1 de fevereiro de 2022

Quando ninguém está olhando | Alyssa Cole

Olá meu povo, como estamos? Hoje trago a resenha de ‘Quando ninguém está olhando’, um thriller psicológico, escrito pela autora premiada Alyssa Cole.

 

 
Quando ninguém está olhando | Alyssa Cole
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 

4/24
 
Livro: Quando ninguém está olhando 
 
Autora: Alyssa Cole 
 
Editora: Intrínseca 
 
Ano: 2021
 
Páginas: 400
 
Skoob | Amazon 
 
 
 

 

 

 

Sydney Green nasceu e foi criada no Brooklyn, em Nova York, mas cada vez que ela pisca os olhos seu amado bairro parece mudar. Condomínios se espalham como erva daninha, placas de “vende-se” surgem da noite para o dia e os vizinhos que ela conheceu a vida toda estão sumindo. Para manter de pé tanto o passado quanto o presente da comunidade, Sydney decide canalizar sua frustração planejando um passeio guiado em que pretende contar a verdadeira história do local. Só que, para tornar o projeto realidade, vai precisar aturar seu novo vizinho, Theo, como assistente. A pesquisa dos dois, entretanto, logo se transforma. O que era apenas uma distração vira uma história de paranoia e medo. No fim das contas, talvez os vizinhos não tenham se mudado para outros bairros e a revitalização do lugar seja mais mortal do que eles imaginaram. Seriam apenas coincidências ou sinais de uma grande conspiração? Sydney pode confiar em Theo, ou ela também corre o risco de desaparecer? ‘Quando ninguém está olhando’ nos conduz por um enredo hipnotizante e surpreendente, que aborda com perspicácia a violência racial e as assimetrias sociais, em uma sequência de eventos instigantes que aos poucos dão forma a um cenário de completo horror.

 

 Sidney Green morou a vida toda em Gifford Place. No entanto, o local que deveria guardar as lembranças mais nostálgicas está com os dias contados. Depois do anúncio da chegada da VerenTech, uma farmacêutica de alta tecnologia, o bairro valorizou e seus velhos vizinhos estão se mudando da noite para o dia.
A moça está cada vez mais solitária, principalmente quando conhece os novos vizinhos, pessoas para lá de esquisitas. Como uma válvula de escape, ela decide criar um passeio sobre a verdadeira história do bairro, aparentemente esquecida.
Porém, o que parecia ser apenas um programa turístico inocente esbarra em segredos que todo teórico da conspiração iria pirar. Junto a Theo, o único dos novos vizinhos em quem confia, Sidney e os poucos amigos ainda residentes no bairro vão ver que a mente pode ser nossa pior inimiga… ou melhor amiga, dependendo de como você interpreta.
“Do outro lado da rua, televisões piscam em várias janelas, como um tabuleiro de luzes azuis, e, a distancia, ecoa uma sirene de polícia.”
‘Quando ninguém está olhando’ é um lançamento do segundo semestre de 2021. Apesar de ser um gênero confortável para mim, esse livro não estaria no meu radar se não fosse o clube Lendo com os Morcegos.
Chegando de paraquedas, tanto no livro, quanto nas obras da autora, não sabia o que esperar. Vi algumas opiniões bem conflitantes no Skoob e fiquei desconfiada. Mas como desafio dado é desafio cumprido, li até o final.
A trama é narrada em primeira pessoa, ora contada pela visão de Sidney, ora pela de Theo. Ela sofre por ver todas as suas recordações se perderem em nome do progresso. E as coisas só pioram quando se dá conta de que logo será a única negra morando lá, pois todos os novos moradores da comunidade são exclusivamente brancos.
Vendo como a história dos negros está sendo apagada da memória, até dos antigos moradores que ainda vivem por lá, Sidney decide criar um passeio temático pelo bairro, contando a verdadeira história do povo fundador.
Mas sozinha ela não pode fazer muita coisa. A única pessoa que parece estar disposta a lhe ajudar nas pesquisas é Theo, um dos novos vizinhos brancos, instalado há poucos meses na casa da frente.O rapaz é o típico branco privilegiado. Vive com a namorada Kim, uma loira belíssima e de olhos claros, e são o modelo perfeito de comercial de margarina.
 
 

“Eu já me envolvi em coisas bizarras, mas isso aqui está um pouco além.”

 
 
Sidney demora um pouco para ceder à proposta de ajuda do vizinho, mas juntos acabam fazendo um ótimo trabalho histórico. O problema é que as pesquisas levam a fatos inesperados, obscuros e assustadores até demais para ser verdade.
E essa dúvida constante sobre o que era delírio ou não prometia um suspense de tirar o fôlego, mas só recebi um romance bem lento mesmo. Isso não seria ruim, se tivessem vendido o livro com o que ele realmente entrega.
A parte das pesquisas é bem interessante, pois leva a fatos históricos curiosos sobre o país. Isso rende muitos momentos de reflexão sobre a segregação racial e o quanto nada mudou com o passar dos anos.
Mas boa parte do livro parece um disco arranhado, onde os protagonistas sofrem por um passado que teriam superado, se tivessem um pouco de amor próprio e feito sessões de terapia. O clima de “meu mundo caiu” é tão presente, que só deixou o livro mais denso e lento sem necessidade. Teria perdoado se as informações realmente tivessem algo a ver com a trama. Mas pareciam nitidamente estarem ali para encher linguiça, o que me decepcionou logo de cara.
Quando ninguém está olhando | Alyssa Cole
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

Os personagens poderiam ter seus fantasmas, a questão nem era essa. Porém, se fossem resumidos a menos páginas, daria mais emoção e teria espaço para o suspense, que era o mais importante.
Não consegui me conectar com ninguém, pois criei até ranço dessa dupla em vários momentos. Já estava na cara que ninguém ali era santo, mas esse povo é nojento e passa de todos os limites da sanidade! Quanto mais eu lia, mais ficava com raiva de todo mundo.
 
 

“Quando você já foi o algo ruim, fica bem fácil identificar a calma que vem antes da tempestade.”

 
 
 O suspense prometido aparece do nada, literalmente num virar de páginas. O livro que era lento demais fica super rápido aos 45 do segundo tempo, para mostrar o serviço em débito nas 300
páginas anteriores. Neste momento, tive a sensação de ler dois livros diferentes, encaixados de última hora para cumprir prazos. 
Todas as informações que faltavam foram praticamente cuspidas de uma única vez, deixando várias
pontas soltas e um final sem sentido. Vindo de um volume único, foi decepcionante, pois não terei as respostas esperadas no livro inteiro.
Apesar da decepção, não foi uma leitura de todo ruim. O livro aborda assuntos muito atuais e necessários hoje em dia, especialmente contados pelo ponto de vista de uma mulher negra, que tem conhecimento de causa do que passa todos os dias.
 
 

 

“É chocante perceber isso, mas para ser justo, passei a maior parte da vida sendo obrigado a classificar pessoas rapidamente como ameaças ou… algo mais. Não sobra muito tempo para pensar a respeito do seu passado, seus sentimentos, ou qualquer outra coisa.”

 

 
 
Porém teriam sido melhor aproveitados se fossem colocados dentro de um contexto e não jogados ao vento. O que é uma pena, pois a premissa do livro era muito boa. Falando sobre o livro em si, gostei bastante da capa, mostrando o prédio onde Sidney mora. Tem um contraste de cores fortes, que chamam bastante atenção.
Quando ninguém está olhando | Alyssa Cole
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 A revisão está bem feita, fonte legível e uma diagramação simples, favorecendo uma boa leitura.
Infelizmente ele não vai levar nota boa, pois não funcionou como eu gostaria. Mas se o seu gosto literário abrange uma leitura mais lenta e densa, recomendo o livro. Vai que você tenha uma experiência melhor que a minha, não é?

 

 
 
                                                   
 
 
 

 
 
 
 
E aí, já tinham lido esse livro? Conhecem outras obras da autora? E já participaram (ou tem vontade de participar) de algum clube do livro? Me contem aí! 
 
 
 
Texto revisado por Emerson Silva

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Os Garotos do Cemitério | Aiden Thomas

Quotes #19: Os Garotos do Cemitério

Olá meu povo, como estamos? Os Garotos do Cemitério […]

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu trago a […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui