capazes de tudo para conseguir um “príncipe encantado”… 
 Eu sei… eu sei… As últimas princesas que a Disney vem lançando estão mais independentes e não querem tanto um príncipe para lhe salvar; muito pelo contrário, elas querem ser independentes e buscam amor próprio…  Mas as de antigamente são bem mais malvadas, capazes de passar por cima de qualquer coisa para atingir seus objetivos… 
  Se eu quero que parem de gostar de contos de fadas? Não. Quero apenas mostrar que nem tudo que parece realmente é um “final feliz”…
  E essa foi minha postagem de hoje. Não deixem de passar no Prateleiras da Fê para conferir o que ela aprontou para o tema. Vocês já tinham lido os contos de fadas originais? O que acham deles? Me contem aí! 😉
   Até mais!




Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui