17 de dezembro de 2022

Quando O Inverno Acabar | Andy Collins

Olá meu povo, como estamos? Hoje temos a resenha de mais um romance escolhido para a TBR de dezembro. O livro é: ‘Quando O Inverno Acabar’, da autora nacional (parmem!) Andy Collins.

 

Quando O Inverno Acabar | Andy Collin
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

ALERTA: Pode conter gatilhos

64/24
Livro: Quando O Inverno Acabar
Autora: Andy Collins
Editora: The Gift Box
Ano: 2020
Páginas: 176
Skoob | Compre na Amazon

Amar sempre foi simples, algo natural. Como respirar!

Foi assim que aprendi.

E por amor ao meu trabalho, precisei me afastar de tudo.

Principalmente de todos.

Foram apenas dois anos; o suficiente para mudanças que eu não estava
preparada.

Retornei para casa com apenas um desejo: recomeçar de onde parei.

Mas, o destino tem maneiras de tornar realidade algo que você nunca
sequer sonhou.

Aos poucos, percebi que o tempo não nos muda apenas fisicamente,

Ele pode transformar nossa alma.

Quando O Inverno Acabar | Andy Collins

 

Jess, Owen e Alec são amigos de infância. Cresceram juntos e passaram por diversos momentos felizes e marcantes, mas ninguém estava preparado para as curvas que a vida pode dar. A moça se alistou para trabalhar como médica do exército americano no Afeganistão e ficar longe de tudo que ama. Para o susto de todos, é aprovada e não está disposta a mudar de ideia.
   
Dois anos depois, ela está de volta em casa. No entanto, descobre da pior forma que a vida não é como um filme, que você pausa quando quer e retorna de onde parou. Todas as nossas escolhas têm consequências e 24 meses é tempo suficiente para muitas mudanças. A grande questão é se estamos dispostos a aceitá-las.

 

“Sim, é isso o que eu faço, mas agora talvez fosse eu que precisasse de alguns remendos.”

 

 

Conheci esse livro muito por acaso, durante a última edição da Bienal do Livro do Rio de Janeiro (2021). Tinha ido ao estande da The Gift Box, a fim de encontrar a Raffa Fustagno (coincidentemente, é a autora de minha leitura atual) e pegar seu mais novo lançamento autografado. Ao passear pelo estande, no entanto, me deparei com diversos outros romances da editora, entre os quais ‘Quando O Inverno Acabar’ me chamou atenção.
   
Lembro que gostei da capa e a sinopse poética me encantou. A curiosidade aumentou ao ouvir a vendedora falando dele de modo fervoroso e me convenceu. Porém, o livro ficou encalhado na estante; toda vez que pegava nele, tinha a sensação de que não iria gostar da leitura e devolvia para a prateleira.  E, mesmo enfrentando o desafio e cumprindo a TBR de final de ano, apenas confirmei que não foi uma experiência positiva.
 
 

 

Quando O Inverno Acabar | Andy Collins
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Com a narrativa em primeira pessoa, vemos os fatos pelo ângulo de Jess, Owen e Alec. Embora o elenco seja pequeno, deu espaço para ler uma verdadeira novela mexicana. Os três se conhecem desde pequenos, então é até bonito ver o laço de amizade que os une.
   
Quando a moça resolve embarcar para uma guerra no outro lado do mundo, é nítida também a tensão que se estabelece entre elesSão maiores de idade e não podem impedir as escolhas uns dos outros. Ao mesmo tempo, se preocupam como se pudessem se guardar em um potinho para proteger de todos os males.

 

“[…] Não percam isso. Quando esse tipo de olhar muda de direção, não costuma voltar.”

 

 

Não apenas isso, a relação entre Jess e sua família é muito linda e dá um quentinho no coração a cada página. Ler a relação entre a moça e sua mãe viúva me representou. Eu também sou órfã de pai e sei a dor do vazio que é não ter uma figura paterna, a qual ocupou um espaço significativo em sua vida por tantos anos.
   
Quando ela parte em missão, é como se todos os corações que a cercam tivessem um pedaço arrancado. No entanto, a forma como cada um reage a esse sentimento é muito peculiar e pode levar a diversos caminhos, como a própria protagonista irá perceber.
   
Dois anos depois, Jess está de volta às suas raízes e pronta para recomeçar de onde parou. Contudo, vai perceber o quanto as pessoas estão diferentes. Além disso, precisa lidar com esses sentimentos de uma maneira que jamais imaginou, crescendo com as cicatrizes que lhe causaram tanta dor enquanto estava no meio das bombas. Vai precisar superar muitas feridas abertas, além das novas que a vida lhe reserva.
   
Temos um romance com um pé no drama e um toque de contos de fadas moderno, para fazer seu coração ficar quentinho no final do ano. Tive muitos sentimentos durante a leitura. Chorei, sorri e me senti
solidária com as dores de todos os personagens, em especial por poder ler o ponto de vista de cada um e até compreender suas atitudes.
   
Mas exatamente por saber o que se passava na cabeça de cada protagonista, os sentimentos que imperaram foram a indignação e a raiva. Me incomodei bastante com diversas cenas muito close errado que li. Ainda fiquei abismada ao me deparar com tantas resenhas positivas, dizendo que esse é um romance leve e gostoso de ler.
   
Eu até concordaria com o senso comum se fosse um livro escrito para lá dos anos 2000. Mas para uma obra publicada em 2020, me admira terem deixado tantos detalhes desconfortáveis passarem. O livro inteiro é um clichê já esperado. Entretanto, a forma como ele foi trabalhado é que me espantou, pois teriam resolvido muita coisa com uma boa dose de terapia em grupo. Jess é uma mulher forte e que já passou por muitas dores neste mundo, ainda mais pelo tempo que passou no meio do nada e correndo risco a cada dia.
 
 
Quando O Inverno Acabar | Andy Collins
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Até gostei do modo maduro como a protagonista lidou com os acontecimentos em sua vida, tanto durante a guerra quanto de volta em casa. Confesso que me identifiquei com a moça tentando se adaptar ao lar novamente. A coitada não sabia como se encaixar em rotinas que parecem já preenchidas por substitutos dos buracos que ela deixou há tanto tempo.
   
Entretanto, fiquei incomodada com a síndrome de “Mulher Maravilha” que ela desenvolveu e ninguém pareceu notar. Pelo contrário, apenas alimenta, deixando Jess cada vez mais debilitada emocionalmente e sem saber lidar com tantas novidades. Além disso, a forma como Owen nota que a moça carece de ajuda e tenta resolver é tão prática, que mais parecia lidar com uma boneca que só precisa de uma pilha nova.
   
O próprio rapaz está perdido em sentimentos confusos e não o julgo por isso. Nunca passei por uma situação como a que ele viveu, mas a casca que criou para parecer forte diante de seus superiores parece estar servindo até mesmo para ele. 
   
Assim, é o clichê do CEO bombadão e que todas as mulheres ficam ensandecidas quando passam por ele. Porém, sua beleza acabou para mim quando vi diversas atitudes babacas e até machistas em relação à Jess. Respeito a forma como lidaram com diversas coisas juntos e mantiveram uma relação madura após certos acontecimentos. Contudo, teria respeitado ainda mais se ele não fosse um idiota crescido.
   
Por sua vez, Alec é o clichê do rapaz bonzinho que fica sempre na friendzone e se conforma com isso. Sua relação com Jess vai além da amizade e isso está bem na cara de todo mundo (até para o gato do rapaz, rsrsrs), menos na da mais interessada. Para uma mulher tão esperta e que diz saber lidar com os homens, me pareceu bem bobinha nesse sentido.
   
Além disso, Alec tem atitudes que me deram medo e me admira que Jess tenha aceitado numa boa, em nome de um “felizes para sempre”. No lugar dela, eu teria dado um tapa na cara desses dois babacas e virado a página.
   
Fora que os rapazes são sócios na mesma empresa. Mas enquanto Owen só vive pelo trabalho e mal para em casa, Alec é o completo oposto. Quando está na empresa é um verdadeiro desocupado. Talvez se tivessem dividido mais as obrigações, boa parte do estresse que passam teria sido evitado.
   
O desfecho é bem cara de filme de comédia romântica clichê. Em comparação com o que vinha sendo apresentado, é condizente com a trama. As pontas são amarradas, porém eu já estava tão incomodada com as atitudes desse trio (especialmente de Owen e Alec em relação aos sentimentos da Jess), que não me encantou como eu esperava.
 
 
Quando O Inverno Acabar | Andy Collins
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Em relação ao livro em si, tem uma diagramação muito bonita e a capa combina com o tema. As páginas são mais grossinhas e amareladas, o que gosto bastante. Melhorou ainda mais com a fonte legível e uma revisão bem feita. 
Resumindo, é um romance “ok”, mas que não me deu um quentinho no coração como eu imaginei. Não leria novamente. Porém, ainda assim deixo aqui a recomendação para que tire suas próprias conclusões.
  

 

E aí, já tinham lido essa ou alguma outra obra da autora? Gostam de romances mais clichês? Me contem aí!
 
 
 
Texto revisado por Emerson Silva 
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu trago a […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui