7 de dezembro de 2021

Da Terra à Lua | Jules Verne

Olá meu povo, como estamos? Hoje temos resenha de um clássico da literatura, que há muito tempo queria ler: Da Terra à Lua, de Jules Verne.
Da Terra à Lua | Jules Verne
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

68/24
Livro: Da Terra à Lua
Autor: Jules Verne
Editora: Companhia das Letras (selo Princpis)
Ano: 2021 (original em 1865)
Páginas: 192
Skoob | Amazon 

 

Da Terra à Lua é a primeira história da exploração espacial escrita. Foi publicada em 1865 e apresenta, de maneira surpreendente, conjectura científica precisa. Quando os membros do Baltimore Gun Club veteranos de guerra entediados decidem embarcar em um projeto para atirar na lua, começa a corrida para arrecadar dinheiro, superar desafios de engenharia e convencer os detratores de que eles não são Lunáticos.

Durante a Guerra de Secessão dos Estados Unidos, formou-se um um grupo de elite, chamado Gun Club. Quem participava dele eram soldados e civis entusiastas da guerra, que não sabiam falar de outra coisa, que não fosse “qual a melhor arma para atirar em tal lugar”. 
Mas a guerra acabou e, com o acordo de paz, o Gun Club parece ter perdido sentido. Porém, os membros, que antes só sabiam falar de guerra, agora precisam de outro motivo para continuarem existindo. Daí, surge a brilhante ideia de, já que não se pode atirar em nada na Terra, por que não atirar na Lua (Sim, isso mesmo! Atirar na Lua!)?
Começa então a aventura dos membros do Gun Club, tentando provar que é possível atirar uma bala de canhão na Lua, nem que para isso tenham que enfrentar o mundo, que acha que estão loucos (ou lunáticos).
Da Terra à Lua | Jules Verne
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 De uns tempos para cá, estou me rendendo mais aos clássicos, especialmente depois que conheci as edições da Principis, que tem uma versão mais palatável, com uma linguagem mais contemporânea, já que são mais voltados para jovens terem acesso às obras. Desde então, estou em busca das aventuras de Jules Verne, e me deparei com Da Terra à Lua, que tem certo prestígio, por ser considerada a primeira obra de literatura, que falava sobre exploração do espaço. 
Como uma boa fã de scifi, solicitei para troca no Skoob e, mal chegando na estante, peguei logo para ler. Mas, apesar de conhecer o estilo do autor, confesso que fiquei com o pé atrás com esse livro, pois vi que tem uma verdadeira relação de “ame x odeie” com esse livro. Mesmo assim, a curiosidade falou mais alto e me aventurei com os membros do Gun Club.
Como a edição tem a escrita mais “mastigadinha”, se tornou uma leitura bem mais fluida do que já estava acostumada com outras edições de Verne. Por causa disso, consegui me manter na leitura até o final, até porque, me custava acreditar que realmente a brilhante ideia do Gun Club fosse atirar uma bala de canhão na Lua, como já somos avisados na sinopse. 
Logo de cara, imaginei que seria uma leitura densamente chata, com militares ricos e sem ter mais o que fazer, tentando ocupar o tempo com uma tarefa insana. E de fato, foi o que, não apenas eu encontrei, mas o governo também achou insana essa ideia. Afinal, o que deu na cabeça dessas pessoas, para se meterem logo com a Lua?
Além disso, levando-se em consideração a época em que o livro foi escrito, a primeira coisa que me veio na mente foi uma cena de desenho animado, onde qualquer personagem se veste de astronauta e se mete num canhão para parar na Lua e consegue. Parece até hilário num desenho, mas num livro, como seria? Mas, vindo de Jules Verne, um gênio além de seu tempo, temos aqui uma descrição de eventos que seriam comuns hoje, com nossa tecnologia, mas na época do autor, devem ter causado muito espanto nos leitores e cientistas. Com uma maestria, Verne nos leva ao mundo dos astronautas, antes mesmo da NASA sonhar em se criada.
Da Terra à Lua | Jules Verne
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

Apesar de ter lido muitas reclamações sobre as descrições da construção dos equipamentos, confesso que eu achei necessária, da forma como foi colocada. Apesar de ser cientista, sou leiga quando se trata de cálculos para lançar algo em órbita, e Verne, de sua forma super convincente, nos mostra por matemática e física, de forma bem simplificada, como é possível. 
Sinceramente, achei que foi bom ter tudo ali, até para tirar a ideia do âmbito do desenho animado e trazer um toque de quase realidade para a trama. Aos poucos, vamos conhecendo as mentes por trás de cálculos matemáticos e entusiastas da Lua.
Só achei um tanto insanos alguns diálogos, que acontecem durante o livro, especialmente por achar que, realmente, era muita fantasia que se tinha sobre vida fora da Terra. Mas, levando-se em consideração que estamos falando de uma época em que lunetas e telescópios ainda eram rudimentares, faz até sentido que se pensassem certas coisas, que hoje vemos como piada.
O final, para meu espanto, chegou a ser cômico, e sim, bem próximo de desenhos animados. O que deu até um pouco de leveza para o livro, que já tinha tantos assuntos mais técnicos e densos antes. Apesar disso, foi inesperado e ainda me vi surpresa com o desfecho dos personagens, que não esperava que tomassem algumas atitudes.
Da Terra à Lua | Jules Verne
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna  

 

Resumindo, foi uma boa leitura, divertida em alguns pontos e com um final digno de desenho. Mas apesar disso, não releria esse livro, pois apenas uma vez me basta para saber do que se trata. Se você curte scifi, recomendo que leia Da Terra à Lua, ao menos como curiosidade, para saber como as pessoas imaginavam o espaço no século XIX. 
Com relação ao livro, eu gostei da edição. A capa é simples, mas muito bem feita, com uns pequenos toques de sofisticação. A revisão está perfeita, a fonte muito agradável à leitura e com páginas amareladinhas e grossas, que são fáceis de passar e ajudam bastante na leitura.

Já leram esse livro? Conhecem algum outro livro do autor? Me contem aí!

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Ghostwriter | Alessandra Torre

Li até a página 100 e… #51: Ghostwriter

Olá meu povo, como estamos? Uma de minhas leituras […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui