12 de novembro de 2022

Li Até a Página 100 e… #41: Os Criminosos de Novembro

 Olá meu povo, como estamos? Para quem acompanha a programação do blog, viu que hoje deveria ser o dia de #12livrospara2022. No entanto, essa semana eu tive uma crise de ansiedade e isso afetou todas as minhas atividades. 
   
Aos poucos estou colocando tudo em dia, sem me apressar, e tentando não entrar em loop, por estar atrasada com o cronograma. Então hoje, ao invés da resenha, trago as primeiras impressões da minha atual leitura, que faz parte da TBR do mês e do #12livrospara2022: ‘Os Criminosos de Novembro’, de Sam Munson.
Li Até a Página 100 | Os Criminosos de Novembro
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 

Primeira frase da página 100

 
R. “Meu pai me contou que eles se conheceram na noite de abertura da exposição de um amigo dele que mais tarde se tornou meio famoso _ um escultor de arames e peles de animais não tratadas _ e que eles se conheceram um ano antes de eu nascer.” 
 
 

Do que se trata o livro?

 
R. Um assassinato brutal chocou a todos na escola John F. Kennedy, nos final dos anos 1990. A vítima era Kevin, um rapaz negro, cujo caso foi praticamente arquivado pela polícia. No entanto, Addison, ao preencher um formulário para se candidatar às universidades, se depara com uma pergunta cabulosa: “Quais suas maiores qualidades e seus piores defeitos?”. Pensando nisso, tenta desvendar o que aconteceu com Kevin, em busca de suas próprias respostas.
 
 

O que está achando até agora?

 
R. Fazia muito tempo que eu não lia YA. Então é monótono e chato de vez em quando, com alguns toques de piada e mistério.
 
 

O que está achando do protagonista?

 
R. Addison é um chato e burro. O que combina bastante com a idade dele, aliás (rsrsrs). Tem apenas 18 anos, está terminando o ensino médio, mas quer fazer justiça, sabe-se lá o porquê. Mas apesar de atrapalhado, é inteligente quando quer.
 
 

Melhor quote até agora

 
“É um termo preciso, no entanto podemos descrever boa parte da existência humana como uma tragédia sem sentido, ou mesmo a existência em geral, se você for um idealista de verdade.”
 

Vai continuar lendo? 

 
R. Sim. Apesar de completamente diferente do que eu esperava, a leitura está fluindo bem e devo terminar logo.
 
 

Última frase da página 100

 
R. “A mensagem foi escrita com tinta azul.”
 
 
 
E aí, o que acharam? Já tinham lido esse livro? Me contem aí! 

 

Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Livros para ler no mês do orgulho LGBTQUIA+

Livros para Ler no Mês do Orgulho LGBTQUIA+

Olá meu povo, como estamos? O mês de junho […]

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui