19 de setembro de 2023

Quotes #13: O Último Sorriso na Cidade Partida

     Olá meu povo, como estamos? Essas últimas semanas foram muito corridas e acabaram refletindo em uma velocidade mais lenta de leitura. Assim, enquanto as resenhas não saem, deixo vocês com alguns trechos de minha última experiência finalizada: O Último Sorriso na Cidade Partida, de Luck Arnold. 
 
 
 
Quotes | O Último Sorriso na Cidade Partida
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 
 

“Quanto tempo você precisa olhar para as palavras assim antes de começar a se preocupar que se tornem verdade? Que talvez você não devesse existir?”

 

“[…] Ninguém dava a mínima para o ódio que eu tinha de ser da mesma raça que esses monstros. Um humano reclamando reclamando de outros humanos era tão entediante quanto a água que corre pelo esgoto. Não importava para ninguém. Ninguém ligava. Eu não ligava.”

 
 

“Eu gosto de livros. São silenciosos, orgulhosos e absolutos. Um homem pode voltar atrás com sua palavra, mas, uma vez escritas, elas se mantêm.”

 
 

“[…] Em vez de desperdiçar seus dias lutando contra a verdade, era melhor seguir a vida e confiar nas mentiras.”

 
 

“Se você pegasse minha vida e comparasse com a do resto do mundo, veria que ela não era muito boa. Mas nunca tinha sido. Isso, de certa forma, me fazia sortudo. Eu nunca tive nada a perder. Não como aquela pobre sereia e sua casinha de lembranças de papel.”

 
 

“[…] Minha dor era velha e seca e coberta de teias de aranha. Era podre e clichê e se tornara um tédio para todos que não eu.”

 
 
Quotes | O Último Sorriso na Cidade Partida
 
“[…] Meu tempo com a Opus tinha me dado uma jaqueta e algumas novas habilidades, mas eu ainda era o mesmo menininho brincando de viver.”
 
 

“[…] Mesmo se as caldeiras voltassem a funcionar, se nossos pecados fossem enterrados, os anjos se erguessem das das ruas e os dragões voltassem a voar, muitas luzes ficaram apagadas por tempo demais. Não importa quanta merda e otimismo você invente, nada vai trazer aquele brilho de volta.”

 
 
“[…] Eu era jovem e cheio de energia e tudo que via era uma revelação. Agora o mundo estava velho e destruído, e eu sabia no meu coração que a culpa era minha. Mas isso… Isso era novo? Achei que estava velho demais para algo novo.”
 
 
“[…] Quando você quer separar rumores de fatos, o diabo está nos detalhes.”
 
 
“Um homem é feito de por uma vida de serviço. Um grande homem é feito por seus monstros.”
 
 
“Acabou. O mundo vai continuar, e ainda haverá empregos e primaveras e beijos e chocolate; só não haverá música. Podemos morder a fruta e saber que ela é doce, mas nunca mais vamos sentir o gosto. Vamos olhar o nascer do sol e nos esforçar ao máximo para encontrar alguma calidez em nossos corações, mas sem sentir nada. 
Isso é a Coda. 
E foi assim que aconteceu comigo.”
 
 

“- Porque todo mundo faz merda, mesmo quando está tentando ser bom. E algumas coisas não devem ser salvas.”

 
 
   E aí, o que acharam dos trechos que selecionei? Algum te chamou mais atenção? Me contem nos comentários e aguardem a resenha, que logo logo vem por aqui também! 
 
 

 

 
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Ghostwriter | Alessandra Torre

Li até a página 100 e… #51: Ghostwriter

Olá meu povo, como estamos? Uma de minhas leituras […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui