18 de maio de 2023

As Confissões de Arsène Lupin | Maurice Leblanc

Olá meu povo, como estamos? Depois de uma temporada frustrante, as leituras começaram a fluir bem de novo por aqui. 
Hoje eu trago a resenha de mais uma edição do Projeto 12 Livros para 2023, em parceria com a Karla do Pacote Literário (e mediado pela Ana do Morcegos Literários). O sorteado de maio foi ‘As Confissões de Arsène Lupin’, de Maurice Leblanc, que simplesmente devorei. 
As Confissões de Arsène Lupin | Maurice Leblanc
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

26/60
Livro: As Confissões de Arsène Lupin
 
Autor: Maurice Leblanc
Tradução: Ana Brandão
Editora: Principis (Ciranda Cultural)
Ano: 2021 (original em 1913)
Páginas: 224
Skoob | Compre na Amazon 

 

O principal ladrão do mundo relembra uma vida inteira de aventuras e de suas façanhas ultrajantes nesta coletânea de contos. Já se passaram quinze dias desde que a baronesa Repstein desapareceu de Paris, levando consigo uma fortuna em joias roubadas do marido. Detetives franceses a perseguiram por toda a Europa, seguindo o rastro de pedras preciosas como muitas migalhas de pão, mas ela escapou de seus esforços. Quando Arsène Lupin a encontrar, ela não sumirá tão facilmente.

A mente criminosa mais brilhante de toda a Europa, Lupin não deixa de praticar boas ações ocasionais, especialmente quando há recompensa em dinheiro. Nessas histórias emocionantes, o cavalheiro-ladrão é mais esperto do que policiais e criminosos uma e outra vez, sempre se certificando de embolsar algo para si. Rei do disfarce e do roubo de identidade, Arsène Lupin é uma espécie de Robin Hood da Belle Époque.

Dez contos, cada um com sua própria atmosfera, às vezes sombria e perturbadora, outras mais tingida de humor. No entanto, dá para sentir a personalidade desse camaleão, que, embora à vontade entre as pessoas da alta sociedade, nutre certa empatia pelos mais modestos ou vítimas de injustiças. Arséne Lupin é um personagem intrigante, que conquista com sua personalidade arrebatadora onde quer que esteja. Perfeito para que o leitor nunca se canse.

 

As Confissões de Arsène Lupin | Maurice Leblanc
Lupin está de volta e chega em grande estilo. Após viver tantas aventuras, das quais só sabemos o que nos contam, o Ladrão de Casaca decide parar um pouco sua agenda lotada de crimes para nos agraciar com detalhes de suas façanhas mais admiráveis.
‘As Confissões de Arsène Lupin’ reúne 10 contos, um mais eletrizante que o outro, onde conhecemos um pouco do que se passa em uma das mentes mais brilhantes de todos os tempos. Será que você está preparado para isso?

 

 

 

“[…] contentava-se com surpresas mais leves e lucros mais humildes, em cumprir seu esforço diário, fazendo o mal todos os dias e um pouquinho de bem também, naturalmente por amor à coisa, como um Dom Quixote extravagante e compassivo.”

 

 

Abril foi um mês complicado no quesito leituras. Isso porque fiz escolhas mais densas do que esperava e o resultado foi um pezinho na ressaca. Felizmente, ela não aconteceu de fato e eu segui lendo, ainda que mais devagar. Aos poucos estou voltando ao meu ritmo normal e já fiquei feliz por ter sido agraciada com meu personagem favorito.
O sorteado de maio para o Projeto12 Livros para 2023 foi o número 6 da minha pilha e fiquei bem feliz quando abri o pacote e vi que era ‘As Confissões de Arsène Lupin’. Por coincidência, ele é a sequência da última aventura que havia lido do personagem (813 – Os Três Crimes e A Vida Dupla de Arsène Lupin). Assim, pude dar continuidade à trajetória e fazer uma leitura bem leve, como eu precisava.
Aqui, ao contrário do último livro, encontramos um Ladrão de Casaca mais do jeito antigo. Então, continua um homem inteligente e mestre dos disfarces, porém mais cativante e alegre.
 
 
 

 

As Confissões de Arsène Lupin | Maurice Leblanc
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
 
Além disso, ao longo dos contos, o protagonista está bem próximo do leitor e do narrador, com quem conversa em boa parte das histórias. O que até explica o título da obra, já que o próprio Arsène faz questão de contar em detalhes suas aventuras mais inusitadas, quase como se fosse um mágico revelando seus truques.
Isso poderia ser chato em um primeiro momento, pois perderia a graça de fazer o leitor de trouxa. Contudo, não é bem o que acontece e, pode acreditar, vai se surpreender bastante com a criatividade do Ladrão de Casaca quando se trata de dar golpes e enrolar os detetives.

 

 

“[…] O que quero dizer é, como disse anteriormente, intuição… intuição e inteligência… E Arsène Lupin, sem se gabar, não sofre falta de uma nem da outra!”

 

 

Aliás, um ponto que eu tinha notado em ‘A Rolha de Cristal’ e ‘813’ se repete aqui. Ou seja, temos um Lupin ora justiceiro procurado, ora investigador, que ajuda os policiais para depois se dar bem em cima deles. Eu me surpreendi mais ainda com a versatilidade que Leblanc deu ao personagem.
Isso porque o autor mostrou que o protagonista era capaz de ser o que quiser, sem perder a essência e nem a personalidade. Arsène continua um homem inteligente e que não confia na velocidade da justiça.    
 
 
 

 

As Confissões de Arsène Lupin | Maurice Leblanc
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
 
Dessa forma, faz o que acha certo pelos métodos mais rápidos e eficazes, mesmo que infrinja algumas
leis no caminho. Além disso, sendo um detetive, é mais fácil ainda conseguir bancar o herói, deixando o público dividido, sem saber se ama ou odeia o Ladrão de Casaca.

 

Entre os contos, temos:

 

Uma Recompensa de Duzentos Mil Francos! – Uma mensagem secreta pode levar a um tesouro escondido ou uma grande armadilha. Está pronto para isso?

A Aliança de Casamento – Um marido é capaz de tudo para manter a integridade de seu casamento… será?

O Signo da Sombra – Uma simples data pode guardar grandes segredos. Basta se atentar aos detalhes.

A Armadilha Infernal – Até onde você vai para defender a honra da família?

A Echarpe de Seda Vermelha – O que faria uma mulher defender uma echarpe com a própria vida?

Sob A Sombra da Morte – O caso de uma mulher simples e inocente lutando contra o destino que sempre conspira contra ela e tenta matá-la.

Uma Tragédia na Floresta dos Morgues – O caso do monstro aterrorizando os moradores de um vilarejo

O Casamento de Lupin – Arsène Lupin enfim pode deixar a vida de crimes e se entregar ao amor e uma vida tranquila?

O Prisioneiro Invisível – O que você faria se precisasse defender seu humilde lar de um ladrão?

Edith Pescoço de Cisne – Um caso envolvendo uma reunião de apreciadores de arte e o roubo da tapeçaria antiga que contava a história de Edith Pescoço de Cisne.

 

Todos os contos são bons e impressionantes, como já é esperado de Lupin. Porém, os que mais gostei foram ‘O Casamento de Lupin’, ‘A Echarpe de Seda Vermelha’ e ‘Edith Pescoço de Cisne’.
O primeiro traz uma versão do Ladrão de Casaca que eu nunca esperei ver. Passei o tempo todo me perguntando se ele realmente ia se casar ou era apenas parte do plano. No entanto, eu me compadeci da “noiva”. A coitada estava apenas seguindo as ordens do pai – contra sua vontade, por sinal. Gostei bastante da atitude de Lupin e achei o desfecho pertinente.
 
 
 

 

As Confissões de Arsène Lupin | Maurice Leblanc
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
 
O caso da echarpe foi o que mais me fez de trouxa. Estava acompanhando direitinho cada detalhe, mas em algum momento me perdi e fui enganada, junto com o detetive. Aliás, Ganimard está ficando mais esperto e, mesmo com certas coisas sendo boas demais para ser verdade, ele fez um bom trabalho e dou umas estrelas pela tentativa de pegar Arsène na curva (rsrsrs).

 

 

“[…] Lupin o inspirava com um sentimento estranho e complexo, uma mistura de medo, ódio e admiração involuntária […]”

 

 

Já em ‘Edith Pescoço de Cisne’ essa batalha do detetive e Lupin se torna mais palpável. O inspetor está cada vez mais atento e vislumbrei uma batalha de inteligência semelhante ao que ocorria quando Holmes entrava em cena. O caso foi tão surpreendente que até Arséne percebe e age com espírito esportivo.
O que eu esperava, dado que ele é justo e reconhece quando tem um adversário à altura. Mas não pude ler sem dar muitas risadas, imaginando a cara de Ganimard ao receber felicitações de quem deseja tanto prender.
 
 

 

As Confissões de Arsène Lupin | Maurice Leblanc
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
 
Em resumo, foi uma leitura muito prazerosa e que recomendo, em especial se estiver procurando opções rápidas para o final de semana ou sair de uma ressaca literária.
Falando sobre o livro em si, peguei a versão da Principis, que tem preços bem acessíveis, então já esperava uma edição mais simples e objetiva.
A capa é mole e mantém o padrão dos outros livros da série, porém em tons de roxo e verde. A revisão é bem feita, assim como a diagramação. A fonte é legível e confortável à leitura, além de páginas grossinhas e amareladas – algo que adoro em livros físicos.
  
E o andamento do projeto segue assim:

 

12 Livros para 2023 | Maio

 

E aí, já leram alguma aventura de Arsène Lupin? Gostam de clássicos de mistério? Me contem nos comentários!
 
 
 
 
 Texto revisado por Emerson Silva
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Ghostwriter | Alessandra Torre

Li até a página 100 e… #51: Ghostwriter

Olá meu povo, como estamos? Uma de minhas leituras […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui