25 de maio de 2023

Os Dois Morrem no Final | Adam Silvera

Olá meu povo, como estamos? A TBR de maio está caminhando bem e hoje trago a resenha de mais um lido da lista: ‘Os Dois Morrem no Final’, escrito por Adam Silvera.

 

Os Dois Morrem no Final | Adam Silvera
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

27/60
Livro: Os Dois Morrem no Final
Autoria: Adam Silvera
Tradução: Vitor Martins
Editora: Intrínseca
Ano: 2017
Páginas: 384
Skoob | Compre na Amazon

 

No dia 5 de setembro, pouco depois da meia-noite, Mateo Torrez e Rufus Emeterio recebem uma ligação da Central da Morte. A notícia é devastadora: eles vão morrer naquele mesmo dia.

Os dois não se conhecem, mas, por motivos diferentes, estão à procura de um amigo com quem compartilhar os últimos momentos, uma conexão verdadeira que ajude a diminuir um pouco a angústia e a solidão que sentem. Por sorte, existe um aplicativo para isso, e é graças a ele que Rufus e Mateo vão se encontrar para uma última grande aventura: viver uma vida inteira em um único dia.

Uma história sensível e emocionante, ‘Os Dois Morrem no Final’ nos lembra o que significa estar vivo. Com seu olhar único, Adam Silvera mostra que cada segundo importa, e mesmo que não haja vida sem morte, nem amor sem perda, tudo pode mudar em 24 horas.

 

Os Dois Morrem no Final | Adam Silvera

 

Em uma realidade alternativa, o mundo conta com a Central da Morte, uma agência responsável por informar às pessoas sobre seu último dia entre os vivos. Há quem ache o recurso um máximo, mas não era bem o que Mateo e Rufus esperavam naquele momento.
Duas pessoas com nada em comum, a não ser o dia em que receberam a ligação mais mórbida que poderiam ter. No entanto, não resta muito o que fazer, a não ser aproveitar como podem seus, literalmente, últimos momentos. Mas o destino ainda pode reservar grandes surpresas, mesmo em momentos inesperados se estiver aberto a elas.

Eu já tinha visto muitos comentários positivos a respeito desse livro, bem como da genialidade do autor em criar uma trama tão sensível e real para o leitor. Porém, só agora tive a oportunidade de ler e posso afirmar que ‘Os Dois Morrem no Final’ é tudo isso e um pouco mais.

Por já sabermos o que acontece no final, pois o próprio título já anuncia, a experiência poderia ser esquisita. Contudo, o auge dessa obra não é saber se os jovens irão mesmo morrer ou não (embora eu torcesse com todo meu ser que fosse uma pegadinha do autor e tivesse uma salvação para eles), mas como os protagonistas lidarão com seus últimos momentos de vida.
Mateo e Rufus são dois adolescentes completamente opostos. O primeiro é introspectivo e faz de tudo para se manter alheio ao mundo. Então, se cerca de livros e jogos em casa. Só sai para fazer o básico na rua e visitar seu pai no hospital.
Já o outro é mais aventureiro, brigão e sabe o que é solidão desde muito cedo. Vive com a família que escolheu num lar temporário que chama de Plutão e são muito unidos, mesmo que para entrar em confusão.
 
 
 
 
Os Dois Morrem no Final | Adam Silvera
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
 
 
 
No entanto, não importa como viveram, eles irão morrer em cerca de 24h e não podem fugir do destino. Com a narrativa em primeira pessoa, a história se alterna com os ângulos de cada um. Assim, é interessante ver como eles reagem à notícia e passam a ser Terminantes.
Mateo luta contra o medo de morrer na rua e quer se fechar em copas dentro de casa para se proteger. No entanto, a ideia de permanecer sozinho e morrer dessa forma não é tão agradável quanto parecia logo no começo.
O rapaz nunca teve muitos amigos e nem se esforçou para encarar seus medos. Achava que se ficasse dentro de casa eternamente, nada de mal poderia lhe acontecer. Mas a morte sempre dá um jeito de encontrar as pessoas, por mais inusitado que seja.

 

“Se você consegue acreditar em duas vidas após a morte, consegue acreditar no universo brincando de marionete.”

 

Já Rufus está enrascado e fugindo da confusão que aprontou, envolvendo o atual namorado da sua ex. Ficar longe da única família que lhe acolheu não parece uma boa alternativa, pois certamente não os verá mais. No entanto, é obrigado a ficar sozinho para evitar que tudo piore.
Embora pareçam bem diferentes, a dupla me conquistou por ter algo em comum: uma sensibilidade que ninguém mais poderia perceber, a não ser que prestasse bastante atenção.
Mateo é um jovem bem tímido e de poucas palavras. Mas também é dono de um coração bom, puro e genuíno, algo raríssimo hoje em dia. 
Conforme as páginas passam e conhecia mais o personagem, eu vi um rapaz que queria muito viver, porém tinha medo de se mostrar e ser feliz. As coisas sempre podiam ficar para depois, como se tivesse a vida eterna, quando na verdade é o oposto.
Sei que às vezes teremos sonhos maiores que nunca iremos realizar, seja por serem impossíveis (não acho que eu encontrarei um guarda roupa que me leve para Nárnia) ou por falta de planejamento mesmo. Entretanto, o rapaz sempre colocava um obstáculo mínimo diante de coisas que queria fazer, alegando que iria passar vergonha e que era péssimo.
 
 
 
 

 

Os Dois Morrem no Final | Adam Silvera
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
 
Confesso que me vi como ele em diversas cenas, pensando em quantas coisas eu deixei de fazer ou de falar por achar que nunca me entenderiam ou que podia ficar para depois. Perdi muitas oportunidades de fazer coisas incríveis por vergonha ou medo, dizendo que ficaria para outra ocasião, quando podia fazer naquele momento.
No meu caso, eu tive anos depois para me arrepender e pensar que poderia ter feito o que eu queria, assim como também poderia ter descoberto que não teria tempo de refletir por tudo isso e nem estaria mais aqui. Me dar conta de que eu também não sou eterna me deu um soco no estômago e só queria dar a mão para o Mateo, dizendo que tudo bem sentir medo e que ele tinha que aproveitar a vida como queria, sem pensar na reação das pessoas.
Rufus, por sua vez, era um jovem cercado de amigos, mas ainda assim, solitário. O rapaz era atlético, sempre buscando novas aventuras e se desafiando. 
Mas o maior desafio era o que ele não queria encarar: o que vivia dentro dele. Isso se refletia em diversas ações, por mais discretas que pudessem parecer. Confesso que também me vi um pouco nesse papel, o que me deu um aperto no coração e eu só queria chorar.

 

“Ninguém continua vivo para sempre, mas o que deixamos para trás nos mantém vivos para outras pessoas.”

 

A escrita do autor é fluida e ajudou bastante a equilibrar a narrativa densa que a obra trazia. Afinal, não deve ser fácil escrever sobre a dor da partida, especialmente quando é do próprio personagem.
Mesmo com capítulos curtos e uma leitura rápida, acabei lendo mais devagar. Em parte porque torcia pelos protagonistas e queria que eles vivessem cada segundo a mais comigo. Aliás, fiquei imaginando como seria o mundo se a Central da Morte existisse realmente.
As cenas que mostravam as ligações para as pessoas eram as que mais me incomodavam. Ela não passa de uma central com empregados entediados e que dão a notícia de uma forma tão robótica, que não sabia se sentia pena dos Terminantes ou queria dar uma palestra para os atendentes sobre como ter mais empatia.
Além disso, ficou o mistério sobre como a central sabe os dias da morte das pessoas. Talvez não fosse tanto o foco desse livro, eu entendo, mas ainda assim senti falta de uma pequena explicação a respeito.
Outra tecnologia que achei interessante foi o aplicativo Último Amigo, no qual os Terminantes podem ter contato com outras pessoas e não ficarem sozinhas em seu dia final. É também através dele que os destinos dos protagonistas se cruzam.
A proposta do app é bem bolada e também queria que existisse no mundo real. Assim, talvez as pessoas não se sentissem tão solitárias. No entanto, ao mesmo tempo que a ideia é boa, já sei o quanto o ser humano pode ser perverso, se aproveitando de momentos de fraqueza dos outros. Algo explorado nesse livro, de modo nojento e triste.
Voltando a falar do livro, o encontro entre Mateo e Rufus é simples e sem rodeios. Mas nem por isso me fez sentir menos empatia pelos dois. A dupla tem um entrosamento muito bom e genuíno, que me convenceu na primeira página. Além disso, foi quando comecei a torcer mais por eles e queria que vencessem a morte juntos.

 

“Doze horas atrás, recebi a ligação me avisando que vou morrer hoje, e me sinto mais vivo agora do que me sentia antes.”

 

 

Mas assim como na vida real, sabemos que não podemos lutar contra a natureza. Ver como eles se cuidavam era algo lindo e apaixonante de se ver. É incrível como 24 horas renderam tantos capítulos e coisas para fazer.
 
 
 

 

Os Dois Morrem no Final | Adam Silvera
Foto: Hanna de Paiva | Mundinho da Hanna

 

 
 
 
Aos poucos, conhecemos alguns personagens secundários, tão marcantes quanto os protagonistas. Lídia é a melhor amiga de Mateo, assim como Malcoln e Tagoe são de Rufus. Juntos, formam uma imensa família, regada a muita empatia, solidariedade e respeito, que muito me emocionou.
O desfecho é anunciado, mas nem por isso deixou de me arrancar lágrimas. Terminei o livro respirando fundo, com olhos marejados e um sentimento de luto, como se tivesse perdido dois grandes amigos, mesmo tendo conhecido há poucos dias atrás. 
Acho que essa é a mensagem do livro: mostrar o quanto as pessoas são importantes. A vida é curta e temos que valorizar cada minuto.

 

“Não posso só sonhar com o futuro; preciso me arriscar a cria-lo.”

 

Eu gostei bastante e quero ler o segundo livro, mas não sei se será tão cedo, pois ainda preciso digerir esse (o que talvez eu nunca supere).
Em relação ao livro, eu li em formato digital. Então, posso dizer que tanto a revisão quanto a diagramação são simples e bem feitas. Eu gostei da capa também, em tons de azul mais escuro, como se fosse desenhada. Achei muito bonita e poderia ser um quadro, para me lembrar de como olhar a vida com mais sensibilidade. Em resumo, é um livro que me surpreendeu. Tem uma escrita fluida e uma trama emocionante que recomendo. Mas prepare os lencinhos.
  
Já leram esse livro ou algum outro do autor? Gostam de romances que tem a morte como tema? Me contem nos comentários.
 
 
 
 
 
 
 Texto revisado por Emerson Silva 
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Os Escolhidos | Pedro P.R.

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu trago a […]

Alguém que Você Conhece

Alguém que você Conhece | Shari Lapenha

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu trago a […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui