15 de dezembro de 2020

A fera mais bela | Barbara Sá

    Olá meu povo, como estamos? Hoje temos mais uma resenha da coleção Femme Fatale, da editora Increasy. O livro da vez se chama ‘A fera mais bela‘, da autora nacional Barbara Sá
A fera mais bela | Barbara Sá
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

42/12
Livro: A fera mais bela
Autora: Barbara Sá

Editora: Increasy
Páginas: 85
Ano: 2020
Skoob | Amazon

“Bela” não está entre as principais características que Linda utiliza para classificar a si mesma, mas ainda assim ela é. Imponente, chama atenção por onde passa e é como uma camaleoa: se adapta a todos os lugares em que se encontra. Mas sua arena favorita é o tribunal. É lá onde mostra as garra e revela a fera que vive em seu interior.
Desde que ocupou o cargo de promotora de justiça, há dois anos, Linda vem transformando o Judiciário, o que acaba chamando atenção de pessoas mal-intencionadas. Quando um grande processo coloca sua vida em risco, Linda entende que ganhar talvez não seja sempre uma opção.
Um romance sobre ter fé em si mesma, a delicadeza do amor entre melhores amigos e a necessidade de se impor.
“A fera mais bela” é inspirado na história da princesa Bela e faz parte da antologia Femme Fatale, composta por 12 novelas sem relação entre si de 12 diferentes autoras da Increasy Consultoria Literária, com a proposta de trazer uma releitura de princesas e heroínas da literatura.

A fera mais bela | Barbara Sá

   Linda é uma mulher, literalmente, linda e bem sucedida, não tem vergonha alguma de dizer quais foram suas origens. 
   Vinda de uma cidade do interior, ela viu todo o esforço de sua mãe para lhe criar e dar um futuro digno. 
  Assim, vendo o exemplo em casa, ela lutou pelos seus objetivos e chegou até a promotoria da capital, onde é conhecida como “Fera”, por seu jeito peculiar de resolver os casos no tribunal e ainda fazer o que muito homem não tinha coragem.  
  Por causa disso, ela acabou deixando muita gente zangada e vai ter que provar que realmente é uma Fera para vencer essa batalha. 
  Eu tinha ficado bem curiosa com a coleção Femme Fatale, por causa da proposta da releitura dos clássicos das princesas Disney. 
  Depois que li Palácio de Areia, a versão carioca de Frozen, achei super interessante a ideia de uma princesa “que salva a si mesma” e não fica esperando o príncipe encantado na torre. 
  Em A fera mais bela, temos a releitura de A Bela e a Fera, com uma pegada beeeem girlpower. Já gostei de cara porque Linda, a nossa “princesa”, é pura representatividade. 
  Ela é uma mulher negra, que não tem vergonha de ter vindo do interior e de ter tido uma infância pobre. 
  Sua mãe era mãe solteira e fez de tudo para dar uma chance da menina estudar, o que ela fez com muito gosto e fez questão de se formar em Direito, quando viu que era sua chance de fazer a diferença no mundo. 
  Não apenas conseguiu se formar, como chegou ao posto de promotora, e era das melhores e mais temidas! Se isso não é um mulherão da p*, não sei mais como poderia definir Linda. 
  Linda é chamada de Fera nos tribunais, por causa de sua forma atuação nos tribunais, enfrentando muito macho babaca e sem noção, e ainda vencendo muitos casos. 
  Mas, quando não está atuando no tribunal, Linda é a melhor amiga de Mateus, seu vizinho do lado.       Mateus é um cara bonitão, que foi vizinho de Linda desde criança. Ele é um dos vencedores de uma das edições do Masterchef Brasil e resolveu realizar seu sonho de ter o próprio restaurante na capital. 
  Assim, foi uma boa jogada ficar perto de Linda, assim os dois teriam companhia um para o outro enquanto estão longe de casa. 
  Além disso, Linda está com sérios problemas no tribunal, já que o caso em que ela está trabalhando pode afetar peixes bem grandes, com os quais ela talvez não possa lidar sozinha… ou será que pode? 
  Em apenas 85 páginas, era de se esperar que tivéssemos algo bem mais rapidinho e sem muitos detalhes, mas ainda assim, temos uma história maravilhosa, com tudo que se possa imaginar. 
  
     
 
   Com uma escrita bem fluida e sem rodeios, até porque um conto não tem espaço para isso, a Barbara Sá nos mostra Linda como uma mulher forte e decidida, que não veio ao mundo para ser feita de capacho de ninguém. 

“Eu não permitiria mesmo que nenhum homem me desestruturasse.”

   É uma personagem que representa muita gente e mostra que podemos ser o que quisermos ser, quando e como quisermos ser. 
“Ser imponente.
  Esse foi um dos primeiros ensinamentos de minha mãe, os quais levei para toda a vida. Ser mulher já me faria ser diminuída pela sociedade, ser uma mulher negra poderia ser o meu massacre, mas me postar com imponência daria o recado de que nada passaria por cima de mim.”
   A relação dela e de Mateus é uma coisa linda de se ver, vemos que os dois são amigos e bem mais do que isso, o que nos já é anunciado, mas a graça está em ver como o romance deles é construído.  
   Além disso, quem me acompanha sabe que não curto ler livros do gênero hot, mas essa coleção é para ter pegadas para esse lado, então eu já estava “avisada” quando comecei a ler os contos. 
   O que mais gostei é que, mesmo sabendo que tinha essa pegada, não me fiquei nem um pouco desapontada, já que a autora sabia o espaço de páginas que tinha e conseguiu dosar e muito bem cada cena. 
  Assim, temos espaço para romance, cenas mais quentes, e um mistério no ar, que te deixa intrigado até o final, querendo saber como a mocinha vai se safar. 
  E, como uma bela Fera que temos, o que mais gostei é que Linda  não dependia de um príncipe encantado. 
  Ele chegou, mas não tinha nenhuma mocinha para salvar de uma torre. Ele já chegou encontrando uma mocinha que construiu sua própria escada, tinha saída de emergência e ainda sabia se defender sozinha. 
  E a forma como ele lida com isso só me fez gostar ainda mais de Mateus. Acho que é um dos casais literários que mais shipei esse ano…  
  Aqui, ao contrário de Palácio de areia, não sei em que cidade estamos, apenas que se passa no Brasil, com personagens bem brasileiros e situações bem brasileiras também. 
  O que me deixou muito orgulhosa de ler, já que é apenas mais uma prova do que eu já sabia, que aqui no Brasil temos espaço para muitas histórias incríveis. 💓 
  Além disso, essa foi minha primeira experiência com livros do Kindle Unlimited, que aproveitei a promoção de Black Friday para assinar na promoção de R$1,99 por três meses. 
  
A fera mais bela | Barbara Sá
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna

Confesso que gostei bastante do catálogo numa primeira vista. Ainda estou me descobrindo por lá, então, se tiverem alguma dica, que queiram compartilhar, fiquem à vontade. ^^ 
  Com relação ao livro em si, eu li a versão digital, que é muito linda, por sinal. A capa é padrão da coleção, sempre com a princesa da releitura de costas e quase que em perfil para nós. 
  Apesar de estar vestida como no clássico, está sempre segurando algum elemento que te remeta à versão que leremos.
  A revisão está de parabéns e a história nos é narrada do ponto de vista da Linda, como uma espécie de diário, o que achei legal, pois deixa a história um tanto mais intimista. 
  Super recomendo a leitura, ainda mais se você curte um conto com essa pegada mais hot.  
 
   E essa foi a resenha de hoje. Vocês conhecem a coleção Femme Fatale? Já tinham lido alguma outra obra da autora? Me contem aí! 
Link para compra: 
Amazon
Postado por:

Hanna de Paiva

Gostou? Leia esses outros:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments

Classificação de resenhas

Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo

anuncie aqui