21 de agosto de 2021

Amantes das séries | Desaparecido para sempre

Olá meu povo, como estamos? Hoje eu trago minha opinião sobre Desaparecido para sempre, a estreia da vez no catálogo Netflix.
Desaparecido para sempre | Netflix
Foto: Divulgação

 

Ficha técnica

Série: Desaparecido para sempre
Gênero: Suspense, Policial
Ano: 2021
Duração: 40min (em média)
Episódios: 5 (finalizada)
País: França

 

Desaparecido para Sempre é uma série de mistério da Netflix baseada no romance homônimo de Harlan Coben. Quando pensava já ter superado a tragédia que viveu no passado, Guillaume se vê em meio a outro trauma. Dez anos depois de perder as duas pessoas que mais amava de uma maneira terrível, sua namorada, Judith, desaparece misteriosamente durante o enterro de sua mãe, sem deixar rastros. Agora ele precisará entrar completamente nesse mistério para desvendar o que aconteceu com a mulher que ama.

 

Desaparecido para sempre | Netflix

 

 

 Quando vi que ‘Desaparecido para Sempre’ estreou no catálogo, corri para conferir no final de semana, principalmente por saber que é uma série que já é fechada ao final da única temporada, o que dá mais gás para maratonar.
Começamos a série sendo apresentados a Guillaume, um jovem de família abastada, criado num lar feliz e tranquilo, mas que acaba passando por uma situação traumática. Na mesma noite, o rapaz perdeu o irmão mais velho e a ex-namorada, por quem ainda era apaixonado. O motivo? Ninguém sabe. No começo, foi associado a uma tentativa de invasão a domicílio seguida de homicídio, porém o culpado nunca foi identificado.
10 anos se passam, Guillaume cresceu e seguiu com a vida. Mas se vê agora no velório da mãe, que foi enterrada no mesmo dia em que sua atual namorada Judith, desaparece misteriosamente. Guillaume então decide procurar sua namorada, para saber o que realmente aconteceu e tentar não ter que enfrentar mais um trauma em sua vida.
Desaparecido para sempre | Netflix
Foto: Divulgação
Como eu nunca li os livros do autor, não posso opinar se há diferenças com relação ao livro, então falarei apenas do que achei da série em si. Mantendo apenas a magia da série, eu gostei bastante de ver que foi gravada na França, mas sem ser no glamour de Paris, onde normalmente acontecem séries e filmes.
A trama toda se passa em Nice, que também é um lugar muito bonito, cercado de relevos dignos de papel de parede do Windows. Mas também é um local que tem seu lado sujo e feio, que normalmente turista não procura.
Guillaume, ao crescer, se torna assistente social e passa seus dias resgatando jovens do tráfico, para viverem uma vida digna em lares adotivos. Ele é perdidamente apaixonado por Judith, sua parceira na Casa Azul, onde trabalham há poucos anos juntos.
Desaparecido para sempre | Netflix
Foto: Divulgação
Guillaume é um rapaz charmoso e simpático, que convive bem com todos à sua volta. Porém, seu passado ainda lhe persegue, especialmente por causa do trauma que passou 10 anos atrás, quando seu irmão e sua ex-namorada morreram de forma trágica no mesmo dia.
O mistério nunca foi solucionado, embora todos tenham tentado seguir em frente. Guillaume se vê agora tendo que encarar mais uma perda, a de sua mãe, que morreu devido a um câncer em estado terminal. Sua vida não poderia ficar pior, quando, ao pedir sua namorada Judith em casamento, simplesmente ela some do mapa, sem deixar vestígios.
Guillaume fica ainda mais desnorteado, quando a polícia resolve interrogá-lo, em busca de pistas exatamente sobre Judith, lhe apresentando uma namorada que ele jamais imaginou que conheceria. Guillaume passa a ser considerado cúmplice das acusações contra Judith, e precisa saber o que de fato aconteceu, para tentar limpar seu nome… e o de Judith, supondo que ele seja mesmo inocente.
Eu gostei bastante dessa série, pois me deixou realmente ligada do começo ao fim. São apenas cinco episódios, mas valeram por bem mais que isso.
Desaparecido para sempre | Netflix
Foto: Divulgação

 

Mesmo não tendo o glamour da capital do país, achei a fotografia muito bonita, apesar de também mostrar uma parte “feia” da cidade, o que tira toda aquela ilusão de que só no nosso Brasil existem viciados. Guillaume passa por cada lugar que daria medo em qualquer um, ainda mais agora, em busca de sua noiva.
Aos poucos, vamos esmiuçando os traumas do próprio Guillaume, que parece ainda não saber lidar com eles. Assim como também vamos descobrindo sobre todos que o cercam, que vai se revelando a cada episódio. Todo detalhe é importante, se não se ligar e perder, já era. Tudo pode estar interligado, e ninguém é o que parece.
Nessa série, é mistério dentro de mistério, dentro de mistério. E toda teoria que eu criava caía por terra no minuto seguinte. Apesar de ter gostado bastante, eu não posso deixar de comentar que, já pela segunda vez, eu achei estranho que a polícia, que deveria ser a responsável pela investigação, ficasse tão de lado assim.
Guillaume, que tem formação alguma para ser detetive, parece estar sempre um passo adiante da polícia, que quase que entra muda e sai calada… mas é um suspense de investigação policial… Por mais que pareça que na Europa elas são conduzidas de modo mais lento do que no Novo Mundo, eu senti bastante falta de uma presença maior dos detetives, o que não sei se também é assim no livro.
O final é surpreendente e satisfatório, que explica algumas coisas de uma forma que eu jamais teria imaginado. Esse realmente é um suspense que te dá medo do escuro (eu tive até pesadelo por causa dessa série), mas nem por isso deixo de recomendar.
Ela serve para mostrar que nenhuma família é perfeita, que por trás de cada sorriso de foto de família, existem segredos bastante dolorosos e, mesmo que conviva com uma pessoa, você jamais vai conhecê-la de fato, se ela não desejar que isso aconteça. O mesmo vale para qualquer pessoa de seu convívio. Então, todo cuidado é pouco.
Desaparecido para sempre | Harlan Coben
Foto: Divulgação

 

E aí, já tinham visto a série? E o livro, acharam que tinha muitas diferenças entre as obras? Me contem aí!
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Pavilhão Japonês | Parque Ibirapuera

Para Animar seu Final de Semana #3

Olá meu povo, como estamos? Vamos a mais uma […]

É Fácil Matar | Agatha Christie

Li até a página 100 e… #50: É Fácil Matar

Olá meu povo, como estamos? As leituras de abril […]

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui