10 de maio de 2022

Nunca Saia Sozinho | Charlie Donlea

Olá meu povo, como estamos? Depois de um bom tempo de jejum, hoje temos Charlie Donlea por aqui novamente. E vamos a mais um dos casos de Rory Moore, em ‘Nunca Saia Sozinho’.

 

Nunca Saia Sozinho | Charlie Donlea
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

ALERTA: Este livro pode conter gatilhos de suicídio
 
 

24/24
Livro: Nunca Saia Sozinho
Autor: Charlie Donlea
Editora: Faro Editorial
Ano: 2020
Páginas: 352
Skoob | Compre na Amazon
 
 

 

SE ACEITAR O CONVITE, NÃO IGNORE O AVISO.
Dentro dos muros de uma escola de elite as expectativas são altas, e as regras, rígidas. Na floresta, além do campus bem cuidado, há uma pensão abandonada que é utilizada pelos alunos como ponto de encontro noturno. Para quem entra, existe apenas uma regra: não deixe sua vela apagar ― a menos que você queira encontrar o Homem do Espelho. Há um ano, dois estudantes foram mortos em um massacre terrível. Desde então, o caso se tornou o foco do podcast “A Casa dos Suicídios”. Embora um professor tenha sido condenado pelos assassinatos, muitos mistérios e perguntas permanecem. O mais urgente é: por que tantos alunos que sobreviveram àquela noite macabra voltaram ao lugar para se matar? Rory Moore, especialista em casos arquivados, e seu parceiro, Lane Philips, começam a investigar a noite dos assassinatos, em busca de pistas que possam ter escapado da escola e da polícia. Porém, quanto mais descobrem sobre os alunos e aquele jogo perigoso que deu errado, eles se convencem de que algo fora do normal ainda está acontecendo. O jogo não acabou. Ele prospera, em segredo, e no silêncio. E, para seus jogadores, pode não haver uma maneira de vencer ou de sobreviver.

 

 
 

 

Nunca Saia Sozinho | Charlie Donlea

 

 
 A Escola Preparatória de Westmont é um colégio interno de elite, para onde são enviados os jovens rebeldes e, aparentemente, sem solução. Seus pais pagam uma mensalidade caríssima, a fim de garantir que eles saiam do ensino médio como pessoas melhores do que quando entraram.
   
Com o lema de “entrem sozinhos e saiam juntos”, os diretores Christian Casper e Gabriela Hanover acreditam que os alunos sempre têm salvação, se olhar com carinho para eles. Quando estão em período de aulas, podem ser boas pessoas, mas fora da sala são os jovens inconsequentes e dispostos a fazerem as maiores besteiras, a fim de conseguirem popularidade e aprovação dos amigos.
   
Um dos eventos mais esperados é o jogo do Homem dos Espelhos. Baseado em uma lenda urbana, o jogo é quase que um ritual para os alunos entrarem no quarto ano como os líderes dos grupos. Porém, uma edição dele acaba mal, quando os organizadores são encontrados mortos de maneira brutal, numa casa abandonada nos arredores da escola.
   
O caso foi aparentemente esclarecido, porém ainda tem muitas pontas soltas e sem resposta. Em especial porque, no ano seguinte, os alunos sobreviventes voltaram para o local dos crimes e cometeram suicídio.
   
Com grande destaque na mídia e apresentado toda semana por Mack Carter no podcast ‘Casa dos Suicídios’, o caso parece ainda atrair muitos curiosos e entusiastasEm um dos episódios, Lane Philips é convidado a participar e construir um perfil do assassino, mesmo que já tenham encontrado um culpado. No entanto, coisas estranhas continuam acontecendo e Lane sabe que apenas Rory seria capaz de enxergar nas entrelinhas e esclarecer o que ninguém mais consegue.

 

 

“Ainda assim, ela tentava. Era como Rory existia.”

 

 

Fiquei admirada comigo mesma ao constatar que, mesmo tendo todos os livros de Donlea aqui em casa, mal dei atenção aos volumes mais recentes. De acordo com as resenhas publicadas aqui, meu último contato foi em ‘Uma Mulher na Escuridão’, lido em outubro de 2021.
   
Esse também foi meu primeiro contato com a Rory Moore, a protagonista mais falada do autor nos últimos tempos. Ela chama atenção pela forma peculiar como se apresenta: uma mulher de 40 anos, autista e, não importa qual a estação do ano, sempre encontrará com você usando um gorro bem grande, óculos escuros, uma jaqueta pesada e fechada até o pescoço, além dos coturnos Madden Girls pretos.
 
Em ‘Nunca Saia Sozinho’ não é diferente. Dessa vez, a moça não foi convocada diretamente para resolver o caso da Escola Preparatória de Westmont. Ela iria apenas acompanhando o namorado Lane Philips, convidado para fazer um perfil psicológico do assassino responsável pelo massacre dos jovens um ano antes.
   
Embora seja considerado encerrado, o caso tem muitas pontas soltas. Pontas essas que ficam mais visíveis quando os alunos sobreviventes do ataque voltam ao local e se matam da mesma maneira: se jogando diante de um trem.
 
 
 

 

Nunca Saia Sozinho | Charlie Donlea
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
O caso volta à tona em tamanha proporção que vira tema de inúmeros canais e blogs especializados em crimes reais. Isso inclui o blog da jornalista Ryder Hillian e o podcast de Mack Carter. Esses dois disputam audiência e fazem de tudo para conseguir enxergar as
entrelinhas que os detetives deixaram escapar. 
   
Uma das jogadas de Mack é convidar Lane, só o psicólogo forense mais famoso do país, a fim de participar de alguns episódios de seu podcast e dizer onde os investigadores supostamente erraram. Lane, por sua vez, sabe que apenas Rory tem a expertise para enxergar o que ninguém mais enxerga e não descansa até convencê-la a investigar o caso
   
E, felizmente, consegue. Aliás, achei algumas coisas interessantes nesse livro, as quais não tinha acontecido nos anteriores. 
Se Charlie Donlea está melhorando a cada livro que publica, seus personagens o acompanham. Lembro que não gostei tanto do alvoroço sobre a Rory da outra vez, pois ela só tinha fama e não trabalhou tanto assim no caso
   
Ficava mais na sua válvula de escape, restaurando bonecas e os plots dela ficaram em segundo plano. Apesar de ter gostado da leitura, fiquei decepcionada nesse quesito.
 
 

 

Nunca Saia Sozinho | Charlie Donlea
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
Aqui, parece que o autor ouviu minhas lamúrias e deu mais voz e ação, não só para Rory, mas também para o Lane, que entrava mudo e saía calado, coitado. Agora sim posso dizer que esses dois tem a fama que merecem e são ótimos investigadores.
   
Embora ainda tenha seu momento de relaxamento com as bonecas, Rory não resiste e se rende ao caso, como se fosse uma roupa nova. Fiquei bem mais imersa e a leitura fluiu muito melhor.
 
O cenário do massacre é a antiga casa de hóspedes da escola, onde os alunos costumam brincar de O Homem do Espelho. O jogo ganhou tanto a atenção dos jovens que passa de geração em geração, como uma espécie de irmandade/seita, para os alunos do terceiro e quarto anos.
   
Ganha quem for mais criativo nos trotes e provas que propõe para os novatos. Por conta disso, os alunos quase se matam, literalmente, para entrar no grupo e se tornarem populares.

 

 

“Eles tinham apenas que lidar com os alunos do último ano, atravessar o verão e conquistar a iniciação.”

 

 

Ler essas partes me deixou preocupada e ao mesmo tempo nervosa com eles. Como que os adolescentes conseguiam ter tanto complexo de super-herói só para conseguir aprovação e popularidade? 
   
Embora seja esperado certos comportamentos, dado que a escola é especializada em alunos rebeldes. Além disso, todos os estudantes têm diários, fomentados pelos terapeutas, que também são os diretores da escola: Dra. Gabriela Hanover e Dr. Christian Casper. 
   
Assim, temos uma narrativa em terceira pessoa, intercalada com momentos de leituras de diários aleatórios em primeira pessoa. Eles são, em maioria, do verdadeiro assassino. Apesar de bem óbvio, o mistério está em saber quem disse tudo aquilo. 
   
Isso porque cada trecho nos leva a pensar em um personagem diferente, conforme somos apresentados aos fatos, tanto de 2020, quando acontece a investigação de Rory, quanto de 2019, o ano da tragédia.
   
O clima da escola é sombrio por si só. Tem uma aura negativa e depressiva sobre os alunos que ainda estão vivos, assim como também tinha sobre os que morreram. 
   
Todos eles têm segredos, desde os mais bobos até os mais perigosos. Aos poucos, vemos que até os professores tem segredos perigosos. Cada segredo levava a mais outro e mais outro. Me sentia lendo uma boneca russa, praticamente. De modo especial por serem coisas que poderiam estar relacionadas ou não. Então, ficava sempre a dúvida no ar.

 

 

“A verdade era mais estranha do que a ficção. Quem diria que isso era possível…”

 

 

Como resultado, fui feita de trouxa do início ao fim, pois a cada teoria que criava, na página seguinte o autor mostrava que ainda podia tirar mais um coelho da cartola e dava certoRory e Lane formam uma dupla imbatível, mas não posso deixar de elogiar a Ryder que, embora tenha feito apenas uma participação especial, foi uma ótima jornalista e fez um trabalho decente.
   
Quem também não fica atrás é o detetive aposentado Gus Morelli. Ele pode estar com a vida ganha, mas seu instinto não falha e ainda tem muito o que ensinar para os detetives mais novos.
   
Juntos, cada um ao seu modo, esses quatro juntam as peças e saem dando um plot atrás de outro, que me deixaram de queixo caído. Até os 45 do segundo tempo ainda tinha espaço para
acontecer coisas e Donlea dominou as páginas com maestria.
 
Apesar de não ser o meu favorito do autor, ‘Nunca Saia Sozinho’ me ganhou no mistério dentro do mistério, dentro de mais um mistério. Todas as pontas foram amarradas de maneira decente e com cenas pesadas, sombrias, dignas de um bom suspense. Posso dizer com tranquilidade que não me arrependo por ter dado uma segunda chance às obras do autor. 
 
 

 

Nunca Saia Sozinho | Charlie Donlea
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna



 
 
Ele está melhorando a cada livro e espero que um dia possa falar que é um grande escritor de thriller, pois, certamente, está no caminho certo. Com relação ao livro em si, ele segue o padrão dos outros volumes. O título vem com letras garrafais, em alto relevo, dando um charme a mais. No entanto, a capa é simples e objetiva, assim como a diagramação.
   
A escrita é fluida e, mesmo sendo quase um tijolo, li bem rápido a trama e ainda queria mais. As páginas são de papel pólen, bem grossinhas e amareladas, deixando a experiência de leitura confortável.  Amei esse livro e super recomendo, de olhos fechados.
 
 
 
                                          
Já leram esse livro, ou algum outro do autor? Me contem aí!
 
Obs.: Texto revisado por Emerson Silva
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Livros para ler no mês do orgulho LGBTQUIA+

Livros para Ler no Mês do Orgulho LGBTQUIA+

Olá meu povo, como estamos? O mês de junho […]

Booktag | 5,4,3,2,1

BOOKTAG | 5,4,3,2,1

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu quero começar […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui