26 de abril de 2022

Súplica em Olhos Mortos | Luciana de Gnone

   Olá meu povo, como estamos?
Hoje temos mais uma resenha de um livro “brazuca” por aqui, com ‘Súplica em
Olhos Mortos’, mais um thriller de
Luciana de Gnone
.

Súplica em Olhos Mortos | Luciana de Gnone
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

Obs.: Livro lido em parceria
com a autora e a ME Assessoria Literária

ALERTA: Esse livro pode ter
gatilhos de violência sexual, pedofilia e violência extrema

21/24
Livro: Súplica em Olhos Mortos
Autora: Luciana de Gnone
Editora: Casa dos Autores (Independente)
Ano: 2021
Páginas: 348
Skoob | Compre na Amazon


Betina Zetser é uma
competente fotógrafa que trabalha para uma revista especializada em turismo
empresarial. Emprestada por seu chefe para auxiliar os trabalhos de um jornal
inglês, ela conhece Bruno Jopson, um conceituado repórter designado a cobrir
uma matéria sobre o processo de produção de Etanol no nordeste do Brasil. A
parceria profissional torna-se vulnerável quando os dois são surpreendidos por
uma avassaladora paixão, obrigando Bruno a prosseguir viagem acompanhado de um
fotógrafo em início de carreira. Tudo muda quando Betina se vê obrigada a dar
prosseguimento aos trabalhos iniciados por Bruno, que sinalizam a existência de
mão de obra escrava no engenho de cana de açúcar. Apesar da trama principal ser
ambientada no interior de Alagoas, fatos relevantes também se desenrolam nas
cidades de Londres e Rio de Janeiro, tornando a história ainda mais envolvente.
Uma obra que, apesar de fictícia, apresenta uma série de relatos verídicos
ricamente detalhados. Uma trama que envolve romance, suspense e perseguições.


Súplica em Olhos Mortos | Luciana de Gnone




   Betina Zteser é uma fotógrafa
carioca, mas que roda o mundo, avaliando hotéis para turismo empresarial. 
   Seu
talento é conhecido por vários continentes e foi o primeiro nome que seu chefe
pensou ao pintar a oportunidade de realizar uma parceria com um jornal inglês.
   Junto com Bruno Jopson, eles
teriam a tarefa de documentar a produção de etanol na Fazenda Ponte da
Esperança, uma das mais importantes produtoras do Nordeste brasileiro. 
   Porém, o
que deveria ser apenas uma parceira de trabalho se mostra bem maior, já que a
química entre os dois não demora muito a acontecer.
   No entanto, o clima de
romance dos dois está na corda bamba. O documentário de caráter econômico acaba
ganhando cunho investigativo, quando descobrem irregularidades na fazenda
   Além
disso, suas descobertas são apenas a ponta do iceberg de um esquema imenso, envolvendo vários estados
brasileiros
   Agora, eles estão em perigo e precisam correr contra o tempo, se
quiserem manter o furo de reportagem.

 

“Estávamos num jogo muito perigoso sobre o qual ele tinha o direito de saber.”


   Essa é minha segunda
experiência com os livros da Luciana. Com uma escrita fluida e bastante
envolvente
, fui facilmente levada para os cenários abordados no livro, além de
me sentir lado a lado dos personagens.
    A trama é narrada ora em
terceira pessoa, ora em primeira
, pelas visões da protagonista Betina, o
jornalista Bruno, o médico João e a delegada Mariana Miranda (prima da
mocinha
). 
   Apesar de terem sido personagens importantes para a história, achei
que essa mudança constante de narrador se tornou confusa ao longo da leitura
   Se tivesse ficado apenas em terceira pessoa, teria dado o mesmo efeito da visão
mais ampla, sem a sensação de confusão.
    A não ser isso, a trama é
bastante envolvente
, já que tem tudo o que eu gosto em um único lugar: romance,
viagens e cenas de “tiro, porrada e bomba”. 
   Começamos sendo apresentados ao
casal Betina e Bruno, antes mesmo de se conhecerem.
   Betina é carioca e resolveu
seguir carreira de fotógrafa, indo contra o destino que seus pais planejaram
para todos os filhos, que era continuar seu legado em Odontologia. 
   Com pouco
apoio da família e até de João, seu marido na época, ela enfrentou muitos
obstáculos para realizar seus próprios sonhos
.
   É uma moça inteligente,
persistente e sonhadora
. Gostei bastante dela por ser firme em seus desejos
profissionais e não medir esforços para encarar quem lhe dizia que nada daria
certo. 
   Apesar de saber que ela conseguiu, eu fiquei agoniada ao ler sua
trajetória
, onde tudo conspirava contra.
   E isso é bem vida real.
Afinal, quantos de nós também não desistimos (ou quase) de nossos sonhos porque
alguém falou que “não dava futuro”, ou “era tempo perdido”, sem nem ao menos
perguntar se queríamos a opinião. 


Súplica em Olhos Mortos | Luciana de Gnone
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna




   Então, me senti solidária e feliz, vendo o
que ela conseguiu, mesmo nadando contra a corrente.
   Agora, anos depois, ela está
separada de João e com um grande emprego como fotógrafa de uma revista de
viagens. 
   Com o foco em turismo empresarial, a mocinha viaja o mundo todo e se
hospeda em hotéis de luxo, a fim de captar todas os cenários bonitos possíveis,
além de escrever matérias e indicar os pontos positivos e negativos da
localização
(#sonhomeu).
   Sua atual viagem tinha como
destino Londres, para conhecer mais um hotel de luxo. No entanto, pouco tempo
antes do prazo de Betina terminar, ela recebe uma proposta inesperada e
irrecusável
: voltar ao Brasil, porém emprestada para um jornal inglês, onde trabalharia
em parceria com um jornalista de renome, Bruno Jopson.
   O rapaz é meio inglês e meio
brasileiro, o que lhe faz ter uma combinação interessante, tanto de genética,
quanto de sotaques, costumes e métodos de conquista
   Isso porque ele se
apaixona por Betina à primeira vista e não quer perder a oportunidade.
   A protagonista, por sua vez,
corresponde, mas não completamente. Apesar de terem se passado anos desde o
divórcio, ela demorou muito para se recuperar e tem medo de se entregar ao
sentimento novamente. 
   No entanto, Bruno é um rapaz persistente e não está
disposto a desistir
, mesmo que tenha que enfrentar alguns percalços pelo
caminho.
   Ainda que tenha curtido o
clima de romance, fiquei incomodada com algumas coisas. Primeiro que a Betina
pode ser muito madura para assuntos profissionais, mas quando se trata de
coração, ela vira uma adolescente
, sobretudo quando João ressurge das cinzas e
se diz arrependido do que fez (mesmo tendo levado a um relacionamento tóxico).
   De modo particular, não gosto
muito do clichê de trisal
, porém teria tolerado se não tivesse tomado boa parte
do livro, que era para ser um suspense
   O tempo todo eu me perguntava onde o
mistério realmente iria começar
, mas só via Betina dividida entre um passado de
anos atrás e um boy caído de
paraquedas na vida dela e mais parecia um Príncipe Encantado (só faltou o
cavalo branco
).
   O clima de novela só é quebrado
quando conhecemos a Fazenda Ponte da Boa Esperança
. O local, o qual só tem de
confortável mesmo o nome, é um cenário onde todas as aparências enganam.
   Comandada pelo Coronel
Britto, a fazenda é uma das maiores produtoras de etanol e cachaça. Além disso,
a cidade de Anambé só falta estender o tapete vermelho e decretar feriado
quando o homem passa na rua. Isso porque ele é um dos grandes doadores de
recursos para as escolas
.
   No entanto, conforme vamos
conhecendo melhor as histórias antigas, vemos que nem tudo é um paraíso por lá. 


“[…] Por fim pude entender o verdadeiro significado do nome Ponte da Esperança.”



   E é isso que Bruno também percebe, ao começar a fazer a matéria para a qual foi
contratado.
   De
todo o livro, essa é a parte mais angustiante e nojenta de ler. Não apenas do
coronel, mas dos seus empregados, que eram como seus reflexos mais jovens
   Tive
que respirar fundo e parar várias vezes
, antes de prosseguir com a leitura,
pois não são cenas para quem tem estômago fraco.
   Aliás, já fica de alerta lá
no começo os gatilhos
, para o caso de você ser sensível a algum deles. O
Coronel Britto é a versão brasileira de O Poderoso Chefão, praticamente. 
   Quem o
vê, logo de primeira, encontra um senhor de meia idade, que mal levanta a voz,
mas que mete medo por onde passa e todo mundo abaixa a cabeça, independente do
que ele mande fazer.
   Bruno tem um ótimo faro
investigativo e acaba descobrindo o motivo de Britto ser assim. Aliás, é o que
explica o título “Súplica em Olhos Mortos”.
 



“A verdade era que ninguém sabia de nada.”




Súplica em Olhos Mortos | Luciana de Gnone
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna




   Apesar de concordar com o motivo,
essa questão não foi tão explorada quanto eu pensava que seria e fiquei
decepcionada
.
   Outra coisa que me incomodou
foi o talento de Betina para se meter em encrenca. Ela já era grandinha o
suficiente para saber que não deve se meter onde não é chamada.
   Mas precisa tanto provar para
o mundo que é capaz que só entra em confusões e atrapalha mais do que ajuda
   O
livro teria mais emoção se ela não passasse tanto tempo se preocupando com isso
e sendo uma heroína de verdade. No entanto, só conseguiu ser a mocinha
atrapalhada na hora errada.
   Quem rouba a cena é a
delegada da Polícia Federal, Mariana Miranda. Apesar de fazer uma participação
especial, a moça foi, de longe, minha personagem favorita e eu mega apoiaria um
livro só com ela como protagonista.
   Mariana mostra que realmente
estudou para estar naquele cargo
, é uma mulher fantástica, madura (o que
equilibra em relação à Betina
), forte e fala o que pensa. 
   Todos na sua equipe a
respeitam e ela é a primeira a assumir o caso da fazenda.
   Eles fazem um trabalho
minucioso e interessante, que me fizeram ficar imersa na leitura por um bom
tempo. E me deixaram feliz também. 
   Afinal, é mais uma investigadora decente que
encontro nos livros.
  O desfecho é aceitável e as
pontas foram amarradas
, porém não da forma como imaginei. 
  Como a autora focou mais
no romance, talvez para deixar a leitura leve e fluida, não sobrou espaço para
o que realmente importava
(a ação que o livro precisava).
   Embora concorde com tudo o
que aconteceu, eu teria ficado mais impactada de tivesse um pouco mais de
páginas, para amarrar melhor essa parte. 
   No entanto, em momento algum a
experiência deixou de ser positiva
. Talvez eu tenha criado muita expectativa e me decepcionei um
pouco. Acontece… 
   Além disso, esse é o primeiro volume da saga de Betina Zetser. Então, quem sabe eu faça as pazes com a mocinha em algum momento? 
   Com relação ao livro em si,
li a versão em ebook (disponível no Kindle Unlimited). A revisão está muito bem feita, a diagramação é simples
e com uma fonte confortável à leitura.
   Apesar disso, não gostei
muito da capa nova (amarela) que, ao meu ver, não tinha tanto a ver com a trama
que trazia. 
   A capa anterior (preta) combinava muito mais e era mais sombria, sendo
exatamente o que o livro pedia.
   Em resumo, foi uma boa
leitura, bem fluida e rapidinha, a qual recomendo. Porém, não faça como eu,
leia sem grandes expectativas. Talvez tenha uma experiência melhor que a minha.







     Já conheciam esse livro? E as outras obras da autora? Me contem aí! 








Obs.: Texto revisado por Emerson Silva
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui