18 de julho de 2016

#Um bom lugar para ler um livro: Museu da Vida

   Olá pessoal! Como estamos todos? Hoje passei aqui para
compartilhar com vocês meu passeio do último sábado. O lugar escolhido foi o
Museu da Vida. Vem ver! =)





   Então, para quem não sabe, o Museu da Vida é da Fiocruz. Quem
mora aqui no Rio com certeza passou pelo menos uma vez na Av. Brasil e olhou
para o lado com atenção ao reparar num verdadeiro castelo no alto de um morro. Então,
lá e a Fundação Oswaldo Cruz, um centro de referência para muitas pesquisas da
área da saúde e também um centro de estudos (tem ensino médio e pós-graduação).
E abriga também o Museu da Vida, que conta um pouco da história da Fundação e
tem umas exposições bem legais sobre biodiversidade.
   Desde que me mudei aqui para o Rio eu passava pelo bendito
castelo, achava a coisa mais linda do universo, porque ele parece com aqueles
palácios dos contos tipo Aladin (rsrsrs) e falava que queria ver como ele era
por dentro… mas nunca entrava lá… seja por falta de tempo, por falta de
coragem, por achar que era contra-mão… enfim…
   Os anos se passaram e precisou vir o Passaporte Cultural
(falei dele AQUI) para eu criar coragem e ir lá. Ficava um tanto receosa, pois
nunca tinha ido lá, é um local que não tem outros museus ao redor caso não
pudesse visitá-lo no final de semana… mas eis que criei coragem e fui
procurar informações sobre o local e o horário na internet. Liguei para lá
também e eles foram bem atenciosos ao me dar informações adicionais e me senti
muito bem recebida.
   Agora, vamos ao mais importante D. Hanna! (rsrsrs)
   Então, para chegar no Museu da Vida é bem simples. Quem mora
aqui no Rio pode ir de ônibus e soltar na passarela 6 da Av. Brasil ou até
mesmo de trem e soltar na estação de Manguinhos.
   Chegando lá, tem uma guarita aonde você se identifica e o
guarde te dá todas as coordenadas. Tem ainda um centro de informações do
próprio museu, onde tem um mapinha e as meninas indicam aonde ficam todos os
pontos de exposições. É isso mesmo, todos os pontos de exposições, afinal o
espaço é beeeeeeem grande… (rsrs)
   A visitação começa na castelo que você vê de longe. Tem uma
ladeirinha, que não é difícil de subir, e as visitas são feitas em grupos. Aí tem
os guias, que contam um pouco da história do castelo, que foi construído
especialmente para as pesquisas e desenvolvimento de vacinas. Aí tem uma sala,
com os equipamentos de laboratório do Dr. Oswaldo Cruz e de Carlos Chagas (sabe
o cara da Doença de Chagas? Então…). É bem legal porque podemos ver de
pertinho como era a saúde na época deles, com aqueles diplomas enormes
pendurados na parede, os microscópios lindos de bronze e tem até uma parte
aonde as crianças podem vestir o jaleco e tirar uma selfie do lado de Oswaldo Cruz.
Não preciso dizer que elas foram ao delírio se sentindo mini cientistas com o
jaleco (rsrsrs).






   O interessante é que o prédio inteiro tem uma arquitetura
que lembra os palácios orientais, tanto por fora quanto por dentro. São três
andares, cada um com as paredes em relevos de desenhos diferentes, desenhos
esses que vão do rodapé ao teto. No último andar tem um vitral lindo, também
nesse estilo oriental.




   Ao sair do castelo, tem o Parque da Ciência, onde a gente pode
brincar à vontade descobrindo os fenômenos da Física e de como funciona os
sentidos da gente. Tem brinquedo para testar audição, visão… é bem legal! =)





   Pertinho do Parque da Ciência, tem uma pirâmide, aonde tem
uma exposição bem legal sobre células, e microrganismos. Parece um laboratório
mesmo, daqueles de programas de TV. Me senti a criança de novo la dentro,
brincando em todos os microscópios e voltando aos tempos de graduação =).






   Na pirâmide também tem jogos para as crianças identificarem
o formato dos vírus e bactérias que transmitem as mais variadas doenças.
Por fim, tem o borboletário, com cada borboleta mais linda
que a outra voando bem pertinho de você.





   Fui sozinha dessa vez, mas me diverti bastante e fiquei
muito feliz por ter finalmente conhecido o museu por onde passava há 16 anos e
dizia que um dia entraria lá, mas nunca cumpria a promessa…
   E super recomendo, ainda mais agora nessa época de férias
escolares. Quem tem criança em casa, elas vão se amarrar em conhecer e brincar
com Ciência, além do espaço aberto que elas podem se soltar à vontade, sem medo
de serem felizes. Para os adultos, também super recomendo, afinal Ciência é
divertida em todas as idades! =)





   Então pessoal. É isso. Espero que tenham curtido e até a
próxima! =)








Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui